VEJA NOSSOS ÁLBUNS DE FOTOS NO NOSSO FACEBOOK: facebook.com/gruporenascercamocim

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

"Irmã Youtube" desperta centenas de vocações pela Internet

GRUPO RENASCER COM INFORMAÇÕES DE ACI DIGITAL

Um vídeo caseiro no qual uma religiosa dominicana, a Irmã Puri, que recebeu da imprensa espanhola o apelido de "Irmã Youtube", permitiu que milhares de jovens se questionem sobre a vocação à vida religiosa e que 250 mulheres decidam ingressar em um convento.

A história se remonta ao ano 2007, quando o espanhol Antonio González foi visitar sua tia Puri ao mosteiro de Santo Domingo el Real de la Segovia (Espanha). A religiosa, preocupada com a crise de vocações pediu-lhe ajuda e o jovem decidiu gravá-la em vídeo explicando como se apaixonou por Deus e encontrou sua vocação. O vídeo colocado no YouTube.com, já supera as 53 mil visitas.

Jesus teria sido visto em meio a núvens. Veja a foto

O francês subiu numa grande montanha para gravar um vídeo time lapse do movimento das nuvens. Entretanto, ele ficou surpreso ao ver em sua câmera uma figura semelhante a um homem parado em frente às nuvens.
“Eu estava fazendo um video time lapse com o movimento das nuvens acima do Cirque de Mafate quando eu comecei a cobrir o horizonte para um bom tiro”, disse o fotógrafo.
Perrot relatou segundo o Daily Mail, que ao ver a sombra flutuando nas nuvens sentiu algo divino.
“Quando eu olhei para cima eu observei uma sombra flutuando nas nuvens envolvida por um arco-íris. Isso me deixou em completa surpresa. Quando eu olhei de volta para as filmagens, isso me deu o sentimento de uma aparição divina”.
Ele disse que ao ver o filme percebeu que a imagem era encimada por um arco branco, como um círculo de luz.
“Quando eu olhei a filmagem eu percebi que a imagem tinha em cima um arco branco, o que me lembrou muito um halo”.

Bebidas alcoólicas e festas de Igreja não combinam!

Revista: "PERGUNTE E RESPONDEREMOS"
D. Estevão Bettencourt, Osb
Nº 531, Ano 2006, p. 429

Em síntese: Como bispo de Joinville, D. Orlando Brandes condena o uso de bebidas alcoólicas nas festas de igreja. Firma sua posição sobre doze itens que manifestam a inconveniência de fomentar o alcoolismo.
Como bispo de Joinville (SC), D. Orlando Brandes (hoje Arcebispo de Londrina, PR) escreveu uma Carta aos seus diocesanos pela qual condena o uso de bebidas alcoólicas nas festas da igreja. O texto chegou a PR via Internet. Dado o alto valor desse documento, transcrevemo-lo a seguir.

O USO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS NAS FESTAS DE IGREJA
O alcoolismo é uma doença. É a primeira e a mais consumida de todas as drogas. É alarmante o índice de jovens, mulheres e adultos dependentes do álcool. Mortes no trânsito, violência familiar, infidelidade conjugal e doenças derivantes do álcool, são conseqüências negativas do hábito ou da dependência de bebidas alcoólicas. Grande parte do setor de ortopedia dos hospitais, é ocupada por acidentados alcoolizados. Os gastos públicos são astronômicos, e poderiam ser evitados se houvesse mais conscientização.
As escolas e estádios proibiram o uso de álcool em suas festas. A CNBB promoveu e apoiou a Pastoral da Sobriedade e coordenou a Campanha da Fraternidade "Vida Sim, Drogas Não". No texto-base está dito pela CNBB: "A pior das drogas é o alcoolismo". Não podemos em nossas festas lucrar com dinheiro da pior das drogas e com festas mundanas, eu levam o nome de "festa de Igreja".
Depois de três anos de conscientização, através de reuniões, assembléias pastorais, conselhos de pastoral e o aval do clero, A Assembléia Diocesana de Pastoral votou unanimemente em favor das festas sem álcool. Doze razões foram elencadas em carta enviada às comunidades para aprofundamento da questão. Eis os doze pontos:

Deus quis amar os homens no abraço de seu Filho crucificado por amor

grupo Renascer com informações de RCC Brasil
Estão sendo publicadas as mensagens do Santo Padre, o papa Bento XVI, durante os atos centrais do evento que reuniu milhões de jovens na capital espanhola.
Queridos jovens!
Com piedade e fervor, celebramos esta Via-Sacra, acompanhando Cristo na sua Paixão e Morte. As reflexões das Irmãzinhas da Cruz, que servem aos mais pobres e desvalidos, facilitaram-nos a entrada nos mistérios da gloriosa Cruz de Cristo, que encerra a verdadeira sabedoria de Deus, aquela que julga o mundo e quantos se crêem sábios (cf. 1Cor 1, 17-19). Neste itinerário para o Calvário, ajudou-nos também a contemplação destas imagens extraordinárias do patrimônio religioso das dioceses espanholas. São imagens onde se harmonizam a fé e a arte para chegar ao coração do homem e convidá-lo à conversão. Quando é límpido e autêntico o olhar da fé, a beleza coloca-se ao seu serviço e é capaz de representar os mistérios da nossa salvação a ponto de nos tocar profundamente e transformar o nosso coração, como sucedeu a Santa Teresa de Ávila ao contemplar uma imagem de Cristo coberto de chagas (cf. Livro da Vida, 9, 1).
À medida que íamos avançando com Jesus até chegar ao cimo da sua entrega no Calvário, vinham-nos à mente as palavras de São Paulo: «Cristo amou-me e a Si mesmo Se entregou por mim» (Gl 2, 20). À vista de um amor assim desinteressado, cheios de admiração e reconhecimento perguntamo-nos agora: Que havemos nós de fazer por Ele? Que resposta Lhe daremos? São João no-lo diz claramente: “Foi com isto que conhecemos o amor: Ele, Jesus, deu a sua vida por nós; assim também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos” (1Jo 3, 16). A paixão de Cristo incita-nos a carregar sobre os nossos ombros o sofrimento do mundo, com a certeza de que Deus não é alguém distante ou alheio ao homem e às suas vicissitudes; pelo contrário, fez-Se um de nós “para poder padecer com o homem, de modo muito real, na carne e no sangue […]. A partir de lá entrou em todo o sofrimento humano alguém que partilha o sofrimento e a sua suportação; a partir de lá propaga-se em todo o sofrimento a con-solatio, a consolação do amor solidário de Deus, surgindo assim a estrela da esperança” (Spe salvi, 39).

Santa Teresa propõe antídotos contra Nova Era

Segundo Dom Berzosa no 2º Congresso Internacional Teresiano
 
 A mística carmelita possui um aspecto que, "por si só, acaba com a pseudo-mística da Nova Era: o nexo intrínseco entre a Trindade e todos os demais mistérios humanos".

Quem afirmou isso foi o bispo de Ciudad Rodrigo, Dom Raúl Berzosa, em sua intervenção de 4 de setembro, no 2º Congresso Internacional Teresiano.

"No cristianismo, na mística carmelita, não se pode aplicar o termo 'autorrealização', porque nem sequer o homem e a mulher mais desenvolvidos em sua existência podem alcançar por si mesmos a plenitude. Tudo é dom e tarefa, graça e liberdade", disse.

Dom Berzosa, autor do livro "Nova Era e cristianismo. Entre o diálogo e a ruptura", indicou que, "no livro 'Caminho de Perfeição', de Santa Teresa, podemos encontrar algumas chaves ou antídotos para enfrentar os enganos místicos da Nova Era".

Ele propôs um texto do capítulo 16 da grande obra para rebater o panteísmo da Nova Era: "Ó Senhor! Que todo o dano nos vem de não ter os olhos postos em Vós, que, se não olhássemos a outra coisa senão o caminho, depressa chegaríamos; mas damos mil quedas e tropeçamos e erramos o caminho por não pôr os olhos, como digo, no verdadeiro caminho".

Padre Federico Lombardi faz balanço da JMJ Madri 2011


"Os jovens que participaram do encerramento da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Madri 2011 aprenderam, bem próximos a Bento XVI, o sentido da comunhão espiritual". Estas foram as palavras do diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, no balanço do evento que fez para Octava Dies, um informativo do Centro Televisivo Vaticano (CTV), recentemente.

Durante a entrevista, o padre Federico recordou o momento culminante da JMJ de Madri, ou seja, a vigília e a Missa em Cuatro Vientos, o encontro dos jovens com o Papa, mas, acima de tudo, a celebração eucarística junto ao Papa, na presença de Cristo" sacramentado.
Segundo o porta-voz do Vaticano, são dois os aspectos característicos do evento que serão pontos importantes para a reflexão dos jovens e da Igreja, sobre a relação com Jesus Cristo presente na Eucaristia.
Antes de mais nada, ele lembra a adoração vespertina, realizada dentro de um silêncio absoluto de centenas de milhares de jovens em oração. Isso, segundo padre Federico, ajuda toda a Igreja a redescobrir a importância da adoração eucarística, que muitos haviam subestimado ou esquecido. Estar em silêncio com Jesus: assim se pode começar a escutar e a falar com Ele, pode-se alimentar a comunhão com Ele e aprofundar nela."

A Bioética, sua relação com a lei natural e o respeito pelo homem “imagem de Deus”


Dom Rino Fisichella
Como podemos conceber a vida humana?Como a aceitamos e como nos colocamos diante de seu limite?
Em uma sociedade que parece rejeitar o início e o fim da existência, como se elas não tivessem plena dignidade, para se concentrar apenas na juventude, como se saberá responder ao verdadeiro sentido da vida em seu inexorável crescimento?
Nos esquecemos, muitas vezes, que a vida deve ser aceita tal como é, porque possui uma verdade própria e, portanto, uma consequente dignidade, devido ao respeito pelo mistério que contém dentro de si e a “indisponibilidade” que possui por ser dom ofertado, e não possuído ou conquistado.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Pode-se chegar a Deus através da “via da beleza”, afirma o Papa.


Catequese que o Papa Bento XVI dirigiu aos fiéis reunidos para a audiência geral no Palácio Apostólico de Castel Gandolfo.
* * *
Queridos irmãos e irmãs:
Neste período, recordei muitas vezes a necessidade que todo cristão tem de encontrar tempo para Deus, através da oração, em meio às muitas ocupações da nossa jornada. O próprio Senhor nos oferece muitas oportunidades para que nos lembremos d’Ele.
Hoje eu gostaria de falar brevemente de um desses meios que podem nos conduzir a Deus e ser também uma ajuda para encontrar-nos com Ele: é o caminho das expressões artísticas, parte dessa via pulchritudinis – “via da beleza” – da qual falei tantas vezes e que o homem deveria recuperar em seu significado mais profundo.

Você Acredita em Milagres?

Dom Redovino Rizzardo

Os milagres não se destinam a satisfazer a curiosidade. 
Suponhamos que haja alguém doente, e essa doença esteja atrapalhando sua caminhada. O Senhor, que ama essa pessoa e quer tirá-la dessa situação dolorosa, usa de alguém repleto do Espírito Santo: quem cura não é a pessoa em quem o Espírito se manifesta, mas o próprio Espírito, por meio dela [pessoa]. Alguém desorientado precisa da condução de Deus. O Senhor ama essa pessoa, quer vir em seu auxílio, então se manifesta em alguém repleto do Divino Amigo, para comunicar a palavra de sabedoria, de discernimento, para resolver a situação de ansiedade.
A eletricidade, por exemplo, se manifesta de diversas maneiras, gerando luz, som, calo, gelo... Mas ela não anda sozinha por aí; são necessários fios condutores. Se desligarmos a tomada, acabará a energia elétrica. Acontece o mesmo com o Espírito Santo, que se utiliza de uma rede de pessoas repletas d'Ele, que manifestam os dons: ora é uma palavra de sabedoria, ora de profecia; ora é uma cura; ora é um milagre; ora é discernimento; ora é ciência.... de acordo com a vontade do Senhor e a necessidade do povo d'Ele.
Nunca estive nos Estados Unidos. Por isso, não posso provar o que passo a relatar. Contudo, pelas inúmeras fotos que me foram apresentadas, algo de estranho realmente aconteceu em Santa Fé, no Estado do Novo México, há aproximadamente 130 anos, por volta de 1880. Aliás, se 250.000 pessoas visitam o local todos os anos, não será por nada!
Vamos aos fatos. Naquela cidade, há um colégio dirigido por religiosas. No final do século XIX, elas quiseram enriquecer seu educandário com uma nova e bonita capela. Mas, ao terminarem os trabalhos da construção, perceberam que havia sido esquecido... um detalhe: para chegar ao coro, colocado no alto da porta principal da igreja, os cantores não sabiam por onde subir, já que ninguém pensara na escada!

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

A Igreja fundamenta sua moral e ética na “lei natural”. Você a entende?

Como há leis que regem os movimentos dos corpos (leis físicas), suas transformações (leis químicas) e o funcionamento dos organismos (leis biológicas), há também as que dirigem os atos livres dos homens (leis morais).
Em face destas últimas, manifesta-se a liberdade humana, ao passo que aquelas outras atuam, necessariamente, no plano do determinismo. Todas as leis elaboradas pelos homens na sociedade fundam-se na lei natural, cuja transgressão as torna iníquas. E dizer que se fundam na lei natural é o mesmo que dizer que são conformes à reta razão e à eqüidade. Fora disso, de lei conservam apenas o nome.
Usa-se, neste caso, a expressão lei natural porque:
1) ela tem sua causalidade intrínseca na própria natureza humana, cujas inclinações naturais a manifestam (elemento ontológico);
2) ordena o homem para os fins ou bens que lhe permitem realizar a sua natureza em toda a plenitude (elemento teleológico);
3) é conhecida universalmente por todos à luz natural da razão (elemento gnoseológico).
Em suma, a lei natural, no sentido de lei moral, consiste em normas segundo as quais o homem viverá como homem – sem se deixar animalizar, arrastado por tendências inferiores ou dominado pelas paixões – observando sempre a justiça e procedendo retamente para com todos. Seus primeiros princípios são de evidência imediata, a partir daquele princípio primeiríssimo: bonum faciendum, malum vitandum, o bem deve ser feito e o mal, evitado.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Sede Nacional: Um sonho e muitas formas de ajudar

Deus tem suscitado no coração das pessoas que estão à frente da construção, diferentes campanhas de arrecadação para que todos possam fazer parte desse grande Projeto, de acord
Em janeiro, durante o Encontro Nacional de Formação, vimos parte do que será a realização de um sonho antigo: a construção da Nossa Casa, Nossa Bênção. A capela Nossa Senhora de Pentecostes está lá, pronta a acolher... Mas ela é apenas uma parte de um grande projeto.
A Sede Nacional da RCCBRASIL é a parte visível da grande moção de construção e reconstrução do nosso Movimento, um local onde poderemos viver nossa identidade e nossa espiritualidade. Uma casa para chamarmos de nossa.
E como ela é nossa, passa também pelas nossas mãos o compromisso de a fazermos sair do papel. Os recursos para a construção da Sede Nacional da RCC vêm todos das contribuições feitas pelos membros do Movimento.

Conheça algumas das formas propostas para que todos possamos nos empenhar nessa tarefa CLICANDO AQUI !!!!!

Fiéis se inspiram na Bíblia e criam ponto de peregrinação em BH

Um monte no Bairro Palmares, na Região Nordeste de Belo Horizonte, a apenas 10 quilômetros do Centro, vem intermediando na cidade uma busca milenar para os religiosos de todo o mundo: ficar mais perto de Deus.
Inspirados em citações bíblicas, fiéis transformaram a parte mais elevada do Parque Ecológico Renato Azeredo em um ponto de oração, pregação e, sobretudo, de fé. Sessenta degraus, pouco espaçados, bem íngremes, dão acesso ao monte, que leva o nome do bairro. A parte menos acidentada do cume, onde se concentram os fiéis, tem vegetação rasteira e rala. O movimento é constante ao longo do dia, mas se intensifica à noite.

As luzes da cidade não alcançam o elevado. Bíblias são lidas com pequenas lanternas. O som é apenas um murmúrio coletivo, cortado pelo zunido distante de veículos no Anel Rodoviário, que passa a cerca de 100 metros. Não há registros sobre o início da peregrinação ao Monte Palmares. Na sede da Regional Nordeste, onde fica o bairro, as informações são de que o movimento no local teve início há mais de 10 anos.

Bento XVI se preocupa com os jovens que não acham seu caminho


O P. Eric Jacquinet, Responsável pela Seção de Jovens do Pontifício Conselho para os Leigos, afirmou que o Papa Bento XVI se preocupa "pelos jovens que precisam encontrar seu caminho" e nesse sentido os convida a participar da Igreja, como foi a Jornada Mundial da Juventude Madrid 2011 (JMJ).

"Vejo muitos jovens perdidos e os 'indignados' são o testemunho disso. Enfrentamos uma grave crise econômica e moral na Espanha e em outros países e devemos nos juntar para ver como seguir adiante. Este é o fundo da proposta do Santo Padre" em atos como a JMJ, afirmou o sacerdote que velou desde o Vaticano pelo êxito do evento mundial realizado na Espanha.

Em entrevista difundida na sexta-feira passada pelo jornal La Razón, o sacerdote também disse que "uma das grandes preocupações de Bento XVI é a falta de Deus no ambiente europeu. Este drama é a causa de todos os males da sociedade na Europa".

TJ decreta prisão de fazendeiro acusado de matar missionária Dorothy Stang


 grupo Renascer com informações do G1

 A 1ª Câmara Criminal Isolada do Tribunal de Justiça do Pará negou nesta terça-feira (6) recurso para anular o júri do fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, acusado de ser um dos mandantes da morte da missionária Dorothy Stang, ocorrido em 2005.
A Câmara também decretou a prisão preventiva do fazendeiro, conhecido como "Taradão", que responde pelo crime em liberdade. A defesa pode recorrer da decisão.
De acordo com informações do TJ do Pará, o recurso foi negado por unanimidade. A defesa do fazendeiro pretendia anular sua condenação de 30 anos de prisão pelo crime.
A defesa do fazendeiro alegou que ele deveria ser submetido a novo júri, em razão da condenação superior a 20 anos de prisão. Uma reforma no Código de Processo Penal de 2008 extinguiu essa possibilidade. Os advogados também alegaram cerceamento de defesa, porque não puderam sentar-se ao lado do réu durante o julgamento em que foi condenado, e argumentaram que a sentença de condenação foi mal redigida pelo juiz.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Pode-se adorar a Santa Cruz?

Sempre me deixou impressionado as palavras que a Liturgia da sexta-feira santa usa ao referir-se ao culto à Cruz: "solene adoração da santa Cruz", deixando inclusive a possibilidade de dobrar o joelho diante dela. Penso que essas palavras calaram no coração de mais de um cristão deixando-o pensativo. A reflexão teológica que segue é - aceitando com alegria e admiração o que a Igreja em sua liturgia nos traz - uma tentativa de entender melhor a fé expressada na oração da Igreja, e espero não confundir mais a cabeça do leitor. Pode-se adorar a Cruz? Em que sentido? Parece-me ver uma explicação bastante satisfatória numas palavras de um teólogo muito recomendado pela mesma Igreja.

Santo Tomás de Aquino estuda a "adoração" na terceira parte da Suma de Teologia, na questão 25. Vamos segui-lo passo a passo. Ao chegar no quarto artigo dessa questão encontramo-nos com uma excelente definição de adoração, tal como é entendido no sentido comum atual. Santo Tomás diz que adoração é colocar nossa esperança de salvação em alguém. A Deus damos adoração por que é o nosso Criador, daí que a adoração só se deve dar ao Deus Uno e Trino, esse é um principio claro que devemos ter conosco durante todo esse estudo: só a Deus se deve a adoração, porque Ele é o nosso Criador, nós somos suas criaturas, e nEle pomos nossa esperança de salvação. Salvadas essas preliminares, vamos à nossa questão. Procurarei fazer acessível o pensamento de Santo Tomás sabendo que não é tarefa fácil. É preciso fazer esse estudo com muita concentração.

Mutirão Pastoral contra o Trabalho Escravo realiza formação no Ceará

 GRUPORENASCER COM INFORMAÇÕES DA CNBB

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) Ceará e o Mutirão Pastoral contra o Trabalho Escravo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), buscando implantar o projeto em todo o Ceará, realizou nos dias 2 a 4, no Sitio São Francisco, em Horizonte, Ceará, um seminário de formação sobre o Mutirão Pastoral, com o objetivo de discutir a problemática do trabalho escravo no Brasil e identificar situações de escravidão naquele estado, bem como fazer encaminhamentos na linha da erradicação.
Assessorou o evento o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz, padre Ari Antônio dos Reis, e mais dois membros do grupo de trabalho do Mutirão Pastoral contra o Trabalho Escravo, Gabriel Souza e Francisco Alan.  O encontro contou com a participação de 20 pessoas de várias dioceses e pastorais do Ceará.

JMJ: jovens aprenderam significado da "comunhão espiritual"

Os jovens que participaram do encerramento da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) aprenderam, junto a Bento XVI, o sentido da "comunhão espiritual", explica o porta-voz da Santa Sé.
Esta é a lição que tira do evento o Pe. Federico Lombardi SJ, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, no balanço feito em Octava Dies, informativo do Centro Televisivo Vaticano.
O sacerdote recorda o momento culminante da JMJ de Madri, a vigília e a Missa em Cuatro Vientos, "encontro com o Papa, mas acima de tudo celebração comunitária junto ao Papa, na presença de Cristo".
Segundo o porta-voz, há dois aspectos característicos que se desprendem do evento e que serão cruciais para a reflexão dos jovens e da Igreja, sobre a relação com Jesus Cristo presente na Eucaristia.

XI congresso Estadual da RCC Fortaleza


Acontecerá nos próximos dias 10 e 11 de setembro o Congresso Estadual da Renovação Carismática Católica do Ceará 2011. O Evento acontecerá no Ginásio da Faculdade Católica do Ceará (Marista) às 8h da manhã e será ainda transmitido para todo Brasil (e mundo) via redes sociais atrávés de parceria com a RCC Brasil.
Com o tema “Por tua palavra, lançaremos as redes” (Lc 5,5) o Congresso acontecerá simultâneamente ao II Fórum para as novas comunidades e contará com a participação do nosso Arcebispo D. José Antônio Aparecido T. Marques.
Faça já sua inscrição ou informe-se: 8703 9372 (James), 8699 1793 (Fabiana), ou 9611 9169
Baixe o cartaz do Evento e participe conosco.

Igreja no Brasil celebra o Mês da Bíblia 2011 com o estudo do Livro do Êxodo


Capa_Mes_da_biblia_2011_divulgacao“Desconhecer as Escrituras é desconhecer o Cristo”, com essa frase, de São Jerônimo, que a Igreja celebra, nesse mês de setembro, o Mês da Bíblia. Neste ano, o estudo proposto pela Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), será o Livro do Êxodo, capítulos 15,22 a 18,27, que é conhecido como o “Livro da Travessia”.
O Mês da Bíblia tem como tema “Travessia, passo a passo, o caminho se faz”, e o lema “Aproximai-vos do Senhor”.
O presidente da Comissão para a Animação Bíblico-catequética e arcebispo de Pelotas (RS), dom Jacinto Bergmann, escreveu uma mensagem para toda a comunidade cristã que celebra o Mês da Bíblia.
Dom Jacinto pede que todos procurem viver intensamente o esse mês, em todas as comunidades cristãs espalhadas pelo território nacional. “Que bom que temos um Subsídio elaborado pela Comissão para a Animação Bíblico-catequética, que, usado em nossos Grupos Bíblicos, nos ajudará a conhecer e interpretar, a comungar e orar, a evangelizar e proclamar a Palavra de Deus e assim caminharmos sempre mais para uma verdadeira animação bíblica da pastoral, formando entusiastas discípulos missionários de Jesus Cristo”, destacou.

Igrejas e “cultos brasileiros” expandem presença em Londres.




Folha de São Paulo
Igrejas e cultos brasileiros vêm expandindo sua presença na capital britânica nos últimos anos, segundo analistas e líderes religiosos ouvidos pela BBC Brasil.
Só as igrejas evangélicas brasileiras em Londres já são mais de 80, de acordo com a Pastoral Alliance, que reúne pastores evangélicos no Reino Unido, e a estimativa não inclui a Igreja Universal do Reino de Deus, que tem 16 templos na cidade.
Na lista do Consulado do Brasil, há cerca de 50 diferentes denominações registradas.
“Enquanto nos anos 90 havia poucas igrejas evangélicas brasileiras em Londres, esse número vem crescendo rapidamente, com a maioria das igrejas tendo sido fundada no início dos anos 2000″, diz Daniel Clark, pesquisador da Universidade do País de Gales.
Religiões de origem amazônica, que utilizam o chá hoasca (ou ayahuasca) em seus rituais –como o Centro Espírita Beneficente União do Vegetal e o Santo Daime– também estão presentes na capital britânica.
“É a exportação de uma cultura. Um dos temas culturais do Brasil é a diversidade religiosa e isso acaba se reproduzindo no exterior”, diz Pedro Strozenberg, secretário-executivo do Iser, o Instituto de Estudos da Religião.
MISSÕES
Segundo pesquisadores, após séculos como destino de missões religiosas, o Brasil começou, nos anos 80, a exportar igrejas e cultos junto com as levas de brasileiros que migravam para o exterior.
O Brasil pode ser visto como a maior nação católica do mundo, a capital mundial do espiritismo e o país com a segunda maior comunidade de protestantes praticantes –atrás apenas dos Estados Unidos em números absolutos– além de ser o berço de diversas outras crenças.
Hoje, a multiplicidade de credos vista no Brasil se reflete nos países em que a comunidade brasileira ganha peso.
“Em linhas gerais, o que acontece é que quase todo o campo religioso brasileiro se reproduz no exterior, mas não nas mesmas proporções em que existem no Brasil. O pentecostalismo, por exemplo, que cresce muito em termos de visibilidade no Brasil, se torna ainda mais visível no exterior”, diz Paul Freston, professor catedrático em Religião e Política em Contexto Global da Wilfrid Laurier University, no Canadá.
Para a pesquisadora Christina Vital, professora de antropologia da Universidade Federal Fluminense, isso talvez possa ser explicado pelo sucesso das igrejas evangélicas em ajudar a solucionar problemas frequentemente enfrentados pelos imigrantes brasileiros.
“As missões dessas igrejas são voltadas a proporcionar uma rede de proteção espiritual e material para pessoas que estão nas margens da sociedade. Isso também pode incluir a questão da ilegalidade para imigrantes.”

Cardeal Van Thuan – um testemunho de fé

O Cardeal Vietnamita Van Thuan ficou preso sob o governo comunista durante 13 anos.
As condições da prisão não eram favoráveis. Durante alguns meses esteve confinado numa cela minúscula, sem janela, úmida, que para respirar passava horas com o rosto enfiado num pequeno buraco no chão. A cama era coberta de fungos.
Os nove primeiros anos foram terríveis: uma tortura mental, no vazio absoluto, sem trabalho,
caminhando dentro da cela desde a manhã às nove e meia da noite para não ser destruído
pela artrose, no limite da loucura.
Buscava conversar com os carcereiros, que resistiam, mas logo eram seduzidos por sua gentileza e
inteligência. Contava-lhes sobre países e culturas diferentes. Isso chamava sua atenção e instigava a curiosidade. Logo começavam a fazer perguntas, o diálogo se estabelecia, a amizade se enraizava. Chegou a dar aulas de inglês e francês.
No começo, a cada semana os guardas eram substituídos, mas logo as autoridades, para evitar que o
exército todo fosse “contaminado”, deixou uma dupla de carcereiros fixa. Estes espantavam-se de como o prisioneiro pudesse chamar de amigos os seus carcereiros, mas ele afirmava que os amava porque esse era o
ensinamento de Jesus.
Faleceu em Roma no dia 16 de setembro de 2002, depois de uma dolorosa doença.
“A minha experiência pessoal
“A celebração faz do sacerdote um santo. É por causa disto que eu quero compartilhar com vocês a minha experiência eucarística, assim como a experiência de outras pessoas íntimas que me marcaram com a sua fé, com a sua devoção à Eucaristia.
No seminário, minha formação se inspirou na vida do Cura D´Ars, são João Maria Vianney, e do Padre Pio. Eles me acompanharam durante toda a vida sacerdotal. Quando eu celebrava sozinho na prisão, João e Pio estavam sempre diante de mim e celebravam comigo. Foi graças ao seu sacrifício e ao seu amor pela Eucaristia que eu pude sobreviver na prisão. Lembro-me de que o Padre Pio celebrava a missa não em vinte ou trinta minutos, mas em uma hora, uma hora e meia. Ninguém reclamava da duração da missa, porque todos estavam fascinados pela sua maneira de celebrar, inclusive os bispos que assistiam.
Entretanto, algumas pessoas mal-intencionadas pediram ao Santo Ofício que o proibisse de celebrar a Eucaristia desta forma, e então o Padre Pio foi obrigado a celebrar a missa em no máximo 45 minutos. O Padre Pio obedeceu à ordem, mas os fiéis pediram à Santa Sé a permissão para o frade celebrar a missa como antes, e Pio XII deu a autorização.
Alguém perguntou a São João Maria Vianney porque às vezes ele chorava e outras vezes sorria quando celebrava a missa. Ele respondeu que sorria quando pensava no dom da presença de Jesus na Eucaristia e chorava quando pensava nos pecadores que não podem receber tal dom.
Quando fui preso, retiraram todos os meus pertences, mas me permitiram escrever para casa e pedir roupa e remédios. Eu pedi que me enviassem vinho em frascos de remédio para o estômago. No dia seguinte, o diretor da prisão me chamou para perguntar se eu estava mal do estômago, e se tinha algum remédio. Depois de escutar as minhas respos-tas afirmativas, me entregou um pequeno frasco de vinho com uma etiqueta que dizia “remédio para a dor de estômago”.
Este foi um dos dias mais felizes da minha vida! Desta forma eu pude celebrar a missa dia após dia, com três gotas de vinho e uma gota d´água na palma da mão e com um pouco de hóstia que me davam para a celebração, e que eu guardava com muito cuidado contra a umidade.

domingo, 4 de setembro de 2011

EVANGELHO DE DOMINGO DIA 04/09/2011

XXIII DOMINGO COMUM – Mt 18,15-20

O Evangelho deste domingo nos propõe um trecho tirado de Mt 18, capítulo que é inteiramente dedicado aos ensinamentos dados por Jesus a seus discípulos para serem praticados no interior da comunidade que é a Igreja. O texto fala sobre a correção fraterna como uma aplicação da parábola da ovelha perdida, trecho imediatamente anterior ao da liturgia de hoje.

Como agir com relação a um irmão que está tomando uma estrada errada? Há um pedido a ir atrás do irmão que cometeu o erro a fim de corrigi-lo. Para isto, Jesus indica algumas etapas a seguir.
Sem dúvida, o tema da correção fraterna é um tema muito importante, belo, mas também muito delicado e difícil de ser abordado e vivido. Jesus vê o seu grupo não como uma associação de pessoas onde cada um pode fazer aquilo que quiser e que ninguém se interessa pelo que o outro faz, mas como uma comunidade de irmãos que comunga das mesmas verdades reveladas e que está sujeita ao erro. Por isso, temos a necessidade de ser corrigidos por alguém e o dever de corrigir os outros também, já que todo comportamento positivo concorre positivamente para o bem de toda a comunidade e todo comportamento errado incide negativamente na comunidade. Temos a responsabilidade de fazer o possível para que ninguém se perca, é o mandamento contido na parábola da ovelha perdida.
A partir dessa preocupação fraterna que é uma manifestação de amor ao próximo e que deve estar submissa à vontade de Deus, é que temos a obrigação de corrigir um irmão que errou e chamá-lo à conversão. Certamente, toda correção vem do Senhor; por isso, só é justo falar de correção fraterna num contexto de caminho de santidade que queremos partilhar com o próximo. Convém esclarecer logo de imediato que este caminho não consiste na lógica daquele farisaísmo mais acentuado, que através de uma capa, pretende mostrar-se perfeito, quando no privado, pratica-se todo tipo de desvio e de imoralidade (apontar o cisco do olho do outro enquanto se tem uma trave no próprio olho); pelo contrário, à forma externa correta do nosso agir deve corresponder uma conscientização do bem que devemos fazer sempre e do mal que devemos evitar sempre.

Eliminar símbolos religiosos é ignorar a história e a cultura, afirma Bispo Argentino.


ACI
O Bispo de Mar del Plata (Argentina, na foto acima) Dom Antonio Marino, criticou um projeto de lei que busca suprimir os símbolos religiosos na capital Buenos Aires e explicou que fazê-lo seria ignorar a identidade histórica e cultural do país, assim como a tentativa de refundar a nação sobre fundamentos “diversos aos já colocados”.
Em uma coluna publicada no Jornal La Capital e recolhida pela agência argentina AICA, o Prelado criticou que a autora da iniciativa, a doutora María José Lubertino, invoque um suposto “direito a não acreditar”.
Também recordou que “existem outros antecedentes que vão na mesma direção, como o questionamento da presença do sinal da cruz no escudo da cidade de Buenos Aires, ou a proposta do retiro dos restos do general San Martín do recinto da catedral primaz”.
“Se levássemos a sério a proposta de erradicar os símbolos religiosos das instituições civis e dos espaços públicos, isto nos levaria muito longe. A aplicação coerente e sistemática deste princípio impulsionado por uma minoria, parece supor que na organização da sociedade pode-se ignorar seu passado e sua identidade histórica e cultural. Isto equivaleria a pretender fundar novamente a pátria sobre fundamentos diferentes dos que já foram postos”, advertiu.

Conheça o país, ex comunista, onde apenas 16% da população considera a religião como parte importante de suas vidas.





BBC
Vinte anos após o colapso da União Soviética, a Estônia, uma das antigas repúblicas do regime comunista, mantém praticamente intacto um traço marcante dos anos em que era dirigida por Moscou – o desinteresse pela religião.

Uma pesquisa do Instituto Gallup, de 2009, indica que os estonianos são o povo menos religioso do mundo, pelo menos estatisticamente. Apenas 16% da população considera que a religião desempenha um papel importante em suas vidas (contra 99% dos habitantes de Bangladesh, os mais religiosos).

O repórter Tom Esslemont, da BBC, foi ao país báltico conhecer a espiritualidade dos seus habitantes:
A princípio, as ruas da cidade litorânea da capital estoniana Tallinn podem até dar ao visitante uma sensação distinta: cúpulas fazem parte da paisagem, sinos tocam aos domingos e hinos religiosos são ouvidos nas catedrais.Uma olhada mais atenta, no entanto, revela a realidade da espiritualidade estoniana.

DEUS É FIEL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VISITANTE N°