sexta-feira, 19 de junho de 2009

Solenidade do Sagrado Coração de Jesus

Nós celebramos esta grande Festa Litúrgica na Igreja, que nos leva a uma profunda culto a Deus pois nos esclarece Santo Afonso de Ligório: “A devoção ao Coração de Jesus é a mais bela e a mais sólida do Cristianismo”.
Esta devoção consiste no reconhecimento, entrega e dedicação ao amor de Jesus, manifestado no símbolo mais simples do amor, isto é coração.
Podemos afirmar que esta devoção ao Coração Sagrado de Jesus fundamenta-se no Evangelho, neste encontramos a ação amorosa misericordiosa do Cristo, e nasceu na Cruz, do lado aberto de Jesus.
Tornou-se popular a partir das manifestações visíveis do Senhor a Santa Margarida Alacoque, que inicialmente lhe disse:
“Eis o Coração que tanto tem amado os homens e os cumulou de benefícios, e em resposta ao seu amor infinito, em vez de gratidão, encontra esquecimento, frieza e desprezo”.
Santa Margarida em meio as incompreensões e sofrimentos tornou-se a primeira mensageira do Sagrado Coração de Jesus, num tempo em que o Jansenismo do século XVII afastava o povo da recepção dos Sacramentos e desta forma, das experiência concretas do povo com o Amor de Deus.
Vários Sumos Pontífices, como Leão XIII que consagrou no ano de Mundo ao Sagrado Coração de Jesus, manifestaram-se a favor desta devoção que se resume na Consagração e Reparação; desta forma compreendemos o testemunho do nosso Papa João Paulo II em 1980:
“Na solenidade do Sagrado Coração de Jesus, a liturgia da Igreja concentra-se, com adoração e amor especial, em torno ao mistério do Coração de Cristo. Quero hoje dirigir juntamente convosco o olhar dos nossos corações para o mistério desse Coração.




Sagrado Coração de Jesus, nós temos confiança em vós!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

O mistério do Corpo De Cristo

Os católicos dizem que não é pão, mas é o Corpo de CristoOs católicos dizem que não é mais pão após a consagração, mas é o Corpo de Cristo. Isso é uma loucura ou uma verdade que supera os critérios científicos?O homem moderno espera da ciência, muitas vezes, um remédio que possa curar sua insegurança diante dos vários emblemas que o rodeiam, como a morte, a origem das coisas, o sentido da existência, o drama do sofrimento e da insatisfação interior, entre outros. Diante de suas múltiplas interrogações o que não é provado passa a ser tido como não verdadeiro.A afirmação católica: "Não é pão e sim Corpo de Cristo" passa a ser considerada uma loucura. Nos laboratórios o que se verifica são as matérias de trigo e de vinho. Da mesma maneira, para muitos cristãos, essa mesma afirmação se encerra apenas no âmbito simbólico, ou seja, aponta para uma realidade, porém, não a contém em si mesma em sua inteireza. Portanto, como acreditar em um sinal de contradição até mesmo no meio cristão?Existem realidades que superam as constatações realizadas em laboratórios, por exemplo: alguém já tocou em sua alma? Alguém já provou cientificamente a composição da alma humana? Como poderíamos negar sua existência, pois uma vez que alguém morre o que se vê é apenas um corpo e não mais um "alguém"? Por essa razão dizemos que está morto. Porque aquele corpo não possui mais alma.Da mesma forma o Corpo de Cristo não é verificável em laboratório, mas sim, no princípio de causa e efeito. Se é Cristo deve por sua vez possuir um efeito. Como o alimento, alimenta, o Corpo de Cristo "cristifica", ou seja, faz a pessoa se superar, levando-a progressivamente a crescer no amor, a dar sentido a sua existência, a tornar-se mais humana e por sua vez mais divina.Essa verdade se comprova também por "pesquisa de campo", pois são milhares de pessoas que no decorrer da história têm testemunhado virtudes heroicas e, ao mesmo tempo, que a causa de sua transformação e a base de sua felicidade se encontram no Deus escondido por detrás do pão consagrado.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Próxima Encíclica Responde a Crise Econômica


Dedicada à economia e ao trabalho.

Bento XVI confirmou neste sábado que sua próxima encíclica será uma resposta à atual crise econômica e financeira, baseada no valor e na dignidade do trabalho.O Papa o revelou aos participantes em um congresso internacional organizado pela Fundação "Centessimus Annus Pro Pontifice", sobre a busca dos valores e regras que o mundo econômico deveria seguir para implantar um modelo de desenvolvimento mais atento às exigências da solidariedade e mais respeitoso da dignidade humana.“Como sabeis, em breve se publicará minha encíclica dedicada precisamente ao grande tema da economia e do trabalho – revelou o Bispo de Roma em seu discurso; nela se destacarão quais são, para nós, cristãos, os objetivos a serem buscados e os valores a serem promovidos e defendidos incansavelmente para chegar a uma convivência humana realmente livre e solidária.”Espera-se que a terceira encíclica de Bento XVI intitule-se "Veritas in Caritate" e poderia ser assinada pelo Papa no próximo dia 29 de junho, festividade de São Pedro e São Paulo. A publicação aconteceria depois disso(...)A primeira encíclica deste pontificado, Deus caritas est, publicada em 2005, está dedicada ao amor; e a segunda, "Spe salvi", publicada em 2007, centra-se na esperança.A fundação de leigos "Centessimus Annus Pro Pontifice", fundada em 1993 pelo Papa João Paulo II, ajuda a promover a doutrina social da Igreja nos setores profissionais e de negócios.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

JESUS, SENHOR: PELO ESPÍRITO!


“Para fazer Jesus reinar na alma, docilidade ao Espírito Santo....!!(Elena Guerra, “Pensieri sullo Spírito Santo”)
Autor: Reinaldo B. Reis



Deus é Senhor: assim o proclamam as Escrituras, do Gênesis ao Apocalipse. O Espírito Santo é “Senhor, e dá a vida”: assim professa nele a Igreja sua fé, no Símbolo chamado Niceno-Constantinopolitano. Mas esse atributo que é próprio da essência divina única (comum às três pessoas divinas, pois...), quis Deus que, de modo pessoal, fosse reconhecido na figura do Cristo, Salvador e Redentor. O sonho eterno do Pai era conduzir toda a criação ao reconhecimento do Filho, pelo Espírito, como Senhor de tudo e de todos: “Ele nos manifestou o misterioso desígnio de sua vontade, que em sua benevolência formara desde sempre, para realizá-lo na plenitude dos tempos – desígnio de reunir em Cristo todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra...” Para isso,“ fomos selados com o Espírito que fora prometido...” ( cf. Ef 1, 3-14).
Proclamar Jesus como Senhor – isto é, colocar Jesus no Centro de tudo –, é uma importantíssima e fundamental doutrina bíblica. Não se trata de um slogan usado por alguns irmãos Evangélicos, Pentecostais, mas de uma profunda verdade de fé que precisa ser tomada em conta em todo e qualquer programa de evangelização.
Após a vinda do Espírito em Pentecostes (onde Ele nos é apresentado como o Dom de Deus, em cumprimento de Suas promessas), a primeira coisa que Pedro e os apóstolos fazem (depois de responder a algumas pequenas questões dos presentes), é ir direto ao ponto da nova realidade que se abre à humanidade. E o ponto é Jesus Cristo, no centro. É Jesus Cristo como Senhor. Na força do Espírito – conforme a promessa – , o simples, medroso e inculto Pedro ousadamente proclama esta novidade que deveria ser a base da doutrina do Ressuscitado: “...Israelitas, ouvi estas palavras...Vós matastes a Jesus de Nazaré... A este Jesus, Deus o ressuscitou: do que todos nós somos testemunhas. Exaltado pela direita de Deus, havendo recebido o Espírito Santo prometido, derramou-o como vós vedes e ouvis... Que toda a casa de Israel saiba, portanto, com a maior certeza de que este Jesus, que vós crucificastes, Deus o constituiu Senhor e Cristo.” (cf. At 2, 22-36).
Também hoje, nesses tempos privilegiados do Espírito (cf. EN, 75), se quisermos reevangelizar nosso secularizado, aético, pragmático, e cada vez mais anti-evangélico mundo moderno, precisamos, aproveitando dessa nova e vivificante vinda do Espírito sobre a Igreja, colocar Jesus no centro, pois o fruto da experiência da efusão copiosa do Espírito como vem ocorrendo no último século precisa servir ao propósito de Deus na renovação, na restauração da soberania de Jesus Cristo na vida das pessoas, e através delas na Igreja, nas igrejas, e na sociedade...No poder do Espírito, convidar as pessoas a destronar o ego e entrar num relacionamento pessoal com Jesus, como Senhor e Salvador.
Diz Raniero Cantalanessa: “ O Espírito coloca na boca do pregador as palavras: ‘Jesus é o Senhor!’, e eis a evangelização...” Sim, porque, somente quando esse Jesus – Senhor de tudo e de todos, por direito e por conquista – é assumido como meu Senhor, posso constatar que “conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber, e que tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas...”, cf. Doc. Aparecida, 29. Talvez, ao evangelizarmos, estejamos enfatizando exageradamente nossas heranças doutrinárias, nossas leis canônicas, os aspectos institucionais de nossa Igreja, as liturgias, devoções e espiritualidades, e negligenciando verdades essenciais da fé – como essa doutrina do senhorio de Jesus. Não nos damos conta que toda essa cultura sobre a pessoa e a Igreja de Jesus – por vezes – é carga demasiada pesada para quem não teve ainda um encontro pessoal com o Messias, como Senhor e Salvador. “...Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva.” (Doc. Aparecida, 12).


Toda a doutrina, liturgia, teologia, espiritualidades, são preciosidades de nossa fé. Mas, assim o serão se ocorrer em nossa vida o encontro com o Cristo, Senhor! Diz Paulo que, tudo aquilo que para ele eram vantagens (ver Fl 3, 4-11.17-20), ele considerou como perda, por Cristo. “Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com esse bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor...”
Diz ainda o apóstolo que reconhecer a Jesus como Senhor, é coisa que só podemos fazer sob a ação do Espírito Santo (cf. I Cor 12,3). Isso porque, essa profissão (aliás, a mais antiga profissão de fé usada na Igreja primitiva), não era apenas uma fórmula que qualquer um podia pronunciar. Continha em si conseqüências, como o repúdio a quaisquer ídolos e a volta consciente a Deus. Diz Arnold Bittlinger, que, “quem diz: Jesus é o Senhor, precisa estar dizendo, ao mesmo tempo: Jesus é o meu Senhor ! Ou seja, a confissão de fé autêntica inclui uma entrega a Jesus!” (Não foi essa a profissão de fé de Tomé, quando fez a experiência do encontro pessoal com o Cristo ressuscitado, e disse: “Meu Senhor e meu Deus”, cf. Jo 20,28)?
Supõe reconhecer a Jesus de Nazaré – verbo encarnado, pessoa humano-divina – como Senhor absoluto de todas as coisas (inclusive do tempo, da história, do que é eterno). E isso não é coisa que a mente e o coração humanos conseguem alcançar senão com o operar e a ação coadjuvante do Espírito (cf. DV, 5), revelador da verdade (cf. Jo 16,13) e testemunha nomeada do Filho (cf. Jo 15,26)... Paulo chega a identificar essa confissão como uma condição para a salvação: “...Se, com tua boca confessares que Jesus é o Senhor, e se em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo”(Rm 10,9). Porque Jesus conquistou o direito de ser nosso Senhor também assumido as nossas culpas, “morrendo por nossos pecados e ressuscitando para a nossa justificação” (Rm 4,25). Por esse aniquilamento, por sua obediência à vontade do Pai, por sua morte de cruz, “Deus lhe outorgou um nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor.” (cf. Ef 2,5-11).


Dizer que Jesus Cristo é o Senhor, é dizer que o Cordeiro de Deus, imolado, está de pé: venceu! É dizer que a morte, o sofrimento, a vida...tudo, tem sentido! Que a humanidade tem jeito, que o mal não tem a última palavra. É sentir-se convidado a viver uma vida que não acabará jamais. É concordar em ter a Deus por Pai, a ter o outro por irmão, a ser templo do Espírito Santo... É ser herdeiro da promessa, de graças incomensuráveis e imerecidas...É reconhecer, nele, o Sol que não conhece ocaso, e que sempre ressurge triunfante dentre as nuvens, das sombras, das brumas, das tempestades, dos temores...É olhar nos olhos de quem você ama e dizer: você não morrerá jamais, pois “por isto é que Cristo morreu e tornou à vida: para ser o Senhor tanto dos vivos como dos mortos.” (Rm 14,9). Aleluia! MARANATHA! O Senhor vem! MARANA THÁ! Vem, Senhor Jesus!!! (cf 1 Cor 16,23; Apc 22,20)...
 

©2012 Grupo Renascer | Template Grupo Grupo Renascer by