VEJA NOSSOS ÁLBUNS DE FOTOS NO NOSSO FACEBOOK: facebook.com/gruporenascercamocim

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Ano novo, vida nova!



"Quem poderia acusar os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Cristo Jesus, que morreu, ou melhor que ressuscitou, que está a mão direita de Deus, é quem intercede por nós!" (Rom 8,33-34).



Seja Bem-vindo 2010
Seja Bem-vindo Espírito Santo


Não há nenhuma acusação para aqueles que estão no Senhor, 2009 foi marcado pelo poder de Deus em em nossas vidas, louvado seja Deus. Oramos  e confiamos que 2010 será o ano da graça e do Senhorio de Jesus para nossas famílias.


Este ano gritamos  para que todos ouçam principalmente as forças do mal espalhadas nos ares que na RCC Camocim e nas casas daqueles que participam do Grupo Renascer: "Jesus Cristo é o Senhor"
" Tudo concorre para o bem daqueles que esperam no Senhor.
Esperamos  ansiosos as novidades de Deus para nossa vida neste ano que vem chegando, proclamamos  e profetizamos  um ano de VITÓRIA em nome de Jesus.
Agradecemos aos nossos servos fiéis que foram instrumentos do Espírito Santo na Evangelização e a todos Nossos Visitantes do Blog para que o Senhor Derrame Benção em Abundância!   


Que venha 2010!
Que venha as bençãos!
Que venham as almas para Jesus!
Que se abram os reservatórios dos ceús!
  São os votos do Grupo Renascer Camocim.

Fim de ano - tudo tem seu tempo e ocasião

por Maria Emmir Nogueira, Co-fundadora da Comunidade Shalom

Revista Shalom Maná

Ao longo do ano, vivemos envolvidos no amor do Pai

“Tudo tem seu tempo e ocasião”, diz o Eclesiastes. “Para cada coisa”, dirá outra tradução, “há um tempo debaixo do sol.” O autor continua a repetir as palavras, sem a menor pressa, criando, em sua narrativa, um ritmo que, por si só, expressa o que ele quer dizer: tudo tem seu tempo, tudo tem seu ritmo.

“Tempo de nascer, tempo de morrer;
tempo de plantar, tempo de colher;
tempo de derrubar, tempo de construir;
tempo de chorar, tempo de rir;
tempo de fazer luto, tempo de bailar;
tempo de abraçar, tempo de separar-se;
tempo de procurar, tempo de perder;
tempo de calar, tempo de falar;
tempo de amar, tempo de odiar;
tempo de guerra, tempo de paz”.



Como não rezar com esta passagem a cada final de ano? Como vivi os tempos que o Senhor providenciou? Como acertei o meu passo ao sábio compasso que marca o ritmo da vida, de tudo o que existe debaixo do sol, inclusive eu? Quem nasceu? Quem morreu? Em que nasci? Em que morri? O que plantei? O que colhi? O que derrubei? O que construí? Como chorei? Como ri? Como vivi o luto e a dança? A quem acolhi? De quem parti? A quem deixei partir?

Como falei? Como calei? O que calei? Para que calei? O que falei? Como falei? Para que falei?

Moções que nos conduziram em 2009

Por Maria Beatriz S. Vargas Secretária geral do Conselho Nacional da RCC-Brasil



A primeira edição da Revista Renovação, neste ano de 2009, apre¬sentava na capa a imagem de Cristo Pantocrátor e o editorial explicava que essa imagem foi escolhida porque quer dizer que Cristo é aquele ‘que tudo contém’, o ‘dominador universal’, o ‘conservador de todos os seres’, o ‘onipotente’, um ícone que revela o que cremos. E porque cremos que Ele é o Senhor, neste ano estamos vivendo o Senhorio de Jesus como inspiração.

O tema do Congresso Nacional define o foco de nossa caminhada para o ano. O tema desse ano, portanto, foi retirado de Filipenses 2, 5ss. Refletindo sobre essa palavra e o tema do Senhorio, fomos levados a olhar para dentro de nós mesmos e perguntar: Jesus é verdadeiramente o meu Senhor? O meu joelho se dobra diante de seu Nome Santo, Todo-Poderoso? Joelho dobrado como símbolo de uma vida que se deixa conduzir por Jesus Cristo, que avalia sua vida e tem coragem de fazer mudanças radicais, se as práticas cotidianas não assu¬mem a dimensão da vida de Jesus. Proclamar que Jesus é o Senhor implica dizer que é Ele quem vai reinar sobre toda a nossa vida: decisões, ações, palavras, sentimentos, tudo! Ainda com essa pala¬vra, a exemplo de Jesus Senhor, somos convidados a assumir nossa cruz em obediência e humildade, confiando sempre no amor do Pai, acreditando que Jesus estabeleceu o domínio, do alto da cruz donde nasceu a Igreja. Na cruz, Jesus se torna modelo para todos os que sofrem.

Outra passagem que nos tem conduzido está em Apocalipse 3, versículos 7 ao 11. Essa passagem nos diz que o Senhor conhece nossa fraqueza, mas porque não renegamos Seu nome, isto é, por¬que O reconhecemos como Senhor, Ele coloca diante de nós uma porta aberta que ninguém pode fechar. Recebemos confirmação dessa palavra em Isaías 45, versículos 1 ao 3, palavra essa que afirma que o Senhor irá adiante de nós para abrir-nos as portas a fim de que nenhuma fique fechada, que Ele arrebentará os ba¬tentes de bronze e arrancará os ferrolhos de ferro. Explico como recebemos esta palavra, que é norteadora de todo o “Projeto Eu Amo a RCC”. O Escritório Nacional estava passando por dificulda¬des. Então, como sempre fazemos, fomos orar apresentando nossas dificuldades ao Senhor. A resposta foi essa palavra. Ao orar com a palavra, o Senhor foi revelando como as portas seriam abertas e de que modo poderíamos receber as riquezas escondidas.

Supertições de Final de Ano

O que a Igreja pensa sobre as crendices populares?

Às vésperas do fim do ano, milhares de pessoas aproveitam para rever a vida e projetar o futuro. Alguns ficam de olho nas previsões e recorrem a todo tipo de crendices. A repórter Magda Ishikawa, mostra nessa reportagem os costumes populares e a posição da Igreja Católica sobre o assunto.



As vitrines já estão brancas. Com o reveillón às portas, a nova preocupação de quem anda pelo shopping é procurar qual será a roupa para usar na virada do ano. E para muitos, na hora da escolha, a cor é um dos requisitos mais importantes.



Pular sete ondas ou se vestir com as cores que indicam prosperidade são alguns dos hábitos de superstição populares que se repetem todo ano durante o reveillón. Além, é claro, de estar atento às previsões do futuro. Mas será que realmente todos estes ritos funcionam?

Os Cinco Mandamentos da Igreja


4 - Quarto mandamento: “Jejuar e abster-se de carne, conforme manda a Santa Mãe de Igreja” (No Brasil é na Quarta-feira de cinzas e na Sexta-feira Santa).




Este jejum consiste de um leve café da manhã, um almoço leve e um lanche leve à tarde, sem mais nada no meio do dia, nem o cafézinho. Quem desejar pode fazer um jejum mais rigoroso; o obrigatório é o mínimo. Os que já tem mais de sessenta anos estão dispensados da obrigatoriedade, mas podem fazer se desejarem.


Diz o Catecismo que o jejum “Determina os tempos de ascese e penitência que nos preparam para as festas litúrgicas; contribuem para nos fazer adquirir o domínio sobre nossos instintos e a liberdade de coração (CDC, cân. 882)”.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Se Quiseres Cultivar a Paz, Preserva a Criação

1. Por ocasião do início do Ano Novo, desejo expressar os mais ardentes votos de paz a todas as comunidades cristãs, aos responsáveis das nações, aos homens e mulheres de boa vontade do mundo inteiro. Para este XLIII Dia Mundial da Paz, escolhi o tema: Se quiseres cultivar a paz, preserva a criação. O respeito pela criação reveste-se de grande importância, designadamente porque «a criação é o princípio e o fundamento de todas as obras de Deus»[1] e a sua salvaguarda torna-se hoje essencial para a convivência pacífica da humanidade. Com efeito, se são numerosos os perigos que ameaçam a paz e o autêntico desenvolvimento humano integral, devido à desumanidade do homem para com o seu semelhante - guerras, conflitos internacionais e regionais, actos terroristas e violações dos direitos humanos -, não são menos preocupantes os perigos que derivam do desleixo, se não mesmo do abuso, em relação à terra e aos bens naturais que Deus nos concedeu. Por isso, é indispensável que a humanidade renove e reforce «aquela aliança entre ser humano e ambiente que deve ser espelho do amor criador de Deus, de Quem provimos e para Quem estamos a caminho».[2]


2. Na encíclica Caritas in veritate, pus em realce que o desenvolvimento humano integral está intimamente ligado com os deveres que nascem da relação do homem com o ambiente natural, considerado como uma dádiva de Deus para todos, cuja utilização comporta uma responsabilidade comum para com a humanidade inteira, especialmente os pobres e as gerações futuras. Assinalei também que corre o risco de atenuar-se, nas consciências, a noção da responsabilidade, quando a natureza e sobretudo o ser humano são considerados simplesmente como fruto do acaso ou do determinismo evolutivo.[3] Pelo contrário, conceber a criação como dádiva de Deus à humanidade ajuda-nos a compreender a vocação e o valor do homem; na realidade, cheios de admiração, podemos proclamar com o salmista: «Quando contemplo os céus, obra das vossas mãos, a lua e as estrelas que lá colocastes, que é o homem para que Vos lembreis dele, o filho do homem para dele Vos ocupardes?» (Sl 8, 4-5). Contemplar a beleza da criação é um estímulo para reconhecer o amor do Criador; aquele Amor que «move o sol e as outras estrelas».[4]

Católico não tem superstição!


Existe em nossos dias muita confusão no plano religioso. Cresce o número de pessoas influenciadas pelas superstições, ou pela crença que algum objeto pode mudar a sua sorte, e assim procedendo tornam-se escravas da mentira. Quantos também não saem de casa sem antes ler o horóscopo. Outros para resolver os mais diferentes problemas, vão a uma cartomante. Para não falar daqueles que usam trevo de 4 folhas, figa..etc. Por trás de todas estas práticas esta uma falta da experiência de quem é o nosso maravilhoso e único Deus.




Na Bíblia aprendemos verdades poderosas sobre Deus:
Deut 15,26:
Eu sou o Deus que te cura;
Jer 31,3
amo-te com eterno amor, e por isso a ti estendi o meu favor.



Jer 33,3.6
invoca-me, e te responderei, revelando-te grandes coisas misteriosas que ignoras. Vou pensar-lhes as feridas e curá-las, e proporcionar-lhes abundância de felicidade e segurança.



Jo 3,16
Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.



É importante também saber o que nos ensina a Sagrada Escritura sobre as crendices. Dentre os inúmeros textos um é fundamental:

Deut 18,10-13




Não se ache no meio de ti quem faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha, nem quem se dê à adivinhação, à astrologia, aos agouros, ao feiticismo, à magia, ao espiritismo, à adivinhação ou â invocação dos mortos, porque o Senhor, teu Deus, abomina aqueles que se dão a essas práticas, e é por causa dessas abominações que o Senhor, teu Deus, expulsa diante de ti essas nações. Serás inteiramente do Senhor, teu Deus.

domingo, 27 de dezembro de 2009

“ÉS PRECIOSO AOS MEUS OLHOS” (Is 43,4)


Todos os dias somos chamados a sermos santos, a sermos perfeitos assim como o Pai, somos chamados a seguir o propósito de Deus. Ele bate incansavelmente em nossas portas e nós muitas vezes o recusamos, adiamos o nosso sim, não percebemos que a vontade do Senhor é de nos dar a verdadeira liberdade, ele nos ama e nós somos os seus escolhidos.



Longe da luz, que está em Jesus Cristo, vivemos acorrentados ao pecado, nos tornamos prisioneiros do mundo, trancamos de vez as portas dos nossos corações e dizemos um “não” a nossa própria vida. Ao darmos um não a cristo, na verdade que está somente n’Ele e ao darmos um sim ao pecado e a todas as imundícies do mundo recebemos em troca um salário, um salário que não queremos, mas que procuramos: A morte!



Mas quando damos sim a Jesus Cristo, quando aceitamos seus planos e quando nos deixamos ser guiados, damos um sim a vida. Tornamos-nos não mais prisioneiros do que há no mundo, mas sim prisioneiros da liberdade, do amor, e nada melhor do que estar preso às maravilhas de Deus, a cada dia renascemos, e mesmo quando há fraquezas não há desesperos, porque o Senhor está do nosso lado, nos erguendo em nossas quedas, dando-nos coragem quando sentimos medo, mostrando-nos a luz quando tudo parece escuro, enxugando nossas lágrimas quando o mundo nos faz chorar, nos dando forças pra enfrentar os desafios da vida.

AMIZADES - Juliane Magalhães!


Quantas pessoas já cruzaram nossos caminhos, quantas pessoas já trocamos pelo menos uma palavra, quantas já nos fizeram chorar, quantas outras já nos fez rir, quantas já permaneceram conosco por muito tempo e quantas outras foram embora deixando apenas a saudade, a lembrança!



As vezes nos sentimos sós, sem amigos, abandonados nas tristezas, sem ouvir uma palavra de conforto. Outras vezes nos sentimos rodeados de pessoas: cada olhar um brilho diferente, cada sorriso uma esperança, e muitas vezes nos sentimos até inferiores. Tantas vezes descarregamos nossas raivas nas pessoas a nossa volta, soltamos sapos e rãs, depois mergulhamos em lágrimas arrependidos por termos magoado quem não merecia.


Há pessoas que com uma palavra nos faz sentir fortes, com uma palavra nos anima e nos encoraja. Outras, com um sorriso ou com uma palavra sem sentido nos fazem cair na gargalhada. Outras infelizmente nos deixa tristes, sem ânimo, sem coragem. Esses ainda não existem para si mesmos, precisam ainda aprender com a vida, aprender que cada ser humano guarda dentro de si segredos, talentos, e nunca temos o direito de nos acharmos melhor, pois todos nós somos únicos, muitas vezes eu guardo um tesouro dentro de mim que só eu tenho, já outra pessoa guarda um outro tesouro que pertence somente a ela, e assim cada um brilha a sua maneira. O que falta para muitos é aprender a brilhar, é deixar a minha luz acesa e tentar acender a do meu amigo, para que juntos possamos brilhar ainda mais.

A Cabana, o livro.Heresias “requentadas”.


Até mesmo os protestantes, que não valorizam “tanto assim” a instiuição, estão criticando o livro, que continua “bombando” como o mais vendido no Brasil.

Fazendo uma pesquisa rápida na Internet vc encontrará muitas criticas ao livro.
Mesmo sabendo que é um livro de ficção, o autor realmente ultrapassou o limite do aceitável.

Depois descobri que o autor é “unitarista”.

O que é isso?
Veja como o Wilkipédia define :
“O unitarismo (ou unitarianismo) é uma corrente de pensamento teológico que afirma a unidade absoluta de Deus. Há dois ramos principais do unitarismo, os Unitários Bíblicos que consideram a Bíblia como única regra de fé e prática, assemelhando as demais religiões cristãs evangélicas, exceto, claro, pela concepção unitária de Deus, e os Unitários Universalistas, surgido recentemente nos Estados Unidos, que pregam a liberdade de cada ser humano para buscar a sua própria Verdade e a necessidade de cada um buscar o crescimento espiritual sem a necessidade de religiões, dogmas e doutrinas.




Alguém ainda tem dúvida ??

Se você quiser aprofundar mais, veja aqui no Blog a análise do livro na pespectiva católica. (busque no mecanismo de busca do próprio Blog)***

Carta de Dom Bosco aos jovens…

O demônio tem normalmente duas artimanhas principais para afastar da virtude os jovens.

A primeira consiste em persuadi-los de que o serviço de Deus exige uma vida triste sem nenhum divertimento nem prazer. Mas isto não é verdade, meus caros jovens. Eu vou lhes indicar um plano de vida cristã que poderá mantê-los alegres e contentes, fazendo-os conhecer ao mesmo tempo quais são os verdadeiros divertimentos e os verdadeiros prazeres, para que vocês possam exclamar com o santo profeta Davi: “Sirvamos ao Senhor na santa alegria”.



A segunda artimanha do demônio consiste em fazê-los conceber uma falsa esperança duma longa vida que permite converter-se na velhice ou na hora da morte. Prestem atenção, meus caros jovens, muitos se deixaram prender por esta mentira. Quem nos garante chegaremos à velhice? Se se tratasse de fazer um pacto com a morte e de esperar até então… Mas a vida e a morte estão entre as mãos de Deus que dispõe de tudo a seu bel-prazer. E mesmo se Deus lhes concedesse uma longa vida, escutai, entretanto, sua advertência: “o caminho do homem começa na juventude, ele o segue na velhice até a morte”. Ou seja, se, jovens, começamos uma vida exemplar, seremos exemplares na idade adulta, nossa morte será santa e nos fará entrar na felicidade eterna. Se, pelo contrário, os vícios começam a nos dominar desde a juventude, é muito provável que eles nos manterão em escravidão toda a nossa vida até a morte, triste prelúdio a uma eternidade terrível.

Domingo da Sagrada Família

Das Alocuções do papa Paulo VI

(Alocuções pronunciadas em Nazaré a 5 de janeiro de 1964) (Séc. XX)



Nazaré é a escola onde se começa a compreender a vida de Jesus: a escola do Evangelho.




Aqui se aprende a olhar, a escutar, a meditar e penetrar o significado, tão profundo e tão misterioso, dessa manifestação tão simples, tão humilde e tão bela, do Filho de Deus. Talvez se aprenda até, insensivelmente, a imitá-lo.


Aqui se aprende o método que nos permitirá compreender quem é o Cristo. Aqui se descobre a necessidade de observar o quadro de sua permanência entre nós: os lugares, os tempos, os costumes, a linguagem, as práticas religiosas, tudo de que Jesus se serviu para revelar-se ao mundo. Aqui tudo fala, tudo tem um sentido.


Aqui, nesta escola, compreende-se a necessidade de uma disciplina espiritual para quem quer seguir o ensinamento do Evangelho e ser discípulo de Cristo.


Ó como gostaríamos de voltar à infância e seguir essa humilde e sublime escola de Nazaré! Como gostaríamos, junto a Maria, de recomeçar a adquirir a verdadeira ciência e a elevada sabedoria das verdades divinas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

EM BUSCA DE UMA MANJEDOURA


O Menino-Deus já nasceu a 2009 anos atrás em Belém, numa manjedoura em meio a um conjunto de situações difíceis que Maria e José, infelizmente, tiveram que suportar. Tudo isso, para mostrar ao mundo que o Rei que nascera, não tinha o seu poderio em meio a estruturas de riqueza e fama e, sim, de humildade e obediência a Deus para os homens. E isso, não tira a sua soberania, uma vez que Jesus é o “Chefe dos reis da terra” (Ap ,15).




Mas, aqui estamos nós! O advento chega-se ao fim e aproxima-se o Natal do Senhor


Ele já nasceu, claro!, cumpriu sua Missão, morreu numa cruz, ressuscitou ao terceiro dia com glória e majestade (pois a pedra não foi capaz de prendê-lo no túmulo e nem as forças do inferno capaz de impedi-lo de ressuscitar), subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai, todo poderoso, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos e o seu Reino não terá fim. Mas, neste século, os cristãos renovam a Celebração do Natal e Ele faz questão de nascer de novo naqueles que abrem os seus corações.






Imaginemos o diálogo entre Deus e seu Filho, Jesus, quando este, já “estava com Deus e era Deus” (Jo 1,1), quando Deus pede: “Meu Filho, desce lá, naquela terra impura, faz-se homem, prega a Palavra, realiza milagres, prodígios e sinais, estabelece a nossa Igreja e Religião e não esquece ‘dar a tua vida’, sendo obediente até a morte e morte de cruz!”. Jesus, claro, que é a Obediência por excelência, respondeu a seu Pai, que é também, nosso Pai e nosso Deus: “Sim Papai, tornar-me-ei homem e farei o que o Senhor me falou, por amor a que, de tal maneira, nós temos pela humanidade...”

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

No Natal entre o velho e o Novo

Estamos às vésperas de mais um Natal, festa que foi transformada pouco a pouco em mero período para esquentar vendas no comércio e oportunidade para se fazer atos de solidariedade, que não poucas vezes, funcionam como desencargo de consciência frente aos inúmeros omitidos nos últimos onze meses.


Por este período a cor da vez é o vermelho e um personagem surge de todos os lugares, espelha nas vitrines, é dependurado como enfeite, é atrelado às guirlandas nas portas e mesmo sob um sol inclemente, como o do Nordeste, desafia-o com suas roupas polares contra o frio e chega inclusive a receber as chaves de cidades. Trata-se do bom velhinho de barbas brancas e longa que se tornou o símbolo oficial da grande festa do dia 25.

Notícias da Igreja

Brasil: sete sacerdotes assassinados em 1 ano

"A Igreja continuará comprometida no combate à violência e lutando pela justiça e pela paz. Mataram mais um de nossos irmãos", declarou ontem, segunda-feira, o Conselho Episcopal de Pastoral (CONSEP) da CNBB, diante da morte do padre Alvino Broering, ocorrida na segunda-feira, dia 14, em Itajaí, cidade balneária do estado de Santa Catarina. O sacerdote foi capelão da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI).

Padre Alvino foi sétimo sacerdote católico assassinado neste ano no Brasil. De fato, o comunicado do CONSEP denuncia uma "crescente violência" no país. A morte de padre Alvino soma-se ao assassinato de outros sacerdotes: do missionário comboniano em Roraima, padre Joaquim Fonseca; do Padre Ramiro Luden, de Recife; do padre Gisley Gomes Azevedo, de Brasília; do padre Ruggero Ruvoletto, Manaus; padre Evaldo Martiolo, de Caçador (Santa Catarina); e padre Hidalberto Henrique Guimarães, de Murici, estado de Alagoas.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

por Rádio Vaticano


Pastores protestantes passam para a Igreja Católica


Um fenômeno muito interessante tem acontecido nos Estados Unidos; uma grande quantidade de pastores protestantes têm se convertido ao catolicismo depois de perceberem que a Igreja Católica é a Verdadeira Igreja de Jesus Cristo, fundada sobre Pedro e os Apóstolos.




Isto é fruto do estudo profundo da doutrina católica, especialmente dos Padres da Igreja. Em sua coluna semanal, publicada no jornal da paróquia “Ascension Catholic Church” (Melbourne-FL) no dia 13.08.06, o padre Tobin abordou o tema com o artigo: “Leigos católicos deixando a Igreja, ministros protestantes se juntando à Igreja. O que está acontecendo?”

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Conheça os símbolos do Natal


O significado na força de cada um deles

Árvore de Natal


No mundo, milhões de famílias celebram o Natal ao redor de uma árvore. A árvore, símbolo da vida, é uma tradição muito antiga que segue a história da humanidade. Os relatos mais antigos que se conhecem acerca da árvore natalina datam de meados do século XVII, e são provenientes da Alsácia, província francesa.
Descrições de florescimentos de árvores no dia do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo levaram os cristãos da antiga Europa a ornamentar suas casas com pinheiros no dia do Natal, únicas árvores que permanecem verdes na neve.
Esse símbolo natalino representa o agradecimento pela vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Série:Os Cinco Mandamentos da Igreja

3 - Terceiro mandamento: “Receber o sacramento da Eucaristia ao menos pela Páscoa da ressurreição”



O período pascal vai da Páscoa até festa da Ascenção, e garante um mínimo na recepção do Corpo e do Sangue do Senhor em ligação com as festas pascais, origem e centro da Liturgia cristã (CDC, cân. 920).


Também é muito pouco Comungar ao menos uma vez ao ano. A Igreja recomenda (não obriga) a Comunhão diária.

Grupo Renascer

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

EXCLUSIVO: A tumba de Jesus ? Documentário apresentado no Discovery Channel é cientificamente inconsistente e falso.

Um documento exibido no Brasil no canal da TV cabo Discovery Channel , afirma ter identificado o túmulo onde foram enterrados Jesus Cristo, seus pais, Maria e José, e Maria Madalena.


Esse documentário apresentado no inicio deste ano na época da quaresma, voltou a ser apresentado nestes dias,claro, por causa do natal..

Intitulado The Lost Tomb of Jesus (O Túmulo Perdido de Jesus), o documentário foi produzido por James Cameron, director do filme Titanic, e pelo arqueólogo Simcha Jacobovici para o canal, com três anos de preparação. No entanto, a comunidade científica ironizou o seu conteúdo, classificando-o como “falso” e “apenas um chamariz publicitário para um futuro livro a ser lançado pelo cineasta”.O suposto túmulo, do qual originou o documentário, foi encontrado em 1980 no subúrbio de Talpiot, em Jerusalém. Na ocasião, os arqueólogos encontraram dez caixões (repositórios de ossos) e três crânios. Em alguns dos esquifes havia inscrições que foram traduzidas como “Jesus, filho de José”; “Judá, filho de Jesus”; “Mariamne”; “Maria”; “José” e “Mateus”. Testes de DNA nos resíduos dos ossos verificaram que não havia parentesco entre os ossos de Jesus e de Mariamne. Com isso, Cameron concluiu que ambos só poderiam ocupar a mesma tumba se fossem casados. Além disso, passou a defender que Mariamne seria o nome verdadeiro de Maria Madalena. Em outras palavras, o documentário de Cameron e Jacobovici tenta relacionar os nomes encontrados aos da família da Jesus e argumenta que Jesus e Maria Madalena foram casados e tiveram um filho (Judá).


A ORIGEM DO PRESÉPIO

Os primeiros presépios surgiram no século XVI, na Itália.




Data de 1567 o primeiro presépio feito numa casa particular, a da Duquesa de Amalfi, que tinha 116 figuras para representar o nascimento de Jesus, a adoração dos Reis Magos e muitas outras cenas. Até ao século XVIII eram sobretudo as cortes que tinham presépios, feitos por artistas famosos.


No entanto, a celebração do nascimento de Cristo vem dos finais do século III, quando os peregrinos visitavam a gruta em que nasceu, em Belém. Pinturas, relevos e frescos ilustram, desde o século XIV, o nascimento de Jesus. E a primeira réplica da gruta onde teve lugar foi feita em Roma, três séculos mais tarde.


Em 1223 São Francisco de Assis, em vez de festejar a véspera de Natal na Igreja, como era hábito, fê-lo na floresta de Greccio. Mandou transportar para o local uma manjedoura, um boi e um burro, para melhor explicar a cerimónia às pessoas. Por isso é, muitas vezes, visto como o autor do presépio.





São Nicolau e a lenda do Papai Noel


A generosidade atribuída a São Nicolau granjeou-lhe a reputação de milagreiro e distribuidor de presentes, identificado em vários países com a figura mítica do Papai Noel.




A existência de Nicolau de Bari, ou Nicolau de Mira, nunca foi comprovada por documentos, mas supõe-se que tenha sido bispo de Mira, na Anatólia, no século IV. Preso em Roma pelo imperador Diocleciano, implacável perseguidor dos cristãos, teria sido depois libertado por Constantino o Grande e participado do primeiro Concílio de Nicéia.




domingo, 20 de dezembro de 2009

Liturgia do Domingo


IV Domingo do Advento (Ano C)
TEMA


Nestes últimos dias antes do Natal, a mensagem fundamental da Palavra de Deus gira à volta da definição da missão de Jesus: propor um projecto de salvação e de libertação que leve os homens à descoberta da verdadeira felicidade.


O Evangelho sugere que esse projecto de Deus tem um rosto: Jesus de Nazaré veio ao encontro dos homens para apresentar aos prisioneiros e aos que jazem na escravidão uma proposta de vida e de liberdade. Ele propõe um mundo novo, onde os marginalizados e oprimidos têm lugar e onde os que sofrem encontram a dignidade e a felicidade. Este é um anúncio de alegria e de salvação, que faz rejubilar todos os que reconhecem em Jesus a proposta libertadora que Deus lhes faz. Essa proposta chega, tantas vezes, através dos limites e da fragilidade dos “instrumentos” humanos de Deus; mas é sempre uma proposta que tem o selo e a força de Deus.
A primeira leitura sugere que este mundo novo que Jesus, o descendente de David, veio propor é um dom do amor de Deus. O nome de Jesus é “a Paz”: Ele veio apresentar uma proposta de um “reino” de paz e de amor, não construído com a força das armas, mas construído e acolhido nos corações dos homens.
A segunda leitura sugere que a missão libertadora de Jesus visa o estabelecimento de uma relação de comunhão e de proximidade entre Deus e os homens. É necessário que os homens acolham esta proposta com disponibilidade e obediência – à imagem de Jesus Cristo – num “sim” total ao projecto de Deus.






sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Que tempo é o meu diante de Deus?

Com nossas escolhas colaboramos ou atrapalhamos seu processo natureza, todos os dias, nos ensina lições importantes e uma delas é este processo de saber respeitar o tempo certo para cada coisa. Sou aprendiz da natureza desde criança e cada vez mais surprendo-me com seus ensinamentos.



Perto de onde trabalho existem muitas árvores de uma espécie comum aqui na Europa. São em geral bem altas e frondosas; por intermédio delas é fácil perceber as mudanças da natureza em cada estação do ano. Na primavera esbanjam beleza em sua folhagem verde e abundante; no verão trazem sombra fresca e acolhimento aos caminhantes. Quando chega o outono, suas folhas mudam de cor, colorindo a paisagem com um amarelo avermelhado que chama atenção mesmo a longas distâncias, mas depois elas caem forrando o chão como se fosse um tapete natural. É lindo, mas sinto pena de vê-las caírem enquanto a árvore vai ficando cada dia mais descoberta e pobre. É assim que passam todo o inverno, até nascerem novos brotos e recomeçar o processo.

Pe. Zezinho


DECLARAR-SE UM GRANDE NADA




Uma humilde moça que, diante das câmeras, dizia: -“Eu não sou nada, não valho nada, não sou ninguém diante do Cristo”, estava dizendo algo bonito e encantador, mas não fazia teologia correta. Cristãos não têm o direito de se expressar dessa forma, até porque nós valemos, sim, valemos muito e, apesar de nossos defeitos e pecados, somos alguém.

Deus nos fez e nos deu valor.

Não nos teria criado, para sermos como a pedra. E até mesmo a pedra acrescenta valores. Por isso falamos em pedras preciosas. Corre por aí um exercício falso, errôneo de humildade, da pessoa que, desejosa de mostrar seus limites e seus pecados, teima em dizer que não é nada e ninguém, o que não deixa de ser um ato de ingratidão contra Deus, porque Ele é alguém e criou pessoas para ser alguém.Humilhar-se à nulidade é desdenhar da obra de Deus.

Casamento pode ser o melhor para a saúde mental, indica estudo.


O casamento pode reduzir os riscos de depressão e distúrbios da ansiedade, segundo estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia. Mas, de acordo com os autores, seu fim pode representar um grande problema para a saúde mental das pessoas. “A relação marital oferece muitos benefícios para a saúde mental para homens e mulheres, mas o desconforto e a perturbação associados ao fim do casamento podem fazer as pessoas mais vulneráveis ao desenvolvimento de transtornos mentais”, destacaram os autores.


Avaliando mais de 34 mil pessoas de 15 países diferentes, os pesquisadores descobriram que o fim de um casamento, seja pelo divórcio ou por morte do cônjuge, está associado a um aumento nos riscos de distúrbios de saúde mental, com as mulheres sendo mais propensas a abusar de drogas – incluindo álcool e medicamentos –, e os homens a se tornarem depressivos. Os resultados indicaram também que os casados correm menos riscos de problemas com ansiedade e depressão do que os solteiros.O estudo mostrou ainda algumas diferenças de gênero em seus resultados. Uma delas é que os homens seriam menos propensos do que as mulheres a terem depressão no primeiro casamento – um fator que os pesquisadores associam aos papéis tradicionais dentro de casa, com as mulheres mais escolarizadas tendo menores taxas da doença. E outra diferença apontada é que o casamento reduz, mais entre as mulheres, o risco de abuso de substâncias – fator associado novamente ao papel tradicional da mulher, de principal cuidadora dos filhos pequenos.

Amor de Deus é com "A" maiúsculo, diz Bento XVI

Que sabedoria nasce em Belém? Essa foi a pergunta que o Papa Bento XVI dirigiu aos universitários reunidos no Vaticano para a recitação solene das Vésperas, no primeiro dia da novena de Natal, nesta quinta-feira, 17.

"O que nasce em Belém é a Sabedoria de Deus, um desígnio divino que permaneceu por muito tempo escondido e que o próprio Deus revelou na história da salvação. Na plenitude dos tempos, esta Sabedoria assumiu uma face humana, a face de Jesus", explicou o Santo Padre.


E complementou dizendo que o paradoxo cristão consiste justamente na identificação da Sabedoria divina, ou seja, o "Logos eterno", com o homem Jesus de Nazaré e com a sua história. "A única solução para este paradoxo está na palavra 'Amor', que deve ser escrita com o 'A' maiúsculo, por se tratar de um Amor que supera infinitamente as dimensões humanas e históricas. E é este amor que um professor cristão, ou um jovem estudante cristão, leva dentro de si".







quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Pe. Zezinho, scj


CRENTES CIUMENTOS

Impressiona-me o número dos crentes ciumentos que tomaram conta de nossas igrejas nos últimos anos. Crente é aquele que afirma crer em Deus e, no caso dos cristãos, aceitar Jesus como seu Senhor. Causa tristeza ver como se dissemina rapidamente entre crentes católicos e pentecostais essa atitude de filhos ciumentos. Os e-mails que recebo, as cartas que chegam às nossas redações, os telefonemas e as pregações nos púlpitos, no rádio e na televisão não deixam margem a dúvidas. Voltou o episódio de Josué de Nun diante de Moisés por causa de Eldad e Meldad (Nm 11, 25 - 29) que quis calar a boca de quem não era do seu grupo e de João que também mandou calar alguém que expulsava demônios e não era do seu grupo (Mc 9, 38).


Há pentecostais, messiânicos, católicos e evangélicos proibindo seus fiéis de se encontrarem com gente de outra igreja, de dialogar, de cantar juntos e de elogiar o que há de bonito nos outros. Apossaram-se da verdade, do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ninguém mais deve falar em nome deles. Eles, sim! Seus livros, seus cantos, seus cultos, seus pregadores, suas mensagens são de Deus. As dos outros são de satanás. Chega-se ao extremo de um pastor desinfetar uma igreja e voltar a consagrá-la porque lá se cantou uma canção de um católico. Não ficam atrás alguns evangélicos e católicos que se negam a subir no palco com gente de outra igreja. Quando sobem, não se cumprimentam nem se confraternizam. Não têm o que dizer um ao outro. Deus já lhes disse tudo! O que teriam a aprender com os outros? Elogiar o quê? Por que? E se alguém canta junto com alguém de outra igreja é duramente repreendido! Que tipo de cristianismo é esse?

Moisés mandou matar quem cometera idolatria e Isaías mandou matar os padres de Baal que ele derrotara. Muita gente foi morta por crer diferente. Mas Jesus elogiou o centurião romano, a mulher de Canaan, dialogou com a mulher samaritana, Paulo foi ao Areópago e não chutou nenhuma imagem. Antes, elogiou a fé daqueles homens, mesmo discordando deles. E então, respeitoso, falou do Deus único! Mais ainda: Jesus disse que tinha ovelhas que não eram do seu rebanho, e criticou o ciúme religioso dos fariseus, condenando, em parábola um levita e um sacerdote hebreus insensíveis e elogiando um samaritano. Elogiou em parábola um publicano e condenou um fariseu que pagava dízimo e se declarava mais religioso do que o outro. O mesmo Jesus mandou amar os inimigos e fazer o bem aos que nos odeiam. Deixou claro que Deus é pai de todos.


Cresce busca por religião na internet em todo o mundo


Religião não é mais assunto apenas para igrejas, sinagogas ou mesquitas – é um tema que está sendo pesquisado ativamente pela internet, de acordo com pesquisadores da Universidade do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos.


Os pesquisadores examinaram como as pessoas usam os sites de busca para localizar informações religiosas online.

Eles analisaram mais de 5,5 milhões de buscas feitas, em inglês, em três sites de pesquisa na web, entre 1997 e 2005, para investigar as características das pesquisas feitas sobre temas religiosos.



quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

RCC Brasil lança WebTV

A Renovação Carismática Católica do Brasil está dando um grande passo em sua missão evangelizadora. Na quarta-feira, dia 16 de dezembro, a partir das 20h, a RCC transmitirá de seu portal na internet o primeiro programa de WebTV: o “Eu Amo a RCC”.

Segundo o presidente do Conselho Nacional da RCC, Marcos Volcan, a WebTV tem como objetivo utilizar a nova tecnologia da internet para evangelizar através dos meios de comunicação, levando os direcionamentos e as profecias que estão no coração da Renovação Carismática Católica, ou seja, aquilo que faz parte dos seus projetos e que deve ser partilhado com todos aqueles que amam e simpatizam com o Movimento.


Com uma programação interativa, a WebTV da RCC Brasil vai permitir que o internauta assista aos programas quando e quantas vezes quiser (conteúdo ‘on demand’). Na WebTV, você poderá conferir pregações, coberturas de eventos, formação e muito mais.O programa Eu Amo a RCC


Série:Os Cinco Mandamentos da Igreja

2 - Segundo mandamento: “Confessar-se ao menos uma vez por ano”.




Assegura a preparação para a Eucaristia pela recepção do sacramento da Reconciliação, que continua a obra de conversão e perdão do Batismo (CDC, cân. 989).

É claro que é pouco se Confessar uma vez ao ano, seria bom que cada um se Confessasse ao menos uma vez por mês, fica mais fácil de se lembrar dos pecados e ter a graça para vencer os pecados.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Os Três Reis Magos

Também chamados dos Três Homens Sábios
Três homens sábios vindos do Leste, chamados de Magos os quais seguiram a estrela para Belém, em Israel para encontrar Jesus. Eles eram provavelmente Medes da "clã" de Magnus da antiga Babilônia ( moderno Iraque) e eram excepcionais astrônomos. Os Reis Magos anunciaram a sua presença ao Rei Herodes antes seguirem para o local do nascimento de Jesus e oferecerem presentes de ouro, incenso e mirra ao Divino Infante. Avisados por um anjo, em sonhos durante os sono ele retornaram ao seu país por uma rota diferente de modo a evitar o Rei Herodes que suspeitavam de suas intenções malignas. No sexto século, devido a pesquisas mais acuradas, passaram a serem considerados reis de três diferentes raças.


Seus nomes Baltazar, Gaspar e Belchior (em alguns países este ultimo é chamado de Melchior) foram atribuídos a eles no século oitavo, segundo alguns estudiosos, devido a uma visão de um santo. Suas relíquias estão em um santuário em Colonha, na Alemanha.



Série: Falsas Doutrinas


SATANISMO E A DOMINAÇÃO MUNDIAL
Por Padre Inácio Vale

“Satanás é um ser vivo, espiritual, pervertido e perverso, o inimigo número um, o tentador por excelência; um ser obscuro e perturbador, que existe verdadeiramente e que com traiçoeira astúcia está ainda agindo”.
Papa Paulo VI - Audiência Geral de 15/11/1972

É assustador a atuação destruidora de Satanás no panorama mundial via: os meios de comunicações, literaturas de auto-ajuda, Nova Era, crises econômicas, o ocultismo, xamanismo, pseuda-ciência, fome, guerra, terrorismo, doenças, ameaças de uma guerra nuclear, medo das armas de destruição de massa, degradação do meio ambiente, manipulação da ciência e a tecnologia, a indústria alienante da informação, banalidade da violência e das drogas, corrupção desenfreada, relativismo da verdade, impunidade descarada, perda do senso moral e da ética, desagregação familiar, homossexualismo e a sua principal máquina de guerra: rede de igrejas satânicas e congêneres. Vou assim usar nesse artigo informações valiosas do renomado pesquisador e autor da grande obra “O Anticristo-Poder oculto por trás da Nova Ordem Mundial”, da editora Ave-Maria, do holandês Robin de Ruiter.



GRANJAS HUMANAS


Anton LaVey foi o agente de publicidade encarregado de dar ao satanismo uma boa imagem. LaVey já pertencia ao satanismo antes dos anos 60, mas não foi senão em 30 de abril de 1966 que fundou a Igreja de Satã em São Francisco, EUA. Não só Jane Mansfield foi uma grande sacerdotisa dessa igreja, mas também Marilyn Monroe, que participou dos rituais satânicos de LaVey, mesmo antes que ele fundasse sua Igreja de Satã. Para fazer felizes a Satanás e seus demônios, os seguidores desses cultos os adoram dos modos mais violentos que se possam inventar. Entre suas cerimônias incluem a violação de virgens adolescentes, orgias sexuais, abuso desonesto e sacrifícios de animais e de humanos. Alguns elementos do ritual satânico, como a adoração do demônio e os sacrifícios humanos ou de animais, parecem tão incríveis aos que não estão familiarizados com estes crimes, que fazem com que diminua a credibilidade das vítimas. Aleister Crowley um dos fundadores do culto satânico, escreveu o seguinte em seu livro The Book of Law: "Para quase todos os propósitos, o melhor sacrifício é o de um menino varão de inocência perfeita e grande inteligência". Um Príncipe Negro (bruxo satanista negro) calculou que nos Estados Unidos se realizam cada ano de 40 a 60 mil sacrifícios humanos. (Entrevista do Dr. AI Carlisle a um Príncipe Negro gravada em Stattford. Satan's Underground. 1990,144.) Em muitos países existem "granjas humanas", onde se descobriram be­bês desde 11 dias até quatro meses de idade, para prover os sacrifícios humanos. Na Califórnia dezenas de "centros para cuidado diurno" são investigados a cada ano por entregar crianças confiadas a seus cuidados para sacrifícios sa­tânicos. No condado de Los Angeles referiram-se 800 denúncias de abuso ritual que envolviam 64 escolas e jardins da infância, bem como 27 dos arredores.




SEITAS DESTRUIDORAS


Um dos fins principais dos iluminados é a promoção do ocultismo. Nas programações de quase todos os canais de televisão incluem-se programas dedicados ao ocultismo, astrologia, parapsicologia, magia, bruxaria, feitiçaria e espiritismo. Embora estes termos não devam ser colocados sob uma mesma perspectiva, não obstante o diabo está na origem de todas essas manifestações. Atualmente as publicações ocultistas são mais abundantes do que nunca, aumentam dia a dia, estão em cada esquina e se exibem em todos os mostruários. A produção dessas publicações está nas mãos dos iluminados. Por exemplo, David Rockefeller está no conselho de administração de Cadence Industries, proprietária de Marvel Comics. Esse editor difunde entre os jovens o ocultismo e heróis tais como "O Filho de Satã". David Rockefeller também faz parte da administração do Lucis Trust (Lucifer' s Trust). O livro do Lucis Trust, Externalisation of the Hierarchy, nos afirma, entre outras coisas, que Satanás é o dono do mundo e que Lúcifer é seu governador.


A revista francesa Le Point publicou, em 1993, que já há muitos anos os advogados das diversas seitas destrutivas trabalham juntos em casos judiciais em que as mesmas são objetos de demandas. A mesma revista informou que durante uma reunião, em 1992, de diferentes representantes das diversas seitas foi fundada na França uma federação chamada Firephim (Federação das Minorias Religiosas e Filosóficas), uma organização para defender os direitos das seitas.




Advento tempo de Reconciliação

O tempo do advento, que na liturgia da Igreja, indica o tempo de preparação para a recordação do nascimento de Jesus Cristo, é o momento propício para uma completa revisão de nossa vida, confrontando-a com a mensagem do Evangelho.




O Natal, assim, não pode ser, apenas, uma festa capitalista do consumo, pois, a singeleza do presépio fala muito mais de pobreza, doação, renuncia e compromisso com tudo o que a pessoa de Jesus Cristo significa.


Então, assim pensando, o Natal é tempo de reconciliação, consigo mesmo, frente aos valores evangélicos, acaso esquecidos e com os irmãos, tempo de perdão, paz, fraternidade, solidariedade.



segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Crianças medrosas. Como superar?


Há medos instintivos: como a galinha foge ao ver pela primeira vez a raposa, o homem recua diante do que lhe representa perigo. Quando o perigo é determinado e conhecido, o medo revigora o homem para a luta ou para a fuga. Quando, porém, a pessoa teme sem saber ao certo o que nem porque, não tendo para onde fugir, toma o tormentoso caminho da angústia.




É instintivamente que as crianças de dois meses estremecem com ruídos súbitos ou com uma luz mais viva que de repente se acende. E mais tarde choram em face de um desconhecido, correm de animais, recuam ante o fogo, gritam quando as suspendem bruscamente ou as giram, etc.




O que rege o seu futuro?

A superstição é o desvio do sentimento religioso

Sempre que se aproxima o final do ano, e um novo se aproxima, renovam-se as esperanças e cada um procura começar com o ano novo um tempo novo. Isso é bom e é possível, mas é necessário que isso seja feito por um caminho reto. Não há felicidade e paz se trilharmos um caminho errado, onde não habita a verdade, a justiça e o amor; onde não está Deus.


Infelizmente, muitos buscam nas fantasias e nas superstições o socorro para os seus males, de maneira mágica e vazia. Depois se decepcionam, porque a fantasia se esvai como a fumaça que sobe ao vento.


O Catecismo da Igreja Católica (CIC) nos ensina que:

“A superstição é o desvio do sentimento religioso e das práticas que ele impõe. Pode afetar também o culto que prestamos ao verdadeiro Deus, por exemplo: quando atribuímos uma importância de alguma maneira mágica a certas práticas, em si mesma legítimas ou necessárias. Atribuir eficácia exclusivamente à materialidade das orações ou dos sinais sacramentais, sem levar em conta as disposições interiores que exigem, é cair na superstição (cf. Mt 23, 16-22). A superstição é um desvio do culto que rendemos ao verdadeiro Deus. Ela mostra-se particularmente na idolatria, assim como nas diferentes formas de adivinhação e de magia” (CIC §2111/2).




domingo, 13 de dezembro de 2009

Liturgia do Domingo


O tema deste 3º Domingo pode girar à volta da pergunta: “e nós, que devemos fazer?” Preparar o “caminho” por onde o Senhor vem significa questionar os nossos limites, o nosso egoísmo e comodismo e operar uma verdadeira transformação da nossa vida no sentido de Deus.

O Evangelho sugere três aspectos onde essa transformação é necessária: é preciso sair do nosso egoísmo e aprender a partilhar; é preciso quebrar os esquemas de exploração e de imoralidade e proceder com justiça; é preciso renunciar à violência e à prepotência e respeitar absolutamente a dignidade dos nossos irmãos. O Evangelho avisa-nos, ainda, que o cristão é “baptizado no Espírito”, recebe de Deus vida nova e tem de viver de acordo com essa dinâmica.

A primeira leitura sugere que, no início, no meio e no fim desse “caminho de conversão”, espera-nos o Deus que nos ama. O seu amor não só perdoa as nossas faltas, mas provoca a conversão, transforma-nos e renova-nos. Daí o convite à alegria:

Deus está no meio de nós, ama-nos e, apesar de tudo, insiste em fazer caminho connosco.

A segunda leitura insiste nas atitudes correctas que devem marcar a vida de todos os que querem acolher o Senhor: alegria, bondade, oração.



Série: Os Cinco Mandamentos da Igreja


Uma coisa que muitos católicos não sabem - e por isso não cumprem - é que existem os “Cinco Mandamentos da Igreja”, além dos Dez Mandamentos. Eles não foram revogados pela Igreja com o novo Catecismo de João Paulo II (1992). É preciso entender que Mandamento é algo obrigatório para todos os católicos, diferente de recomendações, conselhos, etc.



Cristo deu poderes à Sua Igreja para estabelecer normas para a salvação do povo. Ele disse aos Apóstolos:

“Quem vos ouve a mim ouve, quem vos rejeita a mim rejeita, e quem me rejeita, rejeita Aquele que me enviou” (Lc 10,16).



“Em verdade, tudo o que ligardes sobre a terra, será ligado no Céu, e tudo o que desligardes sobre a terra, será também desligado no Céu.” (Mt 18,18)



Então, a Igreja legisla com o “poder de Cristo”, e quem não a obedece, não obedece a Cristo, e em conseqüência, ao Pai.



Para a salvação do povo, então, a Igreja estabeleceu Cinco obrigações que todo católico têm de cumprir, conforme ensina o Catecismo da Igreja. Ele diz:

“Os mandamentos da Igreja situam-se nesta linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta. O caráter obrigatório dessas leis positivas promulgadas pelas autoridades pastorais tem como fim garantir aos fiéis o mínimo indispensável no espírito de oração e no esforço moral, no crescimento do amor de Deus e do próximo.” (§2041)



Note que o Catecismo diz que isto é o “mínimo indispensável” para o crescimento na vida espiritual; podemos e devemos fazer muito mais, pois isto é apenas o mínimo obrigado pela Igreja. Ela sabe que como Mãe, tem filhos de todos os tipos e condições, portanto, fixa, sabiamente, apenas o mínimo necessário, deixando que cada um, conforme a sua realidade, faça mais. E devemos fazer mais.



1 – Primeiro mandamento da Igreja: “Participar da missa inteira nos domingos e outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho”.



Ordena aos fiéis que santifiquem o dia em que se comemora a ressurreição do Senhor, e as festas litúrgicas em honra dos mistérios do Senhor, da santíssima Virgem Maria e dos santos, em primeiro lugar participando da celebração eucarística, em que se reúne a comunidade cristã, e se abstendo de trabalhos e negócios que possam impedir tal santificação desses dias (CDC, cân. 1246-1248). (§2042)



Os Dias Santos – com obrigação de participar da missa, são esses, conforme o Catecismo:

“Devem ser guardados [além dos domingos] o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania (domingo no Brasil), da Ascensão (domingo) e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi), de Santa Maria, Mãe de Deus (1º de janeiro), de sua Imaculada Conceição (8 de dezembro) e Assunção (domingo), de São José (19 de março), dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo (domingo), e por fim, de Todos os Santos (domingo)” (CDC, cân. 1246,1; n. 2043 após nota 252). (§2177)



Vigiai: Cristo virá de novo

Santo Efrém, diácono e doutor da Igreja, séc. IV


Para impedir que os discípulos o interrogassem sobre o momento de sua vinda, disse-lhes Cristo: Aquela hora ninguém a conhece, nem os anjos nem o Filho. Não vos compete saber o tempo e o momento (cf. Mc 13,32-33). Ocultou-nos isso para que ficássemos vigilantes e cada um de nós pudesse pensar que esse acontecimento se daria durante a nossa vida. Se tivesse revelado o tempo de sua vinda, esta deixaria de ter interesse e não seria mais desejada pelos povos da época em que se manifestará. Ele disse que viria, mas não declarou o momento e por isso as gerações e todos os séculos o esperam ardentemente.


Embora o Senhor tenha dado a conhecer os sinais de sua vinda, não se vê exatamente o último deles, pois numa mudança contínua, esses sinais apareceram e passaram e, por outro lado, ainda perduram. Sua última vinda será igual à primeira.

Os justos e os profetas o desejavam, pensando que se manifestaria em seu tempo; do mesmo modo, cada um dos fiéis de hoje deseja recebê-lo em sua época, pois ele não disse claramente o dia em que viria. E isto sobretudo para ninguém pensar que está submetido a uma determinação e hora, ele que domina os números e os tempos. Como poderia estar oculto àquele que descreveu os sinais de sua vinda, o que ele próprio estabeleceu? O Senhor pôs em relevo esses sinais para que, desde o primeiro dia, os povos de todos os séculos pensassem que ele viria no próprio tempo deles.



Permanecei vigilantes porque, quando o corpo dorme, é a natureza que nos domina e nossa atividade é então dirigida não por nossa vontade, mas pelos impulsos da natureza. E quando a alma está dominada por um pesado torpor, como por exemplo a pusilanimidade ou a tristeza, é o inimigo que a domina e a conduz, mesmo contra a sua vontade. Os impulsos dominam a natureza e o inimigo domina a alma.



Por isso. O Senhor recomendou ao homem a vigilância tanto da alma como do corpo: ao corpo, para que se liberte da sonolência; e à alma, para que se liberte da indolência e pusilanimidade. Assim diz a Escritura: Vigiai, justos (cf. 1Cor 15,34); e também: Despertei e ainda estou contigo (cf. S1 138,18); e ainda: Não desanimeis (cf. Jo 16,33). Por isso não desanimamos no exército do ministério que recebemos (2Cor 4,1).



(Do Comentário sobre o Diatéssarom, Cap. 18,15-17, SCh 121,325-328)






sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Nossa Senhora de Guadalupe - 12 de Dezembro

A importância das aparições

Em 1531, os missionários espanhóis franciscanos e dominicanos evangelizavam os índios maias e astecas no México, e tinham muita dificuldade nessa missão porque esses índios eram idólatras e ofereciam aos seus muitos deuses sacrifícios humanos de milhares de rapazes e de virgens, nos altos das muitas pirâmides que podem ser visitadas ainda hoje no México. Um sacerdote cortava fora o coração de vítima, com uma faca de pedra pouco afiada e o oferecia aos deuses.



Nesse ano a Virgem Mãe de Deus apareceu ao piedoso índio São João Diego, na colina de Tepeyac, perto da capital do México. Com muito carinho ela pediu que ele fosse ao bispo pedir-lhe que nesse lugar construísse um Santuário em sua honra. D.João de Zumárraga, primeiro bispo do México, franciscano, vindo da Espanha, retardou a resposta a fim de averiguar cuidadosamente o ocorrido. Quando o índio, movido por uma segunda aparição e nova insistência da Virgem, renovou suas súplicas entre lágrimas, ordenou-lhe o bispo que pedisse a Nossa Senhora um sinal de que a ordem vinha realmente da grande Mãe de Deus.


Então Nossa Senhora enviou ao Bispo o conhecido sinla milagroso das rosas. Ela disse ao índio: “Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é o meu embaixador e merece a minha confiança… Quando chegar diante do Bispo, desdobre a sua tilma” (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém só na presença do bispo. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu, nada omitindo…”




DEUS É FIEL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VISITANTE N°