terça-feira, 10 de novembro de 2015

Papa critica corrupção e pede aos jovens que não cedam a pessimismo e acomodação

“Quem se sente cansado e oprimido pelas circunstâncias da vida, confie em nossa Mãe que está perto de nós e nos consola”, disse o Papa, na cidade onde se venera o “cinto” da Virgem Maria
papa viagem
A cidade ‘mais chinesa’ da Itália, e uma das mais multiculturais da Europa, Prato, recebeu o Papa nesta terça-feira (10/11) com sol e muita gente nas ruas. Cerca de 30 mil vieram de localidades vizinhas e desde às 6h, a cidade estava tomada. O helicóptero proveniente do Vaticano aterrissou às 7h45 no estádio da cidade e com o papamóvel, Francisco chegou ao adro, de onde se dirigiu à multidão.

A cidade de Prato – como explica o bispo, Dom Agostinelli – tem 191 mil habitantes, dos quais 34.600 (18,12%) são estrangeiros. A maior parte, 16 mil, são chineses; e outras grandes comunidades são formadas por albaneses, romenos, paquistaneses e marroquinos. A indústria têxtil é o motor desta sociedade.
Antes de proferir seu discurso, o Papa entrou na Basílica para venerar o ‘Santo Cinto’, relíquia que, de acordo com uma tradição medieval, teria sido lançada do céu pela Virgem Maria a São Tomé durante a Assunção. O Cinto da Virgem é um pedaço de tecido de lã verde, com cerca de 90 centímetros, tendo em suas extremidades pequenas cordas para amarrá-lo. A relíquia é exposta à veneração pública cinco vezes ao ano: na Páscoa, nos dias 1º de maio, 15 de agosto, 8 de dezembro e no Natal. Nessas ocasiões, ela é colocada no púlpito externo, à direita da Catedral, local de onde falou o Papa.

A ‘cidade de Maria’
Este ‘sinal de bênção’ para a cidade sugeriu a Francisco a inspiração para o seu primeiro discurso. O primeiro pensamento leva ao caminho de salvação empreendido pelo povo de Israel, da escravidão do Egito à terra prometida. Antes de libertá-lo, o Senhor pediu para celebrar a ceia pascal e comê-la ‘com os rins cingidos’: cerrar as vestes significa estar prontos, preparar-se para partir, para colocar-se em caminho.
“É este o convite do Senhor ainda hoje, mais do que nunca: a não ficarmos fechados na indiferença, mas a nos abrirmos, a sentirmo-nos chamados para deixar nossas coisas e ir até o outro, a compartilhar a alegria de encontrar o Senhor e a fadiga de caminhar na sua estrada”.
Prosseguindo, o Papa encorajou os presentes a arriscarem, a aproximarem-se dos homens e mulheres de nosso tempo, a tomar a iniciativa e envolverem-se, sem medo, pois não existe fé sem riscos.
E neste sentido, agradeceu a cidadania pelos esforços desta comunidade na integração, contrastando a cultura da indiferença e do descarte. Elogiou ainda as iniciativas de inclusão dos mais frágeis.
O segundo pensamento do Papa se inspirou no convite feito por São Paulo a vestirmos uma couraça ‘particular’, a de Deus, que combate os espíritos do mal cinge com a verdade:

“Não se pode fundar nada de bom sobre as tramas da mentira e da falta de transparência. Procurar e optar sempre pela verdade não é fácil; é uma decisão vital que marca profundamente a existência de cada um e da sociedade, para que seja mais justa e honesta. A sacralidade de todo ser humano requer, para cada um, respeito, acolhida e um trabalho digno”.
Tragédia do trabalho
Fora do texto, o Papa recordou os 7 operários chineses mortos há dois anos em um incêndio na zona industrial de Prato. Moravam dentro do galpão no qual trabalhavam, em um dormitório feito de reboco: uma tragédia da exploração – disse – que representa condições de vida desumanas.
“A vida de toda comunidade exige que se combatam, até o fim, o ‘câncer’ da corrupção e o veneno da ilegalidade. Dentro de nós e junto aos outros, não nos cansemos de lutar pela verdade!”, prosseguiu.
Encorajamento aos jovens
Terminando, Francisco convidou os jovens a não cederem ao pessimismo e à acomodação, agradecendo-os pelas orações. “Maria é quem transformou o sábado da desilusão no alvorecer da ressurreição. Quem se sente cansado e oprimido pelas circunstâncias da vida, confie em nossa Mãe que está perto de nós e nos consola”.
Após a missa, um casal de desempregados, três sindicalistas e representantes das comunidades chinesa, ucraniana, polonesa, romena, filipina, nigeriana e paquistanesa, além de representantes das instituições locais, prefeitos da província, associações de diferentes categorias – um total de 60 pessoas, saudaram o Papa pessoalmente.
Um ‘ciao Papa’ escrito em chinês saudou o Papa enquanto o pároco da comunidade, Pe. Roberto, doou ao Pontífice dois quadros em estilo chinês retratando Santa Maria e o Espírito Santo. E a Praça continuou aplaudindo e gritando “Francesco”.
Fonte: Rádio Vaticano

Nenhum comentário:

DEUS É FIEL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VISITANTE N°