VEJA NOSSOS ÁLBUNS DE FOTOS NO NOSSO FACEBOOK: facebook.com/gruporenascercamocim

sábado, 15 de maio de 2010

A novena de Pentecostes- Reze conosco!

A novena é uma devoção de oração privada ou pública, praticada com a finalidade de obter alguma graça ou intenção especial. Como o próprio nome indica, são nove dias de oração intensa. A finalidade da novena de Pentecostes é alcançar agraça de renovar o poder do Espírito Santo na Igreja, na paróquia ou na vida pessoal. Por isso, é necessário humildade, confiança e perseverança.
A novena de Pentecostes começa na sexta-feira precedente à solenidade da Ascensão do Senhor, ou em qualquer tempo do ano para pedir a renovação do Espírito Santo ou alguma graça especial.
A Igreja recomenda que os exercícios de piedade e devoção estejam sempre ligados à vida sacramental. Por isso, durante a novena, demonstrando o desejo de uma união mais forte e íntima com Jesus, é necessário purificar o coração por meio (la confissão; se possível, esforçar-se para participar da missa diariamente e comungar. A Eucaristia é um encontro com Aquele que batiza no Espírito Santo, pois ai esta o Cristo vivo. Ao distribuir a comunhão, Santo Efrém dizia:
"Recebe o Corpo de Cristo e o fogo do Espírito". E recomendavel, se possível, quando se faz a novena individualmente ou em grupo, recitá-la diante do Santíssimo Sacramento, o que nao iinpede que seja feita em casa ou em qualquer outro lugar

Acompanhe todos os dias da Novena de Pentecostes, clicando no link NOVENA DE PENTECOSTES, no nosso Blog e receba de Deus muitas bençãos em sua vida.

Notícias da Igreja pelo Mundo

Sacerdote dá sua vida na Índia pela de três jovens

ROMA, 15 Mai. 10 / 12:36 pm (ACI).- O Pe. Thomas Remedios Fernandes, de 37 anos, vigário paroquial da igreja de Jesus, Maria e José, na aldeia de Nuvem, ma Índia, faleceu no último 9 de maio ao salvar a três jovens de perecer afogados no mar durante um passeio organizado pela paróquia.
Conforme informou a agência Fides, a paróquia tinha organizado um dia de companheirismo na praia da Galgibaga. Esse dia pela tarde, três jovens de 17 a 19 anos ingressaram no mar agitado e ao encontrar-se em dificuldade gritaram pedindo ajuda.
"O Pe. Fernandes se atirou na água e conseguiu salvar em seguida dois deles. Uma vez alcançado e posto a salvo o terceiro jovem, o sacerdote sofreu um ataque cardíaco fatal. O sacerdote foi socorrido e levado rapidamente a um hospital próximo, mas os médicos não puderam fazer outra coisa que constatar a morte", informou Fides.
A Igreja em Goa afirmou que o Pe. Fernandes "é um Pastor que deu a vida por suas ovelhas (…) e neste Ano Sacerdotal é um exemplo e um testemunho para todos os sacerdotes”.

por ACI

Fazenda Esperança será reconhecida Associação Internacional de Fiéis

ROMA, 15 Mai. 10 / 04:59 pm (ACI).- No próximo dia 24 de maio, os membros que compõem a Família da Esperança, receberão das mãos do Cardeal Stanislaw Rylko, Presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, o reconhecimento como Associação Internacional de Fiéis. Em uma carta dirigida aos fundadores da Fazenda Esperança o Pontifício Conselho diz-se “satisfeito em proceder ao reconhecimento da "Família da Esperança", como uma Associação Internacional de Fiéis” afirmou o seu secretário Dom Josef Clemens.
Como assinala a nota divulgada pela Rádio Vaticano, desde os seus inícios, os membros da Fazenda da Esperança têm caminhado junto à Igreja Católica. Vários bispos acompanham a Fazenda desde o começo. Em Guaratinguetá (SP), onde nasceu a comunidade, o Arcebispo de Aparecida (SP) orientava os membros dessa Obra. Esse acompanhamento e a busca da Fazenda da Esperança em estar em sintonia com a Igreja levou-a receber em 1998 a aprovação diocesana, no Santuário Nacional de Aparecida/SP, das mãos do falecido Cardeal Aloísio Lorscheider.
Nos últimos dez anos, o crescimento do número de membros da Família da Esperança, incluindo no exterior, tornou necessária a aprovação do Vaticano. Em 12 de novembro do ano passado, o Pontifício Conselho para os Leigos recebeu o envio das três últimas cópias do estatuto da "Família da Esperança". Pouco tempo depois, a Fazenda da Esperança obteve a confirmação do reconhecimento da Família da Esperança em Roma.
“Dada a formulação do texto de acordo com o oficial e todas as indicações desta Congregação, o Pontifício Conselho está satisfeito em proceder ao reconhecimento da "Família da Esperança", como uma Associação Internacional de Fiéis” – lê-se na carta do secretário do Pontifício Conselho para os Leigos, Dom Josef Clemens, aos fundadores da Fazenda da Esperança.
Em comunicado enviado à Rádio Vaticano, informa-se que a data escolhida para receber a aprovação em Roma coincide com a consagração de Nelson Rosendo Giovanelli, fundador da Fazenda da Esperança e primeiro a consagrar sua vida, doando-a 24 horas por dias aos jovens recuperandos.

Para conhecer a Fazenda da Esperança, visite o seu web site: http://www.fazenda.org.br

por: ACI



Desmontam complô para assassinar o Papa Bento XVI.

ACI

Dois marroquinos muçulmanos que cursavam estudos em uma universidade na cidade italiana de Perugia foram expulsos do país o mês passado logo depois que se descobriu que planejavam um atentado para assassinar ao Papa Bento XVI
Conforme informa o jornal italiano Panorama, a interceptação de algumas conversas entre ambos levou à prisão dos extremistas e sua conseguinte expulsão. Um deles, Mohammed Hlal, assinalou que queria “a morte da cabeça do Vaticano” e que “estava preparado para assassiná-lo para ganhar um lugar no Paraíso”.
Este universitário de 27 anos falava por telefone com seu companheiro, de 22 anos de idade, Ahmed Errahmouni, quando o conteúdo da conversa atraiu a atenção da polícia local.
Panorama assinala que foram assinalados como “uma ameaça à segurança nacional” no documento do Ministro do Interior da Itália de data 29 de abril.
Segundo a investigação que começou em outubro do ano passado por parte da polícia italiana anti-máfia, ambos os estudantes têm uma visão extremista do Islã e procuravam material explosivo. Hlal estudava comunicações internacionais enquanto Errahmouni se formava em física e matemática na Universidade de Perugia.
Uma fonte do Ministério do Interior, assinala a agência Reuters, confirmou que “durante as investigações foram encontrados elementos que levam a pensar que os dois tramavam um atentado contra o Papa”.

“Hollywood declara guerra contra Deus”

Essas foram as palavras dos críticos da 7ª arte em relação ao novo filme Legião.
O filme já estreou nos cinemas americanos e em sua trama, mostra um mundo no qual Deus perdeu a fé nos homens, e os anjos são enviados para nos destruir.
Serão os anjos a criatura sobrenatural da vez na ficção?
Misto de terror e ação, Legião tem um ponto de partida: decepcionado com a raça humana, o enredo conta que Deus decide exterminar os homens. Para isso, manda seus anjos à Terra. Um deles, Miguel (Paul Bettany), se nega a obedecer às ordens do Senhor. Resultado: vira um anjo caído.
Depois de cortar as próprias asas, segue para um restaurante de beira de estrada (O Paradise Falls “Paraiso Decaído”). A missão que ele próprio se impôs consiste em proteger Charlie (Adrianne Palicki), a garçonete “solteira”, desbocada e prestes a dar à luz. Segundo Miguel, a única esperança de sobrevivência para a humanidade reside no nascimento desse bebê (Um novo Messias ou será o Anticristo).
Mesmo sem botar fé na história, o dono do restaurante (Dennis Quaid), seu filho (Lucas Black) e alguns fregueses obedecem às ordens do forasteiro para defender a grávida. A história rapidamente se deteriora num festival de tiros, explosões e… zumbis! Sim, pessoas comuns – pais de família, velhinhas simpáticas e até um sorveteiro – se transformam em seres possuídos por anjos para matar outros humanos.
Quando tentam invadir o restaurante, são abatidos por rajadas de balas. Nem a ação contínua ou os efeitos especiais salvam o filme de seu roteiro constrangedor. O pastiche perde o rumo por completo no confronto final entre Miguel e seu anjo-irmão Gabriel (Kevin Durand).
O filme traz em todo o seu contexto mensagens satanistas onde o próprio produtor afirmou ter-se inspirado no livro do Apocalipse e mudando capítulos da historia bíblica para deixar o filme mais interessante e polêmica, a proposta é inverter os papéis em que Deus e seus anjos são assassinos enviados por Deus para esterminar os homens, estes mesmos anjos agem em estado de possessão para aniquilar a humanidade e o Mal salvaria a humanidade, agora com Arcanjo Miguel, que será o novo anjo decaído e protegerá o Novo Messias.
Estes tipos de heresias não são novidades para a arte de hollywood, outros filmes já estão sendo produzidos, seriados e até mesmos os famosos mangás (quadrinhos japoneses) antigos que tratavam de assuntos parecidos já estão sendo ressuscitados para o público jovem, principal alvo.
Estão previsto outros filmes para os próximos anos, a idéia é tirar os vampiros fora de moda e colocar os anjos decaídos (ou demônios) num tom de protetores da humanidade.

Fonte: Isto É

Declaração oficial da CNBB sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos.

fonte:CNBB

Excelente posicionamento da CNBB.

É um posicionamento histórico na medida em que a CNBB fala de forma oficial com aprovação de mais de 90% dos Bispos- alguns queriam até mais firmeza!
Não podemos ficar à margem desta discussão que nos interessa não só como cidadãos mas principalmente como cristãos.
Nessas próximas eleições fiquemos atentos a quem defende o PNDH e não comunga com a visaõ da Igreja.
É um direito deles defenderem suas idéias, e é um DEVER NOSSO NÃO VOTAR NELES.

***

“Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça” (Mt 6,33)

A promoção e a defesa dos Direitos Humanos fazem parte da mensagem bíblica e constituem parte da missão da Igreja Católica, em sua ação evangelizadora, especialmente, diante de violações que atentam contra a dignidade humana. Na Encíclica Pacem in Terris, de 1963, o Beato João XXIII estabeleceu um autêntico paradigma dos Direitos Humanos, alicerçados numa visão integral da pessoa humana.
A Igreja, por esta Encíclica, continua afirmando que “Em uma convivência humana bem constituída e eficiente, é fundamental o princípio de que cada ser humano é pessoa; isto é, natureza dotada de inteligência e vontade livre. Por essa razão, possui em si mesmo direitos e deveres, que emanam direta e simultaneamente de sua própria natureza. Trata-se, por conseguinte, de direitos e deveres universais, invioláveis e inalienáveis.” (Pacem in Terris, 9) Entre os direitos principais, listados pelo Papa, se encontram, em primeiro lugar, o “direito à existência, à integridade física, aos recursos correspondentes a um digno padrão de vida” (idem, 11).
O conjunto de Direitos afirmados na Pacem in Terris ultrapassa os que constam na Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948, sobretudo, pela ênfase dada aos direitos sociais e econômicos. Distingue-se também da visão individualista dos Direitos Humanos ao integrar os direitos individuais aos sociais, a partir do princípio da responsabilidade social e do dever de solidariedade que liga as pessoas humanas. Os direitos sociais, nesta perspectiva, não são uma concessão ou um ato de caridade social, mas um dever de justiça que o Estado é obrigado a garantir, tendo em vista a dignidade da pessoa humana e o seu direito à vida.
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fiel à missão confiada por Cristo à Igreja, tem procurado agir na defesa dos Direitos Humanos, dentro de uma sociedade pluralista na qual vivemos. É oportuno lembrar aqui a luta empreendida pelos Bispos do Brasil em favor da redemocratização do País e sua ação efetiva contra o arbítrio e a tortura. Recordamos também, algumas iniciativas da CNBB e das diversas Pastorais Sociais, do passado aos nossos dias, em prol da democracia, do direito e da justiça: as Campanhas da Fraternidade, a luta contra o trabalho escravo, a defesa dos povos indígenas e afro-descendentes, a dignidade dos aprisionados, o empenho pela reforma agrária, a justa distribuição da terra, a preservação do meio ambiente, o apoio na elaboração dos Estatutos da Criança e do Adolescente, do Idoso e da Igualdade Racial, a luta pela elaboração da Lei 9840, contra a corrupção eleitoral, e a recente Campanha conhecida como “Ficha Limpa”.
Quando a Igreja se pronuncia sobre os Programas Nacionais de Direitos Humanos, ela o faz com o propósito de exercer o seu direito de sujeito presente na sociedade e participante dos destinos de nosso povo. Tal direito, sendo também um dever constitutivo de sua missão, é irrenunciável. Diante dessas iniciativas governamentais, a Igreja Católica somente “quer servir à formação da consciência na política e contribuir a que cresça a percepção das verdadeiras exigências da justiça” (Deus caritas est, 28a). 

Uma Defesa Bíblica de Maria

Indicações Bíblicas do Papel de Maria

Autor : Antoine Valentin
Tradução : Jaime Francisco de Moura

Há uma palavra no aramaico, Gebirah que quer dizer Rainha Mãe. Próximo ao trono do Rei estava um segundo trono. Muitos assumiriam que o segundo trono pertenceu à esposa do Rei. O Gebirah era uma posição oficial, que todo o mundo ( Jesus e os discípulos incluíram) era completamente familiar. O papel dela era como defensora das pessoas; qualquer um que teve uma petição ou buscou uma audiência com o Rei fez assim por ela. Ela era uma intercessora, que apresentava os desejos e preocupações das pessoas ao Rei. Isto não insinua que o Rei era inabordável, ou que as pessoas tinham medo ou eram incapaz de falar com ele. significa que o Rei honrou sua mãe e levou os pedidos dela em consideração. As pessoas, sentiam-se próximos, como se fossem seus filhos.
Este papel é mencionado em: (2 Reis 10,13) Nós somos irmãos de Ocosias, responderam eles. Descemos para fazer uma visita aos filhos do rei e aos filhos da rainha.
O lugar específico dela de honra e intercessão, é ilustrado dramaticamente na passagem seguinte de (1 Reis 2, 13-21)
“Adonias, filho de Hagit, foi ter com Betsabé, mãe de Salomão. Ela disse-lhe: vens como amigo? Sim disse ele, preciso falar-te “fala” ele continuou! “Sabes que o reino era meu, e que todo o Israel me considerava como o seu futuro Rei. Mas o trono foi transferido a outro,passando para meu irmão, porque o Senhor lho deu. Tenho a esse respeito um pedido a fazer-te; não mo recuses – “Fala” “Pede ao Rei Salomão, que nada te recusa, que me dê Abisag, a sunanita, por mulher” “Está bem, respondeu Betsabé, falarei por ti ao Rei”. Betsabé foi, pois, ter com o Rei para falar-lhe em favor de Adonias. O Rei levantou-se para ir-lhe ao encontro, fez-lhe uma profunda reverência e sentou-se no trono. Mandou colocar um trono para sua mãe, e ela sentou-se à sua direita: “Tenho um pequeno pedido a fazer-te, disse ela; não mo recuses” – “Pede, minha mãe, respondeu o Rei, porque nada te recusarei”. Disse Betsabé: “Peço-te que Abisag, a sunanita, seja dada por mulher ao teu irmão Adonias.”



São de grande importância, as observações seguintes:
1. Adonias assumiu que a mãe rainha chegaria ao Rei ao lado dele; Adonias confiou nela.

2. A reação do Rei é notável: ele se levanta e faz uma profunda homenagem a ela.



3. Um trono foi provido para ela, e ela sentou a seu lado.



4. É dada ênfase como intercessora, e pela repetição da idéia que o rei não a recusará.
Nós fazemos o mesmo com Maria. Nós assumimos que ela chegará ao Rei em nosso favor. Muitos protestantes dizem que Nós não precisamos passar por qualquer um; nós podemos falar diretamente com Deus. Bem, claro que nós podemos. Mas eu duvido que a mesma pessoa nunca pediu para um amigo que fizesse uma oração para uma pessoa, ou que nós pedimos para nossos amigos que rezem por nós. Não porque sentimos que não podemos chegar diretamente a Deus, mas porque nós somos uma família em Cristo. Nós nos preocupamos um com o outro. São Paulo nos conta que somos rodeados por uma nuvem de testemunhas, fala que as orações dos santos sobem como incenso a Deus. O que você supõe que eles estão pedindo? Em Tobias nós lemos: “Quando tu oravas com lágrimas e enterrava os mortos, quando deixavas a tua refeição e ias ocultar os mortos em tua casa durante o dia, para sepulta-los quando viesse a noite, eu apresentava as tuas orações ao Senhor” (Tobias 12,12)
Se nós perguntamos a esses que sabemos que rezam para nós, como nós deveríamos nos abster de perguntar a esses que estão na presença de Deus? E se nós perguntamos a esses que estão na presença de Deus para rezar para nós, como nós deveríamos nos abster de perguntar para a mesma mãe do Rei?


Quando Jesus estava morrendo na Cruz, suas palavras são direcionadas ao discípulo amado e a cada um de nós, e essas palavras são: Veja sua mãe.



Maria como Arca da Nova Aliança



A Arca da Antiga Aliança era o lugar de propriedade para os Dez Mandamentos que eram a palavra de Deus. Na Bíblia, São João chama Jesus como a palavra de Deus, e Maria o levando no útero, se tornou a Arca da Nova Aliança. A Arca da Aliança é santa e pura, e se Maria tivesse pecado original, ela não teria sido pura, e então não poderia ter sido a Arca da Nova Aliança. Esta idéia é apresentada na Bíblia quando nós compararmos o Velho Testamento e o Novo Testamento. Note estas semelhanças:
Antigo Testamento: Quando a arca da Aliança foi trazida ao Rei Davi.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Folder eleições 2010

Autor: Catolicanet

Está pronto e à disposição das paróquias e comunidades o folder ELEIÇÕES 2010: COMO, POR QUE E EM QUEM VOTAR. O objetivo é auxiliar os eleitores a conhecer as funções de cada cargo em votação e ter dicas em quem votar. São abordadas/respondidas as seguintes questões: 1. Quem vamos eleger neste ano de 2010?; 2. Quais são as principais funções do presidente da República?; 3. Quais são as principais funções dos senadores?; 4. Quais são as principais funções dos deputados federais?; 5. Quais são as principais dos deputados estaduais?; 6. Quais são as principais funções dos governadores?; 7. Quais são os tempos de mandato dos eleitos?; 8. Quais as funções dos poderes Legislativos e Executivos?; 9. Por que eleger presidente, senadores, deputados federais e estaduais e governadores é importante para nós, brasileiros?; 10. Que características são indispensáveis ao voto?; 11. Que critérios sã sugeridos pelos bispos do Brasil aos leitores?; 12. Que leitores votam de forma irresponsável?; 13. Não sei em quem votar, porque não tenho contato com os candidatos. O que devo fazer?; 14. Dentre os critérios sugeridos para escolha do candidato, algum merece destaque?; 15. Comprar ou vender voto é crime?; 16. Os políticos têm um padroeiro?
O investimento é de apenas R$ 0,20 cada folder, mais postagem, sendo que aceitamos pedidos a partir de 100 exemplares. Desconto só é possível nas compras a aprtir de 5 mil exemplares. Para fazer a compra, basta enviar e-mail - cristovamiubel@paoevinho.com.br com o pedido e o endereço completo, mais telefone e CNPJ (pessoa jurídica) ou CPF (pessoa fisíca); se você ou a sua comunidade já têm cadastro na Editora Pão e Vinho, basta fazer o pedido.

Com meus votos de saúde e paz!

Pe. Cristovam Lubel

Como pré-candidata, Dilma Rousseff reformula discurso sobre sua fé.

Em campanha pelo Planalto, a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, reformulou radicalmente o discurso sobre sua fé em um intervalo de três meses.
Desde que disse em fevereiro deste ano que não tinha religião específica, a petista concedeu várias entrevistas nas quais aborda o tema e, na mais recente, publicada pela revista “IstoÉ” desta semana, se disse “antes de tudo, cristã. Num segundo momento, católica”.
A transformação é ainda maior se levado em conta o período que precede sua pré-candidatura. Na sabatina feita pela Folha, em 2007, a então ministra da Casa Civil foi questionada sobre acreditar em Deus e ser religiosa. “Eu me equilibro nesta questão. Será que há? Será que não há?”, ponderou.
Neste ano, as perguntas foram refeitas, em entrevistas exclusivas. “Uma religião específica, a senhora não tem?”, questionou a revista “Época” em fevereiro. “Não, mas respeito”.
Quando questionada sobre seu credo, declarou acreditar numa força superior: “Não sei se é o seu Deus, mas acredito numa força maior que a gente”, disse à “Época”.
A petista costuma contar que estudou em escola católica, foi batizada e crismada. Há um ano, porém, em entrevista à “Marie Claire”, a então ministra disse que não praticava a religião. “Balançou o avião, a gente faz uma rezinha”, brincou.
Em pré-campanha, Dilma se aproximou da Igreja Católica usando como porta o reduto “mariano”, mais conservador, incrustado na Basílica Nacional de Aparecida, que atrai 10 milhões de fiéis por ano.
Para eles, a ex-ministra deu um presente: incluiu a cidade na rota do Trem-Bala. Aparecida, que havia sido eliminada do traçado inicial, apareceu como sede de uma estação no edital.
A segunda investida se deu pela Renovação Carismática. Além de ir ao santuário do padre Marcelo Rossi, em São Paulo, Dilma passou a frequentar a Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP).
A “conversão” teve início em dezembro de 2008, quando ela participou do evento “Hosana Brasil”, que atrai 40 mil pessoas ao acampamento montado às margens da via Dutra.
A assessoria de Dilma disse que ela estava viajando e que não seria possível localizá-la para comentar o assunto.

Folha de São Paulo

***
Não sabemos se é estratégia politica ou não, de qualquer forma, é uma boa sinalização.
Para nós, no entanto, mais importante do que o título ou a definição de catolicidade é a defesa e afirmação dos valores que regem a fé cristã, como a defesa da vida, a defesa do conceito da familia, etc..
O mais importante de tudo nesse momento são suas idéias e sua plataforma politica. Não só dela, mas de todos.

Atentos!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Maria: Nossa Senhora de Fátima

No dia 5 de maio de 1917, o mundo ainda vivia os horrores da Primeira Guerra Mundial, então o papa Bento XV convidou todos os católicos a se unirem em uma corrente de orações para obter a paz mundial com a intercessão da Virgem Maria. Oito dias depois ela respondeu à humanidade através das aparições em Fátima, Portugal.
Foram três humildes pastores, filhos de famílias pobres, simples e profundamente católicas, os mensageiros escolhidos por Nossa Senhora. Lúcia, a mais velha, tinha dez anos, e os primos, Francisco e Jacinta, nove e sete anos respectivamente. Os três eram analfabetos.
Contam as crianças que brincavam enquanto as ovelhas pastavam. Ao meio-dia, rezaram o terço. Porém rezaram à moda deles, de forma rápida, para poder voltar a brincar. Em vez de recitar as orações completas, apenas diziam o nome delas: "ave-maria, santa-maria" etc. Ao voltar para as brincadeiras, depararam com a Virgem Maria pairando acima de uma árvore não muito alta. Assustados, Jacinta e Francisco apenas ouvem Nossa Senhora conversando com Lúcia. Ela pede que os pequenos rezem o terço inteirinho e que venham àquele mesmo local todo dia 13 de cada mês, desaparecendo em seguida. O encontro acontece pelos sete meses seguintes.
As crianças mudam radicalmente. Passam a rezar e a fazer sacrifícios diários. Relatam aos pais e autoridades religiosas o que se passou. Logo, uma multidão começa a acompanhar o encontro das crianças com Nossa Senhora.
As mensagens trazidas por ela pediam ao povo orações, penitências, conversão e fé. A pressão das autoridades sobre os meninos era intensa, pois somente eles viam a Virgem Maria e depois contavam as mensagens recebidas, até mesmo previsões para o futuro, as quais foram reveladas nos anos seguintes e, a última, o chamado "terceiro segredo de Fátima", no final do segundo milênio, provocando o surgimento de especulações e histórias fantásticas sobre seu conteúdo. Agora divulgado ao mundo, soube-se que previa o atentado contra o papa João Paulo II, ocorrido em 1981.
Na época, muitos duvidavam das visões das crianças. As aparições só começaram a ser reconhecidas oficialmente pela Igreja na última delas, em 13 de outubro, quando sinais extraordinários e impressionantes foram vistos por todos no céu, principalmente no disco solar. Poucos anos depois, os irmãos Francisco e Jacinta morreram. A mais velha tornou-se religiosa de clausura, tomando o nome de Lúcia de Jesus, e permaneceu sem contato com o mundo por muitos anos.
O local das aparições de Maria foi transformado num santuário para Nossa Senhora de Fátima. Em 1946, na presença do cardeal representante da Santa Sé e entre uma multidão de católicos, houve a coroação da estátua da Santíssima Virgem de Fátima. Em 13 de maio de 1967, por ocasião do aniversário dos cinqüenta anos das aparições de Fátima, o papa Paulo VI foi ao santuário para celebrar a santa missa a mais de um milhão de peregrinos que o aguardavam, entre eles irmã Lúcia de Jesus, a pastora sobrevivente, que viu e conversou com Maria, a Mãe de Deus.
Esta mensagem de Fátima foi um apelo à conversão, alertando a humanidade para não travar a luta entre o bem e o mal deixando Deus de lado, pois não conseguirá chegar à felicidade, pois, ao contrário, acabará destruindo-se a si mesma. Na sua solicitude materna, a Santíssima Virgem foi a Fátima pedir aos homens para não ofender mais a Deus Nosso Pai, que já está muito ofendido. Foi a dor de mãe que a fez falar, pois o que estava em jogo era a sorte de seus filhos. Por isso ela sempre dizia aos pastorzinhos: "Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas".
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Inicia hoje o Congresso Eucarístico em Brasília

por site: radio vaticana
 
Brasília, 13 mai (RV) - Com a expectativa de reunir 300 mil pessoas, Brasília recebe de hoje até o dia 16 o maior evento eclesiástico nacional: o Congresso Eucarístico, que se abre este ano com a Jornada Sacerdotal. O dia é dedicado aos presbíteros de todo o Brasil, e terá a presença do enviado do Papa Bento XVI e Prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Cláudio Hummes. O arcebispo de Brasília, dom João Braz de Aviz, diz que o objetivo do evento, que começa hoje, é dar respostas à sociedade sobre o pensamento cristão
Prestigiam o evento também o Núncio Apostólico no Brasil, Dom Lorenzo Baldisseri, o Arcebispo de Brasília, Dom João Braz de Aviz e o Bispo de Arns, na França, Dom Guy Marie Bagnard. O encontro se realiza no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, Setor de Divulgação Cultural, Eixo Monumental.
Com o tema “Eucaristia, pão da unidade dos discípulos missionários” e lema “Fica conosco, Senhor!” (cf. Lc 24,29), as atividades do CEN 2010 serão norteadas por temas atuais e relevantes para a vivência do sacramento da Eucaristia.
A programação inclui celebrações Eucarísticas, momentos de adoração ao Santíssimo Sacramento, shows, feira católica e atividades culturais também fazem parte. É a segunda vez que Brasília sedia o evento, que tem cadência quinquenal e se realiza em capitais brasileiras. A última vez no Distrito Federal foi em 1970, quando a Arquidiocese completou 10 anos.
O CEN 2010 promove também, hoje e amanhã, um Simpósio de Teologia e outro de Bioética no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Os delegados deverão refletir acerca de questões relevantes e atuais do cenário político-social brasileiro. Está prevista a publicação de documentos com diretrizes sobre questões relacionadas à vida.
As principais celebrações do XVI Congresso Eucarístico têm lugar no Altar-Monumento, montado na Esplanada dos Ministérios em frente ao Congresso Nacional.
É um dos maiores altares já montados no Brasil, com aproximadamente 150 metros de largura e 23 metros de altura, além de uma rampa de acesso de 30 metros de cumprimento. A arquiteta Miriam Reichert, idealizadora do projeto, explica o sentido do Altar-Monumento que quer simbolizar uma “tenda na qual Deus fará sua morada”.
Paralelamente, como parte da programação do Congresso Eucarístico Nacional 2010 (CEN), a Cúria Metropolitana de Brasília sedia até dia 16 de maio a exposição "Milagres Eucarísticos no Mundo", com quadros provenientes do Instituto São Clemente de Milão (Itália).
Nos dias 14 e 15 de maio, no contexto do XVI Congresso Eucarístico Nacional, em Brasília, serão celebradas Missas nos ritos católicos orientais: maronita, melquita, armênio e ucraniano, na Paróquia Nossa Senhora do Lago, no Lago Norte.
Para o Arcebispo de Brasília, Dom João Braz de Aviz, o objetivo do evento é “dar respostas à sociedade sobre o pensamento cristão”. Ele acredita que esta é uma oportunidade para quebrar os preconceitos com relação às opiniões da Igreja:
“Queremos estimular um diálogo sincero com a população, em benefício de toda a sociedade. Muitos chamam a Igreja de dogmática ou usam até termos mais fortes, mas por preconceito. A intenção é enfrentar esses temas com seriedade e dar respostas sob o pensamento cristão” - explica. “Vamos também levar a Eucaristia para além da igreja, com as celebrações em praças e em vários outros locais” – adiantou à imprensa. 

Atrações do Halleluya 2010

A cidade de Fortaleza já se prepara para um de seus principais momentos do ano: o Halleluya, que virá com roupagem de Festival, contando com os grandes nomes da música católica no Brasil. Acontecerá nos dias 21 a 25 de julho, no Condomínio Espiritual Uirapuru. Assim, durante estas 5 noites a partir das 17 horas, Fortaleza estará vivendo o Halleluya - a força que faz viver. O último evento contou a presença de mais de 650.000 pessoas ( confira o melhor do halleluya: www.comshalom.org/halleluya » ).
O Evento conta com grande estrutura montada a céu aberta, entre palco, estandes diversos, espaço radicalidade, espaço para crianças no Halleluya Kids, e diversos espaços e ambientes que são acrescentados ao evento a cada ano. Também a presença do Hemoce, coletando sangue onde vemos um show a parte de solidariedade dos participantes.
O coração do evento porém, não é nem o palco, lugar que acontece os grandes shows. Mas no Espaço da Misericórdia, onde o Santíssimo Sacramento fica exposto para a adoração à noite inteira, e ao seu redor ocorrem as confissões, aconselhamentos, pregações.

Atrações deste anoNeste ano teremos no evento:

A Força da Fé Católica: Papa atrai 500 mil e bate recorde em Portugal.

Católicos entraram pela madrugada em evento religioso no santuário português de Fátima; igreja interpretou ato como uma mensagem de apoio

Um total de 500 pessoas de todas as partes do mundo entraram pela madrugada nesta quinta-feira (13) na missa celebrada pelo Papa Bento 16 na esplanada de Fátima, em Portugal. O padre Manuel Morujo, porta-voz da Igreja Católica de Portugal, disse que o número é um recorde para o santuário.

Ao mesmo tempo, a Igreja Católica lida com um desgaste em sua imagem devido a uma onda de denúncias de pedofilia.

Agora, o papa repete a dose em Portugal, país com grande número de católicos romanos, e pouco se mencionou sobre a pedofilia em sua viagem, ofuscada até por brincadeiras como a “polêmica” dos sapatos papais.

O número de católicos que compareceu a Fátima supera os 400 mil do ano 2000, quando João Paulo 2º visitou o santuário e beatificou dois dos três pequenos pastores, Jacinta e Francisco, a quem aVirgem apareceu em 13 de maio de 1917.

Morujo disse que a presença de uma multidão tão grande no emblemático santuário representa uma mensagem de apoio a Bento 16 em um momento difícil justamente devido aos escândalos de pedofilia em vários países.
- Os católicos sabem distinguir entre os casos de pedofilia e a enorme maioria dos padres.

por: France press

Entrar na Universidade gera “crise de identidade na fé” para os jovens cristãos?

POR: Valmir Nascimento

Os desafios do cristão no ambiente universitário

A notícia sobre a pesquisa que identificou que nos Estados Unidos aproximadamente apenas 40% dos jovens continuam na igreja depois da formatura, e que apenas 16% dos calouros da faculdade se sentem bem preparados pelos ministérios de jovens de suas igrejas para continuarem na igreja depois do período escolar, coloca em debate a velha polêmica entre fé cristã e vivência universitária.
Estudo idêntico realizado em 2006 por Steve Hernderson, presidente do Instituto Christian Consulting for Colleges and Ministries, também demonstrou que na época cerca de 58% dos jovens cristãos nos Estados Unidos se afastaram da igreja ao ingressar à universidade. A pesquisa foi também aplicada dentro das universidades brasileiras e o resultado foi o mesmo.
Todavia, nesta nova avaliação, realizada pelo Instituto Juventude Completa, um ponto geralmente desprezado foi agora enfocado. Conforme relata a matéria, “os jovens não estão abandonando a sua fé por causa de um ambiente universitário hostil – como professores universitários e seus colegas que confundem suas crenças”. Para o professor associado de Sociologia na Faculdade de New Jersey, Tim Clydesdale, “o que muitos estudantes universitários estão fazendo, no entanto, é armazenar as suas crenças e práticas religiosas em um cofre de identidade”.
Em outros termos, o problema do desvio (ou esfriamento espiritual) dos adolescentes e jovens cristãos foi deslocado da pressão exercida pela educação anti-teísta (motivo externo), para a ausência de identidade cristã (manifestação pública da sua crença) por parte do próprio jovem (motivo interno).

Universidade: ambiente de desafios

O ambiente universitário sempre foi desafiador ao cristão. Ocorre que a própria vida cristã é por si mesma um enorme desafio. A questão é que a universidade possui a agravante de expor educacionalmente os crentes aos ensinamentos de [alguns] pensadores e filósofos ateus, agnósticos ou céticos que formularam críticas ferrenhas contra Deus e a Igreja, como é o caso de Voltaire, Nietzche, Bertrand Russel, David Hume, Michel Foucault e outros.
Como observou Phillip E. Johnson no prefácio do livro “verdade absoluta, “cedo ou tarde o jovem descobrirá que os professores da faculdade (às vezes, até professores cristãos) agem conforme a suposição implícita de que as crenças religiosas são o tipo de coisa que se espera que a pessoa deixe de lado quando se dá conta de como o mundo de fato funciona; e que, em geral, é louvável ´crescer´ afastando-se gradualmente dessas crenças como parte do processo natural de amadurecimento”.
Além disso, o mundo acadêmico potencializa o risco do abandono da fé em virtude da nova percepção de vida que o jovem geralmente possui no período em que cursa o nível superior, que coincide com uma fase de busca de maior liberdade, independência e tentativa de rompimento com os paradigmas anteriormente vivenciados, principalmente a religião.
Não bastassem tais fatores, é possível mencionar ainda a influência negativa exercida pelas más companhias,resultado da amizade com pessoas destituídas de propósito e perspectiva de vida, os quais estão mais preocupados em “curtir” a vida por meio da sexualidade hedonista, consumo de álcool e drogas, ao invés de se dedicarem aos estudos.

A importância do estudo universitário

Apesar desses indicadores nocivos à vida cristã, [em parte] comprovados pelas pesquisas anteriormente mencionadas, a inserção do cristão nas universidades continua sendo algo vital. Utilizo a expressão “em parte” porque os estudos mencionados não traçam o paralelo para apontar o diferencial entre o abandono da fé cristã daqueles que ingressam no estudo de nível superior em relação àqueles que não ingressam.
Tal paralelo seria importante para quebrar alguns mitos, afinal o percentual de jovens que abandonam a fé cristã independentemente de cursarem uma faculdade também é muito alto.
Frank Turek, que há pouco tempo debateu sobre esse tema nos Estados Unidos, conforme publicação do Christian Post, de igual forma concluiu que o abandono da fé também é gritante entre os que não vão para a faculdade. Turek ressalta que após o término do ensino médio é comum que jovens cristãos pretendam dar uma pausa para o seu relacionamento com a igreja. Ele afirma ainda que isso ocorre tanto em relação aos católicos quanto aos evangélicos, e que isso se deve em grande parte ao “cristianismo fácil e de entretenimento” tão pregado atualmente, o qual não incentiva as pessoas a desenvolverem uma vida cristã focada na verdade, mas sim na emoção.
De qualquer forma, reforço a afirmação de que a inserção do cristão no mundo acadêmico continua sendo algo vital, apesar das pesquisas. Isso porque, exatamente dos bancos das universidades estão saindo os líderes que irão influenciar culturas e ditar o(s) caminho(s) da política e da educação. Nesse sentido, se negligenciarmos o ensino de nível superior por causa do ataque à fé cristã, estaremos também negligenciando a necessidade de influenciar a cultura, a política e a educação por meio do evangelho de Cristo.
Parafraseando James Dobson, é possível dizer que: As crianças (e os jovens) são o prêmio aos vencedores da guerra social. Aqueles que controlam o que é ensinado aos jovens e o que eles vivenciam – o que vêem, ouvem, pensam e acreditam – determinarão os rumos do futuro da nação. Sob esta influência, o sistema de valores predominante de toda uma cultura pode ser redirecionado em uma geração, ou certamente em duas, por aqueles que têm acesso ilimitado aos jovens.

Preparando os jovens cristãos

Cientes desse cenário, ao invés de a igreja desestimular a ida dos cristãos para a universidade, precisa quebrar a velha e ultrapassada dicotomia entre fé e educação superior, preparando os cristãos a testificar sobre o Reino naquele ambiente. E felizmente isso tem sido cada vez mais frequente, com o surgimento de instituições que visam ajudar o cristão a viver a fé dentro do campus, como por exemplo a ABU – Aliança Bíblica Universitária e a Agência Pés-Formosos.


A preparação a que me refiro pode se dar em dois aspectos:

Primeiro, em relação ao ataque contra Deus e o cristianismo, o preparo precisa ser intelectual. Os jovens precisam receber educação cristã de qualidade, especialmente apologética, com vistas a rebater os argumentos que lhes são apresentados. Como bem escreveu Nancy Pearcey, “a apologética básica tornou-se habilidade crucial para a simples sobrevivência. (…) A tragédia é representada inúmeras vezes quando os adolescentes cristãos arrumam as malas, despedem-se dos pais e vão para universidades seculares, apenas para perder a fé antes de se formarem, tornando-se presas das mais recentes novidades intelectuais”
Segundo, no que se refere à identidade do cristão, a preparação é eminentemente espiritual. O testemunho do jovem cristão dentro da universidade decorre da sua comunhão com o Senhor, baseado em uma vida de entrega irrestrita. Nesse caso, a espiritualidade vivenciada apta a produzir frutos não se contenta com o simples nominalismo, antes, deve estar consubstanciada em um compromisso verdadeiro de uma vida de dependência ao Senhor, oração e leitura da Bíblia.
Nesse sentido, fazendo outra paráfrase, agora das palavras de Jesus, baseado em tudo o que já foi dito. Não peçamos para que Deus tire os jovens cristãos do campus (mundo), mas que os livre do mal (Jo. 17.15).

Mês de maio, escravidão a Virgem Maria

Depois de Izabel se sentir acolhida pela saudação de Maria, exclama o brado de seu coração, que naquele instante exultava pela presença da serva do Senhor em sua casa. Izabel, pronuncia com voz exclamativa, que realmente Maria fora escolhida, e que estava grávida, e o sinal foi que o filho estremecera no ventre de sua mãe, somente por ter recebido o impacto do Espírito Santo, ou, saltou-se de alegria dupla, por esta que seria a Mãe do Salvador.
Imaginemos que alegria nossa, estar sendo visitados pela Mãe do Meu Senhor! Começava ali, uma relação de admiração, obediência e respeito por Maria, a escrava do Senhor, e que agora, João, se tornaria escravo de Maria, a Mãe e Rainha dos Profetas.
Maria, por sua vez, parece subir aquelas montanhas como que correndo, impulsionada pelo Espírito, para levar a sua Maternidade, o Espírito Santo, para aquele que nasceria antes do filho d’ela, e que iniciaria a sua missão antes também, e por sinal, a missão do filho de Maria, dependia da missão do filho de Izabel.
Creio eu, que Maria não foi apenas até a casa de Izabel, somente porque ela era idosa, e estava grávida, porque necessitava de ajuda ou até porque a gravidez era de risco, mas analisando no profundo da alma, a visitação de Maria, dá uma idéia de “superproteção” materna, é como se ela quisesse amparar com todo o seu ser, mesmo estando grávida também, certificando que tudo iria correr bem com aquele “Batista”. A maior prova disto, é que Maria ficara lá até que João Batista nascesse. Você que é mãe poderá me entender melhor, será que, ao nascer João Batista, Izabel não precisava muito mais da presença de Maria do que na gravidez? Porque então Maria deu assistência na gravidez, e não permaneceu? Com certeza não fora porque a sua barriga estava grande, e ela não conseguia mais servir!
A presença de Maria ali, na casa de Izabel e Zacarias, é muito profunda. Quem gera é Izabel, mas quem forma e acompanha o profeta ainda antes de vir ao mundo, é a Virgem Maria. É isto que ela tem feito conosco, acompanhou a nossa mãe, nos gerou junto, certificou que iríamos nascer, nos ajudou a receber o Espírito Santo no Batismo, consagrou-nos profetas, através da nossa Madrinha de consagração, e agora como adultos, ficou no cenáculo, aguardando com os discípulos, o reavivamento de pentecostes em nossa missão, a porção dobrada do Espírito.
Toda a nossa missão depende de Maria, tudo que passamos, tem que passar pelas mãos d’ela. E embora, ela não tenha acompanhado João em sua jornada, a nós, os privilegiados, a teremos até o fim, quando o Senhor vier.
Maria então canta o seu “Magnificat”, seu cântico inspirado no cântico de Ana (1 Sam 2, 1-10) e entretecido de citações do Antigo Testamento. É Maria, alegre, exultando de alegria no Senhor, quem fica ali, naquela casa por três meses. Ela permanece ali, gerando João Batista com o Pai do céu, o pai da terra, Zacarias, e a sua mãe Izabel. Naquele período João aprendeu a ficar perto de Maria, a sua Senhora, a ouvi-la falar, com certeza por várias vezes, Maria tocou a barriga de Izabel, sentindo-o chutar, e a alegria de João gerada na saudação permaneceu ali até o seu nascimento.
O cristão precisa aprender a escutar a Virgem Maria, distinguir a sua doce voz de todas as outras, sentir-se tocado por ela, aprender a ficar na sua presença, deixa-la participar desta missão. Muitos cristãos se calaram por falta da proteção materna, talvez demos muito valor ao Espírito Santo, que é realmente superior, e deixamos de lado a Virgem Maria. Mas mesmo sendo consagrados profetas pelo Espírito Santo, no batismo, Maria é a força que acompanha o profeta.
O cristão tem que ser mariano, escravo d’ela, aprender as virtudes d’ela, sofrer as perseguições e chorar no colo d’ela.
Aprender d’ela como João Batista, pois é ela que guarda a nossa profecia para que não seja desviada. Ela sustenta o nosso chamado, nossa vocação, o nosso ministério, nos apura e nos ajuda a sermos perfeitos, intercede ao Espírito Santo, seu doce esposo para que não nos falte. Maria mantém nossa fidelidade e unidade à Igreja, nos livra da apostasia, do abandono da fé e das heresias.
Com certeza Maria, exemplo de serviço e simplicidade, nos ajudará a sair do nosso comodismo, e nos doar como profetas, às nossas famílias, e aos irmãos, como ela fez. Ela estava grávida e impulsionou-se a ir por aquelas duras, longas e montanhosas estradas, para estar com Izabel.
Seja qual for as dificuldades que você esteja passando, caminhe cristão, caminhe profeta! A Virgem Maria está contigo. Os que são escravos de Maria, não tem ciúmes, não gostam de ser aplaudidos, não tem medo de sofrer. É preciso despertar-nos deste sono, somos servos, não somos nada mesmo, nos sentimos inúteis, mas é pela graça de Deus que seremos profetas, anunciando e denunciando.
A Virgem Maria entendeu isto, ela foi glorificada justamente por esta decisão, de compreender que Deus é quem faz, nós apenas prestamos a “Ele” o nosso sim, e mesmo se as vezes nos perguntarmos: “Como se dará isto?”
O Espírito Santo descerá sobre nós, sobre ti, não há como negar, sois profetas!


Por : Moisés Rocha é Pregador e fundador da Comunidade Resgate
EM BREVE EM CAMOCIM

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O Papa consagra os sacerdotes de todo o mundo ao Imaculado Coração de Maria

FATIMA, 12 Mai. 10 / 04:16 pm (ACI).- Logo da oração das Vésperas, o Papa Bento XVI consagrou todos os sacerdotes do mundo ao Coração Imaculado de Maria a, ato no qual fez a seguinte oração em adoração ao Santíssimo Sacramento, acompanhado dos presbíteros, religiosos e consagrados reunidos na Igreja da Santíssima Trindade no Santuário da Virgem da Fátima:

Mãe Imaculada,

neste lugar de graça,

convocados pelo amor do vosso Filho Jesus,

Sumo e Eterno Sacerdote, nós,

filhos no Filho e seus sacerdotes,

Diário da aparição de Fátima


FONTE: padre Alberto Gambarini.

Primeira aparição – 13 de maio de 1917

Os três pastorinhos: Lúcia de dez anos; e seus primos Francisco, de nove e a irmazinha dele, Jacinta, de sete, guardam os rebanhos que pastam tranquilamente na Cova da Iria, lugar da freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, actual diocese de Leiria. Lúcia está triste, porque o seu irmão Manuel partiu para a frente de batalha.
«Andando a brincar, no cimo da encosta da Cova da Iria, vimos, de repente, como que um relâmpago. – É melhor irmo-nos embora para casa,– disse aos meus primos – que estão a fazer relâmpagos e pode vir trovoada. E começamos a descer a encosta tocando as ovelhas em direcção à estradas. Vimos, sobre uma carrasqueira, uma Senhora vestida de branco, mais brilhante que o sol, espargindo uma luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios do sol mais ardente
A senhora disse: “Sou do céu… Vim para vos pedir que venhais aqui seis meses seguidos, no dia 13, a esta mesma hora. Depois direi quem sou e o que quero. Ides ter muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto. Rezai o terço todos os dias para alcançar a paz para o mundo e o fim da guerra.”
“Foi ao pronunciar estas últimas palavras, que abriu pela primeira vez as mãos, comunicando-nos uma luz muito intensa … que nos penetrava no peito e no mais íntimo da alma, fazendo-nos ver a nós mesmos em Deus, mais claramente do que nos vemos no melhor dos espelhos. Então, por um impulso íntimo, caímos de joelhos e repetimos «ó Santíssima Trindade, eu Vos adoro. Meu Deus, meu Deus, eu Vos amo no Santíssimo Sacramento.”( Lúcia)
Nossa Senhora deixou nas crianças uma deliciosa impressão de paz e de alegria radiante, de leveza e liberdade. De tempo em tempo, o silêncio em que tinham caído era cortado pela exclamação jubilosa de Jacinta: Ai! que Senhora tão bonita! Ai! que Senhora tão bonita! Nesta, como nas outras aparições, Nossa Senhora falava só com a Lúcia e Jacinta ouvia o que Ela dizia. O Francisco não ouvia nada, por isso estava concentrado em «ver». Mas quando as duas meninas lhe relataram o diálogo, ele disse: «Ó minha Nossa Senhora! Terços, digo-os quantos Vós quiserdes!»
Por sugestão de Lúcia, combinaram não revelar nada a ninguém do que tinham visto e ouvido. Mas Jacinta quebrou o contrato contando em casa, à noite, os factos da Cova da Iria. No dia seguinte, a mãe de Lúcia e vários outros parentes das três crianças rodeiam a mais crescidinha e ameaçam-na com severas punições, caso diga mentiras ou invente histórias.



Segunda aparição – 13 de junho de 1917

Fátima está a celebrar a festa de Santo António, Padroeiro da freguesia. «Minha mãe e minhas irmãs – escreve Lúcia – que sabiam quanto era amiga de festas, diziam-me então: – Sempre estou para ver se deixas a festa para ir à Cova da Iria falar lá com essa Senhora». Mas a Lúcia deixou a festa e foi à Cova da Iria acompanhada pelos outros dois videntes e por mais umas 50 ou 60 pessoas, quase todas de fora da freguesia.

«Depois de rezar o terço com a Jacinta e o Francisco e mais pessoas que estavam presentes, vimos de novo o reflexo da luz que se aproximava (a que chamávamos relâmpago), e, em seguida Nossa Senhora sobre a carrasqueira, em tudo igual a de Maio». (Lúcia)
A Senhora diz: «Quero que rezeis o terço todos os dias e aprendais a ler». Promete levar em breve o Francisco e a Jacinta para o céu. Quanto à Lúcia declarou: «Tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-se de ti para me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. A quem a abraçar prometo a salvação e serão queridas de Deus estas almas. Nossa Senhora, como mãe carinhosa consola-a: «Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus». Foi no momento em que disse estas últimas palavras que (Nossa Senhora) abriu as mãos e comunicou-nos pela segunda vez o reflexo dessa luz imensa. Nela nos víamos como que submergidos em Deus …Viram os pastorinhos sobre o peito de Nossa Senhora «um Coração cercado de espinhos que parecia estarem-lhe cravados. Compreendemos que era o Coração Imaculado de Maria, ultrajado pelos pecados da humanidade que queria reparação»
Instintivamente, Lúcia levanta-se e estende os braços como que para reter a Aparição. Mas esta desaparece, pouco a pouco, na direcção do Nascente. Os circunstantes distinguem uma pequenina nuvem que sobe no céu e depois se desvanece.
As notícias acerca da aparição de 13 de Junho difundem-se com extrema rapidez. Toda a gente experimenta um grande desejo de saber alguma coisa e de interrogar os videntes. A aldeia em peso sente-se perturbada. O Pároco de Fátima acha-se no dever de interrogar as crianças e fala na presença dós respectivos pais. Surge uma dúvida: Não será a visão um engano do demónio?
Tocada pela persistente dúvida do sacerdote, e pelos maus-tratos de tantas pessoas, Lúcia fica perplexa: «A Jacinta e o Francisco façam como quiserem. Eu não volto mais à Cova da Iria. A resolução estava tomada e eu bem resolvida a pô-la em prática». (Lúcia).  

Um retrato breve e informal do Papa Bento XVI.

Revista Caras- Portugal


O sentido de humor, a simplicidade e a pontualidade são algumas das características de Bento XVI, que adora ler, escrever e ouvir música. Por isso, não foi de estranhar que quando, ao mudar-se para o Palácio Apostólico, a cerca de 50 metros da casa onde vivia antes, tenha feito questão de levar os seus milhares de livros e o piano. Aliás, Ratzinger tem um ipod - que lhe foi oferecido em 2006 por um grupo de funcionários da Rádio Vaticano -, em que ouve certamente Mozart, Bach e Beethoven, compositores que muito aprecia, sendo o primeiro o seu preferido. Além do uso desse gadget musical, o Papa, que completou recentemente 83 anos, mostra-se também adepto das novas tecnologias: navega na internet e gosta de ser ele a responder aos e-mails pessoais.


Mas voltemos atrás na história de Bento XVI. Joseph Alois Ratzinger nasceu num sábado de Aleluia, a 16 de Abril de 1927, em Marktl am Inn, na Baviera, filho de um comissário da polícia e de uma cozinheira. Em 1939, com 12 anos, entra para um seminário em Traunstein. Dois anos depois, é obrigado a integrar a Juventude Hitleriana e, em 1941, a interromper a formação eclesiástica para cumprir o serviço militar obrigatório no Exército Nazi Alemão. Terminada a II Guerra Mundial, Ratzinger regressa ao seminário, sendo ordenado padre a 29 de Junho de 1951, juntamente com o seu irmão, Georg.
Doutora-se em Teologia, disciplina que acaba por leccionar. Em 1977, é nomeado arcebispo de Munique e Freising e, nesse mesmo ano, elevado a cardeal. E, sem nunca o ter ambicionado, é eleito Papa pelo Colégio dos Cardeais, a 19 de Abril de 2005, num conclave que durou apenas 24 horas. Toma posse cinco dias depois, com o nome de Bento XVI, numa cerimónia na Basílica de São Pedro, em Roma.



Desde essa altura, Joseph Ratzinger tem os olhos do mundo postos nele. Alguns amigos dizem que é de uma simplicidade extrema, paciente e sereno. Segundo Aura Miguel, a única jornalista portuguesa que acompanha o Papa sempre que este viaja para fora de Itália (como já fez com João Paulo II), e autora do livro As Razões de Bento XVI, Ratzinger é “acutilante: desfaz as ambiguidades e confusões com uma clareza e lucidez impressionantes”.
Mas a verdade é que também tem suscitado duras críticas, nomeadamente por ser contra o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, por condenar o uso do preservativo.


Quanto a outras curiosidades, segundo algumas informações retiradas do livro de Aura Miguel, as refeições de Bento XVI são confeccionadas com pouco sal e o único vinho que bebe é Porto. Às refeições, prefere limonada ou sumos. Gosta de doces, principalmente dos de ovos e de chocolate. Entre os seus amigos, contam-se três portugueses: D. Amândio José Tomás, bispo-coadjutor de Vila Real, D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, e o teólogo Henrique Noronha Galvão.
Portugueses esses que certamente o acompanharão na visita ao nosso país.
O papa dia 12 segue para Fátima, onde fará a bênção das velas, na Capelinha das Aparições, e assistirá à Procissão das Velas. A missa internacional na esplanada do Santuário e a procissão do adeus serão os pontos altos do 13 de Maio. Dia 14 é a vez do Porto receber a visita do Santo Padre, que celebrará uma missa na Avenida dos Aliados.
Naturalmente, a segurança da visita papal será apertada, pois foi em Fátima que João Paulo II foi vítima do segundo atentado. Recorde-se que os únicos incidentes que envolveram Bento XVI se deram em Roma: o primeiro, em 2007, quando um alemão tentou entrar no Papamóvel; o segundo, em 2009, durante a missa de Natal, quando uma mulher passou uma barreira de segurança e conseguiu derrubar o Papa.


Estudo confirma que catolicismo é a religião mais difundida no Brasil.

As relações entre envolvimento religioso e saúde.

De acordo com levantamento publicado na Revista de Psiquiatria Clínica, no Brasil 83% da população considerara a religião muito importante para sua vida, enquanto 37% da mesma freqüenta serviços religiosos pelo menos uma vez por semana.
O trabalho é da autoria de Alexander Moreira-Almeida, professor adjunto de Psiquiatria e Semiologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora e colegas, e foi disponibilizado na edição de janeiro de 2010.
Segundo os autores, para colheita de dados, foram incluídos no estudo 3.007 indivíduos (2,346 adultos com 18 anos ou mais e 661 adolescentes de 14 a 17 anos) de 143 cidades. Foram contemplados por eles critérios religiosos como: filiação, religiosidade organizacional e subjetiva. A filiação religiosa foi avaliada usando questões como ‘qual é sua religião?’ – com respostas possíveis ‘Afro-brasileira (umbanda e candomblé)’, ‘Espiritismo Kardecista’, ‘Catolicismo’, ‘Protestantismo’, ‘outra’ e ‘nenhuma religião’.
Nos resultados da pesquisa, os especialistas destacam que “cinco por cento dos envolvidos declararam não ter religião, 83% consideraram religião muito importante para sua vida e 37% frequentavam um serviço religioso pelo menos uma vez por semana.
As filiações religiosas mais frequentes foram Catolicismo (68%), Protestante/Evangélica (23%) e Espiritismo Kardecista (2,5%). Dez por cento referiram frequentar mais de uma religião. De modo semelhante a estudos em outros países, maior idade e sexo feminino se associaram a maiores níveis de religiosidade subjetiva e organizacional, mesmo após o controle para outras variáveis sociodemográficas”
Para Alexander e colegas, “posto que religiosidade possui várias conexões com saúde, incluindo níveis globais de saúde, mortalidade e uso de serviços de saúde, é muito importante compreender a distribuição da religiosidade na população como um todo e em relação com variáveis sociodemográficas. Nossos achados mostram que a religiosidade se mantém importante para a maioria dos seres humanos, inclusive os brasileiros. Essa importância é ainda maior entre mulheres e idosos, dois grupos com necessidades específicas de cuidados em saúde e para quem a religiosidade é frequentemente um importante modo de lidar com situações estressantes como o adoecimento”.

Para ler o artigo na íntegra, acesse: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832010000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

CNBB lançará guia de combate à pedofilia.

O Estado de S.Paulo

Após debater em duas sessões os casos de abusos sexuais contra menores praticados por padres em dioceses brasileiras, o plenário da 48.ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) decidiu ontem publicar uma cartilha que servirá de guia para o episcopado combater os crimes de pedofilia.
A cartilha será redigida, em uma primeira versão, pela comissão de bispos, padres e assessores, alguns deles psicólogos, que encaminhou a discussão no plenário. O manual será distribuído nos próximos meses, após aprovação do Conselho Permanente, órgão de cúpula da conferência.
O plenário decidiu ainda que, em vez de a Assembleia Geral publicar um texto sobre a pedofilia, a presidência da CNBB divulgará uma declaração no encerramento da reunião de Brasília, nesta quinta-feira.
“Em minha opinião, uma tomada de posição oficial da assembleia teria mais força”, reagiu o arcebispo da Paraíba, d. Aldo Pagotto, com o argumento de que a sociedade espera atitudes mais contundentes da Igreja. O arcebispo acredita, no entanto, que o presidente da CNBB, d. Geraldo Lyrio Rocha, vai refletir em seu texto a preocupação e o clima das discussões do plenário.
Para o bispo de Franca (SP), d. Pedro Luiz Stringhini, que enfrenta um caso de pedofilia em sua diocese, a questão foi debatida com seriedade e com transparência, sem nenhuma preocupação de esconder o crime ou de proteger os criminosos. O bispo de Penedo (AL), d. Valério Breda, fez uma exposição sobre os casos registrados em Arapiraca, em sua diocese.
Diferentes caminhos. Citando uma intervenção de d. Joaquim Mol, bispo auxiliar de Belo Horizonte, d. Pedro Luiz traçou o caminho que a Igreja deve seguir: “Para o pecado, o perdão; para o crime, a punição; para a patologia, o tratamento.” O roteiro não exclui a denúncia dos criminosos às autoridades civis, prevista recentemente pelo Vaticano.
D. Sinésio Bohn, bispo de Santa Cruz do Sul (RS), afirmou que a questão da pedofilia entrou nos debates dos grupos que estudam novas diretrizes para a formação de padres. “Nós temos de adotar métodos científicos, com a ajuda de psicólogos, por exemplo, para evitar que eventuais futuros pedófilos sejam ordenados sacerdotes”, declarou.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Bispos aprovam continuidade das atuais diretrizes da evangelização

As atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) serão prorrogadas por mais quatro anos, a partir de 2011. A proposta, apresentada pela Comissão responsável pela condução deste tema, foi aprovada por 161 votos, contra 102 que queriam a elaboração de novas diretrizes.

Segundo o secretário da CNBB, Dom Dimas Lara Barbosa, mesmo sendo prorrogadas, as atuais DGAE receberão acréscimos e emendas a partir de novos documentos publicados nos últimos anos. A Comissão presidida pelo Arcebispo de São Luís do Maranhão, Dom José Belisário da Silva, continuará trabalhando na atualização do Documento que será apresentado à 49ª Assembleia da CNBB, no ano que vem.

As Diretrizes são um documento que serve de base para as dioceses elaborarem seus planos de pastoral e dá as linhas da ação evangelizadora da Igreja no Brasil, buscando a unidade e a comunhão pastoral. Elaboradas a cada quatro anos, são aprovadas nas assembleias em que é eleita a Presidência da CNBB, a quem cabe acompanhar a aplicação do documento.

Fonte: CN

O HOMEM JESUS

por: pe.Zezinho

Se houve no mundo um homem que sabia tudo sobre Deus, este homem foi Jesus. Se algum homem chegou à intimidade absoluta com Deus, este homem foi Jesus. Foi ele mesmo quem o disse. E era plenamente homem.
Se um homem é capaz de tamanha intimidade, ele não é um sujeito qualquer. É especial. Especialíssimo. Foi ele quem o disse.
Se Deus é este ser que pensamos que é, o homem que afirma ter intimidade absoluta com ele corre o risco de ser o doido mais varrido, o maior dos mentirosos, o maior dos megalomaníacos.
Mas, se for verdade, então ele é o mais especial, o mais homem entre os homens. E Jesus disse que sabia quem era e quem o havia mandado, ninguém menos que Deus, a quem ele chamava de Papai (Abbá, em aramaico).
Homem algum será capaz de conhecer Deus. Mas, Jesus disse que o conhecia. E somente ele. Ninguém antes, nem depois dele foi capaz disso. Se Deus existe, se criou o mundo e se criou o homem, somos todos filhos de Deus. Mas Jesus garante que é o Filho único.
Há uma coisa nesse homem Jesus que homem nenhum relativamente inteligente é capaz de decifrar: fala como alguém igual, absolutamente identificado com Deus.
Ou sua mentira é mentira demais para nós, ou sua verdade é verdadeira demais. O fato é que nenhum homem jamais falou como Jesus falava.
Os homens que escreveram a seu respeito não teriam capacidade de criar um personagem assim tão forte, capaz de desafiar a mente de tantos pensadores e cientistas durante 20 séculos. Se Jesus foi invenção, então os quatro evangelistas que como insistem alguns teriam construído o personagem Jesus seriam mais espertos que ele.
Para crer em Jesus, precisamos acreditar nos seus biógrafos: Mateus, Marcos, Lucas e João. O que deu neles? O que foi que viram e ouviram, para falar dele como falaram, e morrer por ele do jeito que morreram?
E os apóstolos? Que experiências tiveram para dar a vida por ele. Morreram por um personagem de novela ou por uma pessoa real? Como foi? O que é que viram em Jesus para viver por ele e morrer do jeito que morreram? Era Jesus, filho de Maria, filho de José, filho especialíssimo de Deus ou era uma invenção da cabeça deles? Jesus os fanatizou? Mas como, se Jesus nunca impôs nada em nenhuma cabeça? Não foi ele que os deixou livres para irem embora ,se quisessem?
Nunca usou de armas nem de violência. Falou claro que quem o seguisse teria felicidade, mas teria muito sofrimento. Nunca fez marketing mentiroso do caminho que propunha. Não era desesperado para fazer discípulos.
Que palavra forte tinha esse Jesus que ultrapassa e sobrevive aos homens, às ideologias, às seitas, e até mesmo aos erros colossais dos que transmitiram sua mensagem através dos séculos? Que foi que ele disse para ter se tornado a personalidade mais carregada de humanidade que se conhece?  

Bento XVI entrega aos editores a segunda parte do livro Jesus de Nazaré

Vaticano, 11 Mai. 10 / 12:22 pm (ACI).- O Escritório de Imprensa da Santa Sé informou ontem que o texto definitivo do segundo volume da obra "Jesus de Nazaré", do Papa Bento XVI, foi entregue há alguns dias aos editores encarregados de sua publicação.
A nota assinala que "o segundo volume está dedicado à Paixão e à Ressurreição e começa onde acabava o primeiro livro. O original alemão foi entregue ao mesmo tempo a Manuel Herder, o editor que se ocupa da obra completa (Gesammelte Schriften) de Joseph Ratzinger, e a dom Giuseppe Costa, diretor da Livraria Editora Vaticano".
Esta última, prossegue a nota, "como editorial principal, proverá a concessão dos direitos, a publicar a edição italiana e a confiar o texto a outros editores para as diferentes traduções em várias línguas, que se realizarão a partir do original alemão".
Espera-se, conclui a nota, "que a publicação do livro tenha lugar contemporaneamente nas línguas de maior difusão. Por mais rápido que isso aconteça, no entanto, será preciso ainda diversos meses, dado o tempo necessário para a tradução cuidadosa de um texto tão importante e esperado".

Por : ACI

Relíquias de Santa Teresa de Lisieux poderão ser vistas durante o Mundial da África do Sul 2010

JOHANNESBURG, 11 Mai. 10 / 10:34 am (ACI).- As relíquias de Santa Teresa de Lisieux do Menino Jesus serão expostas pela primeira vez na África do Sul, desde o 27 de junho até fins de setembro, coincidindo com a realização do mundial de futebol que se desenvolverá neste país de 11 de junho aos 11 de julho.
Assim anunciou a Igreja na África do Sul desde o seu site na Internet www.churchontheball.com, criado para ressaltar a importância que tem para a vida espiritual das pessoas a prática do esporte.
A chegada das relíquias, promovida por um grupo de jovens da paróquia de São Francisco de Assis em Yeonville, Johanesburgo, conta também com o apoio do Arcebispo desta cidade, Dom Joseph Tlhagale.
De 27 de junho aos 12 de julho, as relíquias desta Santa e Doutora da Igreja estarão na capital, para passar logo pelo "Trajeto Santa Teresa" que percorrerá as províncias de Limpopo, Gauteng, Free State, Eastern Cape e Western Cape.
Toda a Igreja na África do Sul, explica a nota, "espera que a presença das relíquias de Santa Teresa de Lisieux possa ajudar os sul africanos a reforçarem seu sim, desafiarem tudo a levarem uma vida de fé e seguirem a própria vocação como fez a santa. Os fiéis também são animados a acompanhar a chegada das relíquias com projetos e iniciativas especiais de parte das paróquias, diocese, escolas e conventos".
O Arcebispo de Durban, Cardeal Wilfrid Fox Napier, assinala "a Igreja na África do Sul quer acolher a ocasião da Copa do Mundo para evidenciar o importante papel que o esporte tem em nossa cultura africana".

Mais informação (em inglês): www.churchontheball.com

Associação feita ao Papa em Portugal desrespeita sua pessoa e a Igreja.

Inaceitável e desrespeitosa comparação.

O filme que comparam se chama” O Diabo veste Prada”, com Merly Streep
Ou seja, O papa é o diabo e o ponto de convergência é a cor do sapato.
Lamentável.
Esse fato não expressa o amigo povo Português mas alguns “gatos pingados” que pensam combater ao papa quando na realidade combatem a Deus.
Força santo padre, oramos por ti!