VEJA NOSSOS ÁLBUNS DE FOTOS NO NOSSO FACEBOOK: facebook.com/gruporenascercamocim

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Como manter a esperança diante do desemprego


Como manter a esperança diante do desemprego
O desemprego pode abalar a autoconfiança, desencadear um sentimento de inferioridade e até afetar os relacionamentos familiares, mas de maneira nenhuma podemos permitir que o desemprego atrapalhe o nosso relacionamento com Deus.


Através do trabalho de nossas mãos conquistamos os bens e edificamos nossos lares. É correto afirmar que todo o ser humano precisa ter uma função social é exatamente no emprego que encontramos a dignidade, seja qual for a função.


Por outro lado, infelizmente vivemos uma época em que os índices de desemprego aumentam a cada dia, mas não se podemos entregar os pontos. É preciso encarar o desemprego como um desafio a ser superado.

Encíclica Lumen fidei – síntese do conteúdo

Encíclica Lumen fidei – síntese do conteúdo
Lumen Fidei – A luz da fé, assim se intitula a primeira Encíclica do Papa Francisco que hoje foi apresentada em conferência de imprensa, no Vaticano. Dirigida aos bispos, sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas e a todos os fiéis leigos, a Encíclica – explica o Papa Francisco – já estava “quase completada” por Bento XVI.


Àquela “primeira versão” o atual Pontífice acrescentou “ulteriores contribuições “. A finalidade do documento é recuperar o carácter de luz que é específico da fé, capaz de iluminar toda a existência humana.


Quem acredita nunca está sozinho, porque a fé é um bem comum que ajuda a edificar as nossas sociedades, dando esperança. E’ este é o coração da Lumen fidei. Numa época como a nossa, a moderna – escreve o Papa – em que o acreditar se opõe ao pesquisar e a fé é vista como um salto no vazio que impede a liberdade do homem, é importante ter fé e confiar, com humildade e coragem, ao amor misericordioso de Deus, que endireita as distorções da nossa história.

Papa aprova a canonização de João Paulo II e João XXIII

Papa aprova a canonização de João Paulo II e João XXIII
O Papa Francisco aprovou o decreto de canonização do Beato João Paulo II e João XXIII, conforme explicou o porta-voz do Escritório de Imprensa do Vaticano, Padre Federico Lombardi.Os cardeais e bispos da Congregação para as Causas dos Santos aprovaram nesta terça-feira o segundo milagre atribuído ao Beato João Paulo II e que abre as portas para sua canonização, como relatado por fontes do Vaticano.


Embora não tenha havido confirmação oficial, as mesmas fontes disseram como possíveis datas para a canonização de João Paulo II o dia 24 de novembro, no fim da celebração do Ano da Fé, ou dia 08 de dezembro.


Além disso, a imprensa italiana já indicava nesta terça-feira que a cerimônia de canonização de João Paulo II poderia ser feita junto com a de João XXIII, conhecido como o “Papa Bom”.

O Papa agradece Bento XVI por colaborar com Lumen Fidei

O Papa agradece Bento XVI por colaborar com Lumen Fidei
O Papa Francisco agradeceu ao Bispo Emérito de Roma, Bento XVI, por sua valiosa contribuição para a encíclica “Lumen Fidei” (A luz da fé), a primeira de seu pontificado, que foi apresentada nesta manhã, no Vaticano.


Na introdução da Encíclica, o Santo Padre destaca que o que está escrito neste documento está em continuidade com o Magistério da Igreja sobre esta virtude teologal e “pretende juntar-se ao que o Papa Bento XVI escreveu nas cartas encíclicas sobre a caridade e a esperança”.


Francisco se refere às encíclicas “Deus Caritas Est”, sobre a caridade, e “Spe Salvi”, sobre a esperança dizendo que o bispo emérito de Roma queria fechar com uma encíclica sobre a fé que não pôde ser concluída antes de sua renúncia em fevereiro deste ano. Sobre Bento, o Papa Francisco disse que “ele já tinha praticamente concluída uma primeira versão desta Carta Encíclica sobre a fé. Agradeço de coração e na fraternidade de Cristo, eu assumo o seu precioso trabalho, acrescentando ao texto algumas reflexões”.

JMJ terá locais pré-definidos para a retirada do café da manhã

JMJ terá locais pré-definidos para a retirada do café da manhã
JMJ terá locais pré-definidos para a retirada do café da manhã


Durante a Jornada Mundial da Juventude Rio2013, os peregrinos que aderiram ao pacote oficial com alimentação receberão um voucher, via e-mail, indicando onde será feita a retirada dos kits de café-da-manhã, mesmo local onde o grupo fará as catequeses. Eles também serão informados a respeito dos restaurantes credenciados para almoço e jantar com o cartão de alimentação. O e-mail deve chegar cerca de 15 dias antes do evento, que acontecerá de 23 a 28 de julho.


A organização informou que haverá versões especiais dos kits para os peregrinos celíacos, hipertensos, ou diabéticos, em todas as sedes de catequese na proporção de 8%. O kit é composto por: achocolatado, croissant, biscoito salgado, suco, pasta de chocolate, queijo e bolinho.

Íntegra da Carta Encíclica ‘Lumen Fidei’, primeira Encíclica do Papa Francisco.

CARTA ENCÍCLICA
LUMEN FIDEI
DO SUMO PONTÍFICE
FRANCISCOAOS BISPOS
AOS PRESBÍTEROS E AOS DIÁCONOS
ÀS PESSOAS CONSAGRADAS
E A TODOS OS FIÉIS LEIGOS
SOBRE A FÉ
1. A luz da fé é a expressão com que a tradição da Igreja designou o grande dom trazido por Jesus. Eis como Ele Se nos apresenta, no Evangelho de João: « Eu vim ao mundo como luz, para que todo o que crê em Mim não fique nas trevas » (Jo 12, 46). E São Paulo exprime-se nestes termos: « Porque o Deus que disse: “das trevas brilhe a luz”, foi quem brilhou nos nossos corações » (2 Cor 4, 6). No mundo pagão, com fome de luz, tinha-se desenvolvido o culto do deus Sol, Sol invictus, invocado na sua aurora. Embora o sol renascesse cada dia, facilmente se percebia que era incapaz de irradiar a sua luz sobre toda a existência do homem. De facto, o sol não ilumina toda a realidade, sendo os seus raios incapazes de chegar até às sombras da morte, onde a vista humana se fecha para a sua luz. Aliás « nunca se viu ninguém — afirma o mártir São Justino — pronto a morrer pela sua fé no sol ».[1] Conscientes do amplo horizonte que a fé lhes abria, os cristãos chamaram a Cristo o verdadeiro Sol, « cujos raios dão a vida ».[2] A Marta, em lágrimas pela morte do irmão Lázaro, Jesus diz-lhe: « Eu não te disse que, se acreditares, verás a glória de Deus? » (Jo 11, 40). Quem acredita, vê; vê com uma luz que ilumina todo o percurso da estrada, porque nos vem de Cristo ressuscitado, estrela da manhã que não tem ocaso.

Íntegra da Carta Encíclica ‘Lumen Fidei’, primeira Encíclica do Papa Francisco.

CARTA ENCÍCLICA
LUMEN FIDEI
DO SUMO PONTÍFICE
FRANCISCOAOS BISPOS
AOS PRESBÍTEROS E AOS DIÁCONOS
ÀS PESSOAS CONSAGRADAS
E A TODOS OS FIÉIS LEIGOS
SOBRE A FÉ
1. A luz da fé é a expressão com que a tradição da Igreja designou o grande dom trazido por Jesus. Eis como Ele Se nos apresenta, no Evangelho de João: « Eu vim ao mundo como luz, para que todo o que crê em Mim não fique nas trevas » (Jo 12, 46). E São Paulo exprime-se nestes termos: « Porque o Deus que disse: “das trevas brilhe a luz”, foi quem brilhou nos nossos corações » (2 Cor 4, 6). No mundo pagão, com fome de luz, tinha-se desenvolvido o culto do deus Sol, Sol invictus, invocado na sua aurora. Embora o sol renascesse cada dia, facilmente se percebia que era incapaz de irradiar a sua luz sobre toda a existência do homem. De facto, o sol não ilumina toda a realidade, sendo os seus raios incapazes de chegar até às sombras da morte, onde a vista humana se fecha para a sua luz. Aliás « nunca se viu ninguém — afirma o mártir São Justino — pronto a morrer pela sua fé no sol ».[1] Conscientes do amplo horizonte que a fé lhes abria, os cristãos chamaram a Cristo o verdadeiro Sol, « cujos raios dão a vida ».[2] A Marta, em lágrimas pela morte do irmão Lázaro, Jesus diz-lhe: « Eu não te disse que, se acreditares, verás a glória de Deus? » (Jo 11, 40). Quem acredita, vê; vê com uma luz que ilumina todo o percurso da estrada, porque nos vem de Cristo ressuscitado, estrela da manhã que não tem ocaso.

5.500 jornalistas inscritos para JMJ. Rio bate recorde e supera Madri.



Alcançando um novo recorde, a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013 chegou a 5.500 inscrições dejornalistas do mundo inteiro, e superou os números da JMJ realizada em Madri em 2011, que teve cerca de 5.000 profissionais da comunicação.

A inscrição dos jornalistas foi encerrada no dia 20 de junho. A organização da JMJ deste ano calcula que cerca de 2 mil deles são da imprensa internacional. A confirmação do registro ainda depende da aprovação de organismos federais. As autorizações serão divulgadas em breve.

Segundo a coordenadora das inscrições de jonalistas, Josery Pantoja, o número de solicitações de credenciais mostra que a JMJ é um evento com repercussão no mundo inteiro. “A JMJ vai muito além da mídia religiosa: o mundo inteiro vai acompanhar a JMJ”, enfatizou.

Além disso, a participação da imprensa será determinante para apresentar ao mundo o conceito da JMJ, segundo Josery: “Esta quantidade de jornalistas mostra que vamos levar ao mundo o sentido desta Jornada: serenidade, paz e amor ao próximo”.

Carta Aberta do Comitê Organizador Local da JMJ Rio.


Prezadas irmãs, Prezados irmãos, Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Em nome de todos os que diretamente estão envolvidos na preparação da Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013), em nome dos que, genericamente, somos conhecidos como COL, Comitê Organizador Local, venho agradecer as participações fraternas que temos recebido em virtude de algumas escolhas feitas em relação a pontos específicos do grande conjunto que é a Jornada.
Ficamos alegres com o testemunho de zelo pelo Evangelho, com o decidido amor pela Igreja e com a preocupação com o risco de se profanar o que é sagrado. Partilhamos destas preocupações. Quem está diretamente envolvido nos planejamentos e nas opções, nem sempre consegue distanciamento necessário.
Graças a Deus, não estamos sozinhos. Temos nossos bispos. Temos o diálogo sincero, fraterno e eclesial com o Pontifício Conselho para os Leigos, organismo responsável, por parte da Santa Sé, na organização da Jornada. Temos os amigos que caminham conosco desde o início da preparação da Jornada. Temos assessorias não apenas técnicas, mas também pastorais. Temos, enfim e em meio a tudo isso, a graça de Deus a nos guiar.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Impacto da JMJ no comércio do Rio será de 273,9 milhões de reais, segundo confederação carioca.


A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgou uma pesquisa sobre o impacto econômico da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013 no comércio de varejo do Rio de Janeiro. A Jornada poderá injetar R$273,9 milhões no comércio carioca.
Os que devem faturar mais durante a Jornada são os hiper e supermercados, alcançando o valor de R$100,7 milhões (40,2%). Devem ter 36,1% de investimento econômico dos peregrinos, segmentos como: livrarias e papelarias; farmácias e perfumarias; venda de artigos de uso pessoal e doméstico; e lojas de móveis e eletrodomésticos. Ficando em segundo lugar de injeção de dinheiro.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Encíclica de Francisco será apresentada na sexta

Encíclica de Francisco será apresentada na sexta
Na próxima sexta-feira, 5 de julho, será apresentada na Sala de Imprensa da Santa Sé a Encíclica do Papa Francisco “Lumen fidei” (Luz da fé).


A Encíclica será apresentada pelos Prefeitos das Congregações para os Bispos e para a Doutrina da Fé, Card. Marc Ouellet e Dom Gerhard Ludwig Müller, e pelo Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, DomRino Fisichella.


A Encíclica estará disponível em cinco línguas, entre elas, o português.

Qual o papel do Diácono na liturgia?


Por Pe. Edward McNamara, L.C.
Pergunta 1: O diácono também eleva o cálice ou a patena junto com o celebrante no momento da doxologia final da oração eucarística?
Esta pergunta é respondida com clareza pelo Ordenamento Geral do Missal Romano (OGMR), no nº 180:
180. Durante a doxologia final da oração eucarística, o diácono, ao lado do sacerdote, eleva o cálice, enquanto o sacerdote eleva a patena com a hóstia, até que o povo tenha respondido com a aclamação: Amém.
Observe-se que o diácono eleva o cálice em silêncio e não participa do canto ou da recitação da doxologia.
Pergunta 2: Após a bênção final do celebrante, no fim da missa, quando o diácono diz ao povo: “Ide em paz …”, ele pronuncia essas palavras abrindo os braços como quando o padre diz “O Senhor esteja convosco”? Ou deve dizê-las de mãos juntas?
Relativamente a esta questão, o OGRM afirma especificamente nos números 184 e 185 que o diácono o faz com as mãos juntas:
184. Terminada a oração depois da comunhão, o diácono faz ao povo eventuais breves avisos, a não ser que o sacerdote prefira fazê-los por si próprio.