sábado, 7 de abril de 2012

O mistério da cruz e da ressurreição

Imagem de DestaqueSábado Santo, dia de esperança
A meditação sobre o mistério da cruz de Cristo é fundamental para a vida de todo o cristão. Na Quaresma e na Semana Santa, a reflexão sobre a Paixão de Nosso Senhor ganha ainda mais importância. Neste tempo, ao meditar sobre a Paixão de Cristo, também somos chamados a meditar sobre a Sua Ressurreição, já que pelo batismo ressuscitamos com Ele para uma vida nova (cf. Col 3, 1). O mistério da cruz e da ressurreição são realidades que fazem parte da vida cristã, por isso, precisamos aprender a conviver com elas.
Nesse tempo, somos chamados a refletir a respeito do Mistério Pascal de Cristo, sua Paixão, Morte e Ressurreição. Num primeiro momento, Jesus se apresenta a nós como o Servo sofredor. Cristo crucificado é o homem das dores, experimentado nos sofrimentos (cf. Is 53, 1-12). Porém, este mesmo Servo, que sofreu e morreu por nós, ressuscitou e alcançou para nós a Salvação. Estávamos perdidos por causa de nossos pecados, mas Ele alcançou para nós a vida nova, que se dá pela ação do Espírito Santo em nossas vidas.
Desta forma, o Sábado Santo é o dia da espera, um dia não de luto, tristeza, mas de esperança. Pois neste intervalo de tempo, a cruz toma o seu sentido pleno, na espera da ressurreição. Por isso a cruz e a ressurreição são duas realidades que revelam a presença do Mistério de Cristo em nossas vidas. Jesus se faz presente, pois, pelo Seu Espírito, somos capazes de viver essa vida nova. Esta é a presença do Ressuscitado em nós, que nos dá a força para vivermos a radicalidade do Evangelho.

Igreja diz que não incentiva nem recrimina crucificação de filipinos

A crucificação se tornou em evento turístico
Como ocorre todo o ano, católicos de diversas localidades das Filipinas protagonizaram ontem (6),  Sexta-Feira Santa, um espetáculo macabro. Eles se crucificaram e se açoitaram, acreditando que, assim, se livram de pecados e de problemas econômicos, além de obter curas divinas. 
O arcebispo José Palma, presidente da Conferência de Bispos Católicos das Filipinas, a CNBB de lá, afirmou que a Igreja não incentiva esse tipo de adoração, mas também não recrimina quem se submete a sacrifícios em nome de Deus. 
Esses rituais de automutilização têm obtido mais adeptos e se tornaram uma atração turística para estrangeiros.

Um dos crucificados deste ano foi Arturo Bating, 44. Ele foi cravado em uma cruz pelas mãos com pregos de 10 centímetros. “Foi uma promessa que fiz a Deus para que a minha família não tenha enfermidades”, disse.

Igreja exalta perdão em inédito feriado em Cuba desde a revolução a 50 anos atrás!

G1
A Igreja Católica em Cuba, país historicamente marcado pela resistência à fé religiosa, exaltou o perdão e a reconciliação durante a primeira Sexta-Feira Santa de feriado realizada em décadas na ilha, que, por sua vez, foi marcada pela transmissão ao vivo do discurso do cardeal cubano Jaime Ortega.
O sermão de Ortega, realizado na Catedral de Havana, foi televisionado para todo país por um canal estatal. Entre o público presente estavam fiéis da comunidade, turistas e alguns integrantes do grupo dissidente Damas de Branco, incluindo a porta-voz Berta Soler.
O cardeal Jaime Ortega se dirige a fiéis em missa desta Sexta-feira Santa em Havana (Foto: Reuters/Stringer)
O cardeal Jaime Ortega se dirige a fiéis em missa
desta Sexta-feira Santa em Havana
(Foto: Reuters/Stringer)
Por mais de uma hora, os cubanos puderam ver e escutar as palavras do arcebispo de Havana, que fez questão de ressaltar o valor do perdão como parte do legado de Jesus.
“Sem perdão não podemos ter relações interpessoais sãs, como vida familiar, convivência social, reconciliação entre grupos e entre os povos entre si. Mas, quanto nos custa perdoar?”, indagou Ortega, que seguia a mesma linha de “reconciliação entre cubanos” adotada pela Igreja nos últimos meses.
Em declarações aos jornalistas, Berta Soler, porta-voz das Damas de Branco, destacou o fato de uma representante do grupo ter conseguido acompanhar a missa na catedral mesmo sendo “fustigadas e reprimidas” pelo governo para que não participem das missas dominicais e dos atos nas ruas da ilha.

A força religiosa e cultural da SEMANA SANTA na Espanha.

LUISA BELCHIOR -Folha

Acho impressionante a força que tem a Semana Santa aqui na Espanha. E não falo (só) do fato de ser um feriadão de quase dez dias, nos quais muita gente aproveita para viajar.
Além das viagens, o país mergulha em uma intensa programação de missas, representações da via-crúcis, pessoas carregando cruzes para pagar promessas e, principalmente, muitas procissões.
Normalmente eu também viajo na data, mas como este ano fiquei em Madri acompanhei algumas por aqui e, pela TV, outras ao redor do país.
Só aqui na capital, há 16 procissões pelas ruas ao longo da Semana Santa. Já em Sevilla, cidade no sul da Espanha que concentra as principais festividades da data, são 60. As redes de televisão transmitem as procissões ao longo de todos os dias. Este ano, por causa da chuva que atinge quase todo o país neste feriadão, muitas não saíram.
Em Sevilla, capital da Andaluzia, uma das procissões mais famosas varou a noite de quinta-feira para sexta-feira. Chamada de “Madrugá” (madrugada, com a redução da última sílaba típica do sotaque andaluz), saiu pelas ruas com chuva e frio de 6ºC e cerca de 2.000 seguidores de cada confraria (são seis no total).

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Sexta-Feira Santa



Sexta-Feira Santa
Celebração da Paixão do Senhor
Hoje e amanhã, segundo uma tradição antiquíssima, a Igreja não celebra a Eucaristia.

O altar deve estar totalmente despido: sem cruz, sem candelabros, sem toalhas.
Na tarde deste dia, por volta das três horas (a não ser que razões de ordem pastoral aconselhem outra hora mais tardia), faz-se a celebração da Paixão do Senhor, que consta de três partes: liturgia da palavra, adoração da cruz e sagrada comunhão.
Neste dia, a sagrada comunhão só pode ser distribuída aos fiéis dentro da celebração da Paixão do Senhor. Aos doentes que não podem tomar parte nesta celebração pode levar-se a comunhão a qualquer hora.
O sacerdote e os ministros sagrados, revestidos de paramentos vermelhos como para a Missa, dirigem-se ao altar e, feita a devida reverência, prostram-se de rosto por terra, ou, se parecer mais conveniente, põem-se de joelhos; e todos oram em silêncio durante um breve espaço de tempo.

Papa Bento XVI critica “apelo à desobediência” feito por padres católicos.


Em duro e direto sermão, Bento 16 faz ataque a um grupo de padres austríaco que defende fim do celibato e ordenação de mulheres
RACHEL DONADIO
DO “NEW YORK TIMES”, EM ROMA
O  papa Bento 16 denunciou ontem a “desobediência” na igreja em uma homilia severa, censurando os sacerdotes reformistas que desejam a ordenação de mulheres e o fim do celibato.
Em referência a iniciativas recentes de clérigos austríacos e de outros países, o papa declarou que, embora esses sacerdotes afirmem agir motivados “pela preocupação com a igreja”, eles são movidos por “suas preferências e ideias pessoais” e deveriam optar pelo “radicalismo da obediência”, frase que captura a essência de seu pensamento teológico.
Foi um dos mais fortes e diretos sermões em sete anos de pontificado de Bento 16.
O discurso também demonstrou que o papa, que vinha demonstrando cansaço aos 85 anos, parece ter recuperado a antiga forma, atuando como defensor da ortodoxia e demonstrando preferência por uma igreja menor, mas seguida com mais fervor, em lugar de uma maior que dependa de uma diluição na doutrina.
O papa pronunciou sua homilia na Basílica de São Pedro, na Quinta-Feira Santa, o dia em que os padres recordam os votos que fizeram ao serem ordenados.
Ele fez referência ao grupo austríaco Iniciativa Sacerdotal, que divulgou um “apelo à desobediência” conclamando a igreja a permitir a ordenação de mulheres, a abandonar as normas de celibato e a permitir que pessoas divorciadas comunguem.
A Iniciativa foi criada em 2006 pelo padre Helmut Schüller, ex-diretor da agência assistencial católica Caritas na Áustria, com o objetivo de combater a escassez de sacerdotes. Desde então, mais de 400 padres austríacos expressaram apoio a ele, segundo a imprensa local.
Padres nos EUA e em outros países da Europa fizeram o mesmo.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Com Judas ou com Pedro?

-

O Domingo de Ramos é a única ocasião, em todo o ano, em que se escuta por inteiro o relato evangélico da Paixão. O que mais impressiona, lendo a paixão segundo Marcos, é a relevância que se dá à traição de Pedro. Primeiro é anunciada por Jesus na Última Ceia; depois se descreve em todo seu humilhante desenvolvimento.

Esta insistência é significativa, porque Marcos era uma espécie de secretário de Pedro e escreveu seu Evangelho unindo as recordações e as informações que lhe chegavam precisamente dele. Foi, portanto, o próprio Pedro quem divulgou a história de sua traição. Fez uma espécie de confissão pública. Na alegria do perdão encontrado, a Pedro não importou nada seu bom nome e sua reputação como líder dos apóstolos. Quis que nenhum dos que posteriormente caíssem como ele ficasse desesperado.

É necessário ler a história da negação de Pedro paralelamente à da traição de Judas. Também esta é pré-anunciada por Cristo no cenáculo, depois consumada no Horto das Oliveiras. De Pedro lê-se que Jesus voltou-se e “olhou” para ele (Lc 22, 61); com Judas fez mais ainda: beijou-o. Mas o resultado foi bem diferente. Pedro, “saindo, rompeu a chorar amargamente”; Judas, saindo, foi enforcar-se.

Estas duas históricas não estão fechadas; prosseguem, afetam-nos de perto. Quantas vezes temos de dizer que fizemos como Pedro! Nós nos vimos na situação de dar testemunho de nossas convicções cristãs e preferimos nos fechar para não correr perigos, para não nos expor. Dissemos, com os fatos ou com nosso silêncio: “Não conheço esse Jesus de quem vós falais”.

Entenda os Princípios e Atitudes da Igreja CONTRA o aborto e a FAVOR da vida!


Via Wagner Moura
Dom Fernando Arêas Rifan*

Em meio a tantos pareceres equivocados e diante da possibilidade da reforma do Código Penal descriminalizar o aborto, começando pelos fetos portadores de anencefalia, e a eutanásia, recordamos os princípios da doutrina católica e do direito natural sobre o assunto:
A vida humana é sagrada, – não porque as leis e decisões judiciais humanas o determinam, – mas porque desde a sua origem ela encerra a ação criadora de Deus e permanece para sempre numa relação especial com o Criador. Só Deus é o dono da vida, do começo ao fim; ninguém, em nenhuma circunstância, pode reivindicar para si o direito de destruir diretamente um ser humano inocente (cf. CIC 2258 – Donum vitae, 5).
A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção até o seu fim natural. Desde o primeiro momento da sua existência, o ser humano deve ver reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida (cf. CIC 2270 – Donum vitae, I,1). Esses direitos inalienáveis da pessoa devem ser reconhecidos e respeitados pela sociedade civil e pela autoridade política, não dependem nem dos indivíduos, nem dos pais, pertencem à natureza humana e são inerentes à pessoa em razão do ato criador do qual esta se origina (cf. CIC 2272 – Donum vitae, 3).
A criança anencélafa é uma pessoa viva. A sua reduzida expectativa de vida não limita seus direitos e sua dignidade. Por isso, o aborto direto provocado, quer dizer, querido como um fim ou como um meio, em qualquer circunstância, é gravemente contrário à lei moral, pois se trata de tirar diretamente a vida de um ser humano inocente, o que nada pode justificar (cf. CIC 2271).

Freira no Paraná conseguiu na Justiça o direito de usar o véu na foto da carteira de motorista.


Uma freira de Cascavel (478 km de Curitiba) conseguiu na Justiça o direito de usar o véu na foto da carteira de motorista.
A decisão, emitida no final de janeiro, se baseia na Constituição Federal, que determina que ‘ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política’.
A irmã Kelly Cristina Favaretto, 33, já havia feito sua primeira habilitação, em 2006, com o véu, mas foi impedida de usar o hábito quando tentou renovar a carteira, em agosto do ano passado.
O motivo, segundo o Detran-PR, foi uma resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), de 2006 – posterior à primeira habilitação de Favaretto -, que determina que o motorista não pode utilizar ‘óculos, bonés, gorros, chapéus ou qualquer outro item de vestuário que cubra parte do rosto ou da cabeça’ na foto (…)
Foi só no TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, em Porto Alegre, que a freira conseguiu reverter a decisão. O acórdão do TRF acolheu um parecer do Ministério Público Federal, que afirma que o uso do véu está relacionado à convicção religiosa da freira, protegida pela Constituição Federal.
‘[A norma do Contran] Restringe uma liberdade religiosa para o fim de, supostamente, permitir a visibilidade do motorista e a segurança em geral”, afirma o procurador Januário Paludo. ‘É uma exigência um tanto rigorosa. Se a freira está obrigada pela ordem a que pertence e por convicção própria a usar o véu, ela não é obrigada a retirá-lo.’

Bancada evangélica decide que ladroagem não é pecado

por Augusto Nunes, do site da Veja

A bancada evangélica no Congresso não perde chance de mostrar que é muito mais temente a Deus que qualquer papa. No momento, com o ânimo beligerante de quem se alistou nas hostes do Senhor antes de deixar o berçário, senadores e deputados federais combatem o consumo de bebida alcoólica durante os jogos da Copa de 2014. Simultaneamente, mantêm sob intenso bombardeio a legalização do aborto, os jogos de azar, os símbolos religiosos e outros sintomas de idolatria, os comerciais de cigarro, o kit gay, o casamento homossexual, o adultério, os decotes ousados e outras perfídias tramadas por Satanás.

A extensa lista de pecados só não inclui os cometidos de meia em meia hora pelos congressistas associados ao poder central. O assalto aos cofres públicos, a corrupção institucionalizada e impune, a gula das quadrilhas federais, a compra e venda de votos, os contratos de aluguel, as coalizões cafajestes e outras delinquências de que até Deus duvida são contemplados pelos evangélicos governistas com a tolerância dos cúmplices por ação ou omissão.
Não é por falta de tempo que jamais combateram a ladroagem. O que falta é vergonha.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

ESCOLA PROFISSIONAL DE CAMOCIM ENCENARÁ PAIXÃO DE CRISTO NESTA QUARTA

Desde o seu primeiro ano de fundação, a Escola Profissional Monsenhor Expedito da Silveira de Sousa, em Camocim, realiza a tradicional encenação da Paixão de Cristo. A peça tem os alunos da instituição como protagonistas, sob a direção do Professor Max Eugênio. O roteiro inclui a  história de ensinamentos, milagres, traição, julgamento, humilhações, sofrimento na cruz do calvário, morte e ressurreição do Filho de Deus. Nesta quarta-feira (04) quem quiser poderá acompanhar esse grandioso espetáculo realizado ao céu aberto, na Praça da Igreja Matriz, a partir das 18:30h. "Neste ano poderemos apreciar 20 cenas, as quais são contextualizadas  através de cenários e figurinos que remetem à época de Jesus e trazem às nossas mentes uma profunda reflexão sobre o amor e o perdão", disse ao blog, Maz Eugênio.
O evento é uma atividade fixa do calendário da escola e a cada ano vem sendo aperfeiçoado,  para que seja um marco na história da instituição e possa tornar-se parte da tradição camocinense. O espetáculo conta com o apoio da gestão escolar  e colaboração de parcerias externas.
 
texto:   Blog camocimonline

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA SANTA EM CAMOCIM


PROGRAMAÇÃO DO TRÍDUO PASCAL/2012
PARÓQUIA BOM JESUS DOS NAVEGANTES, CAMOCIM-CE
*QUINTA-FEIRA SANTA - 05/04/2012
...
MISSA DA CEIA DO SENHOR(LAVA-PÉS);
16:00H - IGREJA MATRIZ
16:30H - IGREJA DE SÃO FRANCISCO

TRANSLADAÇÃO DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO;
18:00H - IGREJA MATRIZ
18:30H - IGREJA DE SÃO FRANCISCO

*SEXTA-FEIRA SANTA - 06/04/2012

CELEBRAÇÃO DA PAIXÃO E MORTE DO SENHOR (BEIJA CRUZ);
15:00H - IGREJA MATRIZ
15:00H - IGREJA DE SÃO FRANCISCO

PROCISSÃO DE CRISTO MORTO;
16:30H - IGREJA MATRIZ

*SÁBADO SANTO - 07/04/2012

CELEBRAÇÃO DA VIGÍLIA PASCAL;

19:00H - IGREJA DE SÃO FRANCISCO
21:00H - IGREJA MATRIZ


PARTICIPE DESSAS CELEBRAÇÕES QUE ENRIQUECEM A FÉ CATÓLICA.
ESPERAMOS VOCÊ!

Santa Gemma Galgani e a Semana Santa


Nascida na cidade italiana de Lucca, em 12 de março de 1878, Gemma teve um curto, mas intenso convívio com sua piedosa mãe, que foi quem lhe transmitiu o amor a Jesus e a preparou para receber o Crisma, antes mesmo da Primeira Comunhão, conforme o costume da época.
Em setembro de 1885, a senhora Galgani faleceu, deixando a filha com a tia, Elena Landi. Algum tempo depois, Gemma regressou para junto do pai e ingressou como externa no colégio das Irmãs de Santa Zita, fundado pela Beata Elena Guerra.
Aos nove anos, revelando piedade incomum, a menina manifestava enorme desejo de receber a Sagrada Eucaristia. Ela suplicava: "Dai-me Jesus e vereis que serei mais sábia, não cometerei mais pecados, não serei mais a mesma!". Afinal, o sacerdote acabou por aceder e, na festa do Sagrado Coração de 1887, recebeu a Primeira Comunhão:
"Jesus fez-Se sentir em minha alma de uma maneira muito forte. Compreendi, então, que as delícias do Céu não são como as da Terra". Após a morte da mãe ela passou a oferecer pequenos sacrifícios a Jesus. Era chegada, porém, a hora dos grandes sofrimentos.
Em 1896, uma terrível necrose no pé, acompanhada por agudíssimas dores, obrigou-a a submeter-se a uma dolorosa cirurgia.

Salesianos retiram cerca de 6 mil menores abandonados da rua por ano na Índia



A Congregação Salesiana, por meio do projeto Bosco, vem retirando das ruas da cidade de Bangalore, capital do estado de Jarnataka, na Índia, cerca de 6 mil menores abandonados por ano. A informação foi dada recentemente pelo diretor do projeto, Padre Payyamthadathil, à agência de notícias católicas Fides.
Conforme o sacerdote, o sucesso do trabalho realizado por leigos que fazem parte do projeto tem como uma de suas principais causas o trabalho de reabilitação feito por médicos, professores e enfermeiros. "São muitos os casos que são resolvidos de maneira positiva e que dão força para seguir adiante", disse Padre Payyamthadathil.
Dando mais informações sobre a calamitosa situação infantil no país asiático, o diretor do projeto declarou que na Índia uma a cada quatro crianças não vão à escola. Conforme o sacerdote, somente em Bangalore, são 50 mil menores que vivem trabalhando nas ruas, pedindo esmolas, recolhendo lixo e abusando de consumo de substâncias químicas. "São crianças órfãs, abandonadas e também que escaparam de casa", explicou.

No que consiste a Semana Santa?


  A Semana Santa é a semana em que se conclui a Quaresma e se celebra o Tríduo Pascal. Ela começa com o Domingo de Ramos e termina com o Domingo de Pás¬coa da Ressurreição. (A Quaresma finda na Quinta-feira, e na mesma Quinta-feira, com a celebração da Ceia do Senhor, inicia-se o Tríduo Pascal.)

                2. Por que a Semana Santa é chamada de "santa"?
                Ela é chamada de "santa" porque concentra os últimos acontecimentos da vida de Jesus, como a entrada triunfal em Jerusalém (Domingo de Ramos), a ceia da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio (quinta-feira), a prisão, condenação, morte e sepultamento (sexta-feira), a Vigília (sábado) e a Ressurreição (domingo). E uma Semana Santa porque celebra Jesus que se entrega, livremente, para anunciar até o fim a Boa Nova da Salvação.

                3. O que a Igreja celebra no Domingo de Ramos?
                No Domingo de Ramos a Igreja celebra a entrada triunfal (festiva) de Jesus em Jerusalém. Ele é acolhido e proclamado o Messias, o Ungido de Deus. Para saudá-lo, o povo jogava seus mantos, para que Ele passasse por cima, ao mesmo tempo em que acenava com ramos, retirados de árvores. Daí o costume de levarmos ramos no "Domingo de Ramos"; com eles saudamos Jesus e os levamos abençoados (bentos) para casa (cf. Mt 21,1-11).

                4. Como podem ser usados os ramos bentos no Domingo de Ramos?
                Os ramos bentos no Domingo de Ramos devem ser guardados com cuidado e tratados com zelo. Não há nada de "mágico" neles, porém, como foram abençoados, devem ser usados em espírito de fé. São muitos os que os queimam, devotamente, enquanto rezam, em momentos difíceis da vida. Outros os guardam até a Semana Santa do ano seguinte, como um lembrete de que a melhor forma de saudar a Jesus é colocar em prática tudo o que Ele ensinou. Outros, ainda, os usam como remédio caseiro (chá). O importante é que os ramos bentos sejam a expressão do nosso amor e do nosso seguimento a Jesus.

                5. O que a Igreja celebra nos dias da Semana Santa que antecedem a Quinta-feira?
                Na segunda, terça e quarta-feira da Semana Santa as comunidades são convidadas a celebrar, com criatividade, o que o evangelho de Domingo de Ramos antecipou: a entrega de Jesus que, por amor, fez-se um de nós até a morte. Nesses dias, e segundo o costume de cada comunidade, reza-se o terço meditado, celebra-se a via-sacra, organiza-se uma celebração penitencial, apresentam-se encenações que contam a vida de Jesus etc. Importante mesmo é que se crie um clima de oração, onde a fraternidade e a solidariedade manifestem-se como resposta humana ao amor divino. Onde há a presença do sacerdote, a Missa deve ser o momento mais intenso e profundo de cada um desses dias.

Sacerdote exibe imagens pornográficas por engano em reunião com pais

A Igreja Católica se pronunciou sobre o assunto, o cardeal Séan Brady informou em um comunicado, que o sacerdote Martin Mcveigh, “mostrou, sem se dar conta, imagem inapropriadas, no início de uma apresentação de Power Point, o que causou inquietação entre os presentes.”. Ele ainda explicou que a arquidiocese entrou em contato com a polícia, mas que de acordo com as provas não caracterizaria nenhum delito.

Pesquisa revela que os mais devotos questionam mais Deus e a religião

De acordo com a pesquisadora, “Ter esse tipo de atitude mostrou-se associado com uma relação segura, próxima e boa.” . “Eu penso que é importante as pessoas enxergarem que uma boa relação com Deus tem espaço para isso, como um casamento, onde há lugar para questionamentos e desavenças”, explicou Exline.
Outro estudo realizado pela pesquisadora mostrou que a raiva contra Deus não é incomum, revelando que 87% dos que foram entrevistados na pesquisa confessaram sentir raiva contra Deus após problemas pessoais. Mas, a pesquisa ainda mostrou que aquepes que possuíam uma relação mais próxima eram fortemente contra a ideia de virar as costas para Deus, entretanto , tais relacionamentos  gerava aceitação maior de eventos negativos em relação à Deus.”.

O significado litúrgico da Semana Santa


semana-santaDomingo de ramos
 
Durante todos esses dias da Quaresma, “de coração purificado, entregues à oração e à prática da Fraternidade”, preparamo-nos para celebrar a Páscoa, a Festa maior da Liturgia. E agora, neste dia 13 de abril, iniciamos a Semana Santa, com o Domingo de Ramos. A Liturgia deste Domingo compreende dois momentos:
- a entrada messiânica de Jesus em Jerusalém, narrada em Mateus, 21,1-5: “Dizei à filha de Sião: Eis que o Teu Rei vem a Ti, manso e montado mum jumento”; - em Marcos, 11,9: “Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito o Reino que vem, o Reino de nosso Pai Davi!”; em Lucas, 19 “Bendito o que vem, o Rei, em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas!”. Também no 4º Evangelho: “Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor: o Rei de Israel!” (Jo 12,13). Todos Evangelistas querem realçar o Prenúncio da majestade do Senhor Jesus. Os paramentos festivos, os cantos de louvor, os gestos dos fiéis que levam ramos em suas mãos são o sinal de régio triunfo do Cristo ao morrer na Cruz.
- o segundo momento deste Domingo tem início com a Liturgia da Palavra: o Servo sofredor de Isaías (50,4-7), o Cristo que se fez obediente até a morte, e morte na Cruz (Fil. 2,6-11) e a Proclamação da Paixão segundo são Mateus. E assim toda Comunidade cristã entra em clima de Semana Santa para celebrar o Mistério do Senhor morto, sepultado e ressuscitado.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Obama, o presidente americano mais hostil à Bíblia que os EUA já tiveram.


Lista mostra que revolta contra política de contracepção é apenas a ponta do iceberg de Obama.
Como se o mandato do governo de Obama de que os empregadores católicos — contra a doutrina da Igreja Católica — devam pagar as despesas de controle de natalidade de seus funcionários não fosse motivo para revolta suficiente para os cristãos dos EUA…
Agora David Barton, historiador de questões de fé e liberdade e do WallBuilders, elaborou uma lista de 50 ações anticristãs e antijudaicas documentadas que Obama tomou desde que assumiu a presidência, levando Barton a concluir que Barack Obama é na verdade “O presidente americano mais hostil à Bíblia que os EUA já tiveram”

“Quando observamos a falta de vontade do presidente Obama para se adaptar a quatro séculos de proteção de consciência religiosa através de suas tentativas de exigir que os católicos vão contra suas próprias doutrinas e crenças, somos tentados a dizer que ele é anticatólico”, Barton escreve. “Mas essa caracterização não seria correta. Embora tenha mirado recentemente os católicos, ele tem mirado de igual modo as tradicionais crenças protestantes”.

Barton sugere que sua lista — que inclui links para notícias da NBC, WND, do Los Angeles Times, do Christianity Today e dezenas de outras fontes — demonstra um padrão de “tratamento desrespeitoso e horroroso” para com qualquer pessoa que mantenha valores bíblicos.

Polônia consagra maior imagem de Jesus Cristo do mundo.

Milhares de fiéis e religiosos poloneses assistiram em Swiebodzin, à consagração da maior estátua de Jesus Cristo do mundo.
O monumento supera os 52 metros de altura e foi doado pelos 21 mil habitantes da cidade. “O monumento é um sinal visível da fé em Cristo”, disse o bispo Stefan Regmunt um dos consagrantes.
A estátua ‒ mais alta que o Cristo Redentor do Rio de Janeiro ‒ pode ser vista desde a rodovia Varsóvia – Berlim e a vários quilômetros de distância.

domingo, 1 de abril de 2012

Domingo de Ramos - Homilia do Papa João Paulo II




                1. Cristo, juntamente com os discípulos, aproximou-se de Jerusalém. Fá-lo como os outros peregrinos, filhos e filhas de Israel que, nesta semana precedente à Páscoa, vão a Jerusalém. Jesus é um de entre tantos.
                Este acontecimento, na sua realização exterior, pode, portanto, considerar-se normal. Jesus aproxima-se de Jerusalém, proveniente do Monte chamado das Oliveiras, portanto das localidades de Betfagé e da Betânia. Ali, ordena a dois discípulos que lhe levem um jumentinho. Dá-lhes indicações precisas: onde encontrarão o animal e como hão-de responder àqueles que lhes perguntarem porque o fazem. Os discípulos seguem escrupulosamente as indicações. Aos que perguntam porque soltam o jumento, respondem:
                O Senhor tem necessidade dele (Lc 19, 31), e esta resposta é suficiente. O jumento é novo; até então ninguém o tinha montado. Jesus será o primeiro. Assim, montado, no jumentinho, Jesus percorre a última etapa do caminho que leva a Jerusalém. Todavia, a partir de um certo momento, esta viagem, que em si nada tinha de extraordinário, transforma-se numa verdadeira «entrada solene em Jerusalém».
                Celebramos hoje a liturgia do Domingo de Ramos que nos recorda e torna presente esta «entrada». Num especial rito litúrgico, repetimos e relatamos tudo o que fizeram e disseram os discípulos de Jesus - tanto os mais próximos como os mais distantes no tempo - sobre aquele caminho, que conduzia desde além do Monte das Oliveiras a Jerusalém. Assim, como eles, temos nas mãos ramos de oliveira e pronunciamos - ou melhor, cantamos - as palavras de veneração, que eles pronunciaram. Estas palavras, segundo a redacção do Evangelho de Lucas, soam assim: Bendito o rei que vem em nome do Senhor. Paz no céu e glória nas alturas (Lc 19, 38).
                Nestas circunstâncias, o simples facto de Jesus ir a Jerusalém, juntamente com os discípulos, para a iminente solenidade da Páscoa, assume claramente um significado messiânico. Os pormenores que formam a moldura do acontecimento demonstram que nele se cumprem as profecias. Demonstram também que, poucos dias antes da Páscoa, naquele momento da Sua missão pública, Jesus conseguiu convencer muitos homens simples em Israel. Além dos mais próximos, os Doze, já O seguia uma multidão: «Toda a multidão dos seus discípulos», como o diz o evangelista Lucas (Lc 19, 37), a qual dava a entender sem equívocos que via n'Ele o Messias.

                2. O Domingo de Ramos dá início à Semana Santa da Paixão do Senhor de que já traz em si a dimensão mais profunda. Por este motivo, lemos toda a descrição da paixão do Senhor segundo Lucas.
                Jesus, indo naquele momento a Jerusalém, revela-se a si mesmo completamente perante aqueles que preparam o atentado à Sua vida. Revelara-se, de resto, havia já tempo, confirmando com os milagres tudo o que proclamava, e ensinando, como doutrina de Seu Pai, tudo o que ensinava. As leituras litúrgicas das últimas semanas demonstram-no de modo claro: a «entrada solene em Jerusalém» constitui um passo novo e decisivo no caminho para a morte que lhe preparam os representantes dos Anciãos de Israel.
As palavras pronunciadas por «toda a multidão» dos peregrinos que iam para Jerusalém juntamente com Jesus, não podiam deixar de reforçar as inquietações do Sinédrio e apressar a decisão final.
                O mestre está plenamente consciente disto. Tudo o que faz, fá-lo com esta consciência, seguindo as palavras da Escritura que previu cada momento da Sua Páscoa. A entrada em Jerusalém foi o cumprimento da Escritura.
                Jesus de Nazaré revela-se, portanto, segundo a palavra dos Profetas que só Ele compreendeu em toda a sua plenitude. Esta plenitude permaneceu velada quer à «multidão dos discípulos» que ao longo do caminho para Jerusalém cantavam «Hosana», louvando a Deus em altas vozes por todas as maravilhas que tinham visto (Lc 19, 37), quer àqueles «Doze» a ele mais próximos. O amor a Jesus não permitia a estes últimos admitirem um fim doloroso; recordemos o que Pedro disse um dia: não te sucederá isto (Mt 16, 22).

Últimos dias de Jesus

Imagem de Destaque
Cada um de nós tem lá suas ideias a respeito de como deve se apresentar e como deve ser tratada uma pessoa importante. Acabamos projetando em Jesus essas concepções. É natural! Faz parte da nossa maneira de entender a vida. Por isso, quando se faz um filme da vida de Cristo, tudo é muito bonito e respeitoso. Até a crucificação é filmada com certa grandiosidade, colorido e iluminação adequada, para solenizar o momento sagrado.
Será que já nos demos conta de que os últimos dias da vida de Jesus não foram exatamente assim? Conseguimos imaginar o Senhor sendo torturado numa delegacia de hoje, sem cenário solene, tratado como “Zé-ninguém”, na crueza do dia a dia da violência humana? Entre a entrada festiva como rei em Jerusalém e o deboche da flagelação e da coroação de espinhos e da inscrição na cruz (Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus), somos levados a pensar: Que tipo de rei o povo queria? E que tipo de rei Jesus, de fato, foi?
O povo ansiava por um Messias, mas cada um o imaginava de um jeito: poderia ser um rei, um guerreiro forte que expulsasse os romanos, um “ungido de Deus”, capaz de resolver tudo com grandes milagres. É verdade que havia também textos que falavam do Messias sofredor, que iria carregar os pecados do povo. Mas essa ideia tão estranha não tinha assim muito apelo. Talvez o povo pensasse como muita gente de hoje: “De sofredor já basta eu! Quero alguém que saiba vencer”.

Atualize-se sobre a REAL situação da aprovação do aborto no Brasil além dos casos previstos em lei.

Entrevista com Claudio Fontelles, Subprocurador- geral da República
Por Thácio Siqueira,  Zenit.
Claudio Fontelles ,que foi Subprocurador-geral da República, grau mais alto da carreira, concedeu  uma entrevista para esclarecer-nos um pouco mais a situação atual do projeto que prevê a legalização do Aborto no Brasil. Publicamos a seguir e entrevista:
****
A comissão de juristas criada pelo Senado para elaborar o novo Código Penal aprovou no dia 09 de março deste ano um anteprojeto que prevê, entre outros pontos, a ampliação dos casos em que o aborto é legal. A aprovação constou de quase maioria absoluta dos juristas, menos 1 que se opôs. O senhor poderia explicar para os católicos brasileiros, o que é essa comissão e por qual motivo está composta por pessoas que pensam da mesma forma?
Claudio Fonteles: A comissão, instituída pela presidência do Senado da República, objetiva apresentar aos senadores a visão de segmentos profissionais vinculados à Justiça – membros do Ministério Público, magistrados, advogados, professores - sobre os vários temas presentes no Código Penal para a sua reformulação, extinção e apresentação de novas realidades, que necessitem ser normatizadas.

Cuba decreta feriado de Sexta-Feira Santa após pedido do Papa.


Fonte: G1
presidente cubano Raúl Castro declarou feriado “com caráter excepcional” a próxima Sexta-Feira Santa, dia 6 de abril, atendendo a um pedido realizado pelo Papa Bento XVI durante sua recente visita a Cuba, informou neste sábado (31) o jornal oficial “Granma”.
“O Conselho de Ministros da República de Cuba concordou ontem em encerrar as atividades de trabalho na próxima sexta-feira, 26 de abril”, afirmou uma nota informativa publicada no jornal.
O pedido foi feito por Bento XVI durante sua visita ao Palácio da Revolução, no dia 27 de março.
Momentos antes de sua partida, o presidente cubano expressou (ao Papa) a vontade de que a próxima sexta-feira, 6 de abril, com caráter excepcional, seja feriado nacional, em consideração a Sua Santidade e ao feliz resultado desta transcendental visita ao nosso país, e cabe aos órgãos superiores da Nação a decisão definitiva” do feriado, em referência à Assembleia Nacional (Parlamento), acrescentou.

Papa envia ajuda para ação caritativa da Igreja Católica na Síria

Diante da situação de violência na Síria, o Papa Bento XVI decicidu doar, por meio do Conselho Pontifício Cor Unum, US$ 100 mil para o trabalho de caridade da Igreja local na Síria em favor da população atingida pela violência. Em 2011, a coleta da Sexta-feira Santa foi revertida para os cristãos da Terra Santa.


O comunicado divulgado neste sábado, 31, pelo Cor Unum informa que são notáveis os repetidos apelos do Santo Padre para a cessação da violência na Síria e para se encontrar um caminho para o diálogo e a reconciliação entre as partes do conflito, em vista da paz e do bem comum. O Papa também encorajou oração para aqueles que estão sofrendo.

O secretario do Cor Unum, monsenhor Giampietro Dal Toso, leva hoje, 31, esta ajuda a este país do Médio Oriente. As reuniões estão agendadas com Sua Beatitude Gregorios III Laham, o presidente da hierarquia católica na Síria, e outros representantes da Igreja local. A Igreja Católica na Síria está envolvida, por meio das suas organizações de caridade, em projetos de assistência à população da Síria, particularmente na área de Homs e Aleppo.


Autor: CN Notícias
 

©2012 Grupo Renascer | Template Grupo Grupo Renascer by