sexta-feira, 17 de março de 2017

Você sabe quais são os critérios utilizados para definir as datas dos santos?

Vamos começar com um pouco de História. Há muitos, muitos séculos, quando o Cristianismo estava em seu início e ninguém tinha em mente um conceito como o do calendário litúrgico, a Eucaristia começou a ser celebrada sobre as sepulturas dos mártires, de modo a venerar a memória deles. Para isso, era escolhido, com bastante lógica, o aniversário de morte, que era chamado de dies natalis. Mas o “nascimento” aqui era, na realidade, o nascimento para a vida eterna, a glória.

O dies natalis – o aniversário de morte – continuou sendo ao longo dos séculos (e ainda é) o principal critério para definir o dia de cada santo.

No entanto, nem sempre é possível utilizar este critério. Em alguns casos, esta data não é conhecida com exatidão. Em outros, coincide com datas de solenidades especiais, que convém não misturar com outras celebrações.

O que se faz, então, é buscar uma data apropriada, atendendo a várias circunstâncias. O principal ponto é levar em conta os calendários locais. Explico: muitos santos são venerados em âmbitos reduzidos – uma diocese ou um país – antes de serem considerados santos pela Igreja universal. Depois da canonização, a dada usada localmente é transferida para o calendário universal.

Outros critérios também se podem utilizar, como os sucessos de particular importância na vida do santo em questão. Por exemplo: quando se trata de um Papa, pode ser o aniversário do dia de sua eleição. É o caso de são João Paulo II, já que 2 de Abril, dia em que ele faleceu, é uma data em que, na maioria dos anos, coincide com as celebrações da Semana Santa ou da Páscoa.

12 motivos para confiar nossas súplicas a São José



Amado São José!

Do abismo da minha pequenez, ansiedade e sofrimento, eu te contemplo com emoção e alegria no céu, mas também como pai dos órfãos sobre a terra, consolador dos tristes, amparo dos desvalidos, regozijo e amor dos teus devotos perante o trono de Deus, do teu Jesus e de Maria, tua santa Esposa.

Por isso, pobre e necessitado, a ti dirijo hoje e sempre as minhas lágrimas, meus rogos e clamores da alma, meus arrependimentos e esperanças; e hoje, especialmente, trago a ti uma dor para que alivies, um mal para que remedies, uma desgraça para que impeças, uma necessidade para que socorras, uma graça para que obtenhas para mim e para as pessoas que amo.

E durante trinta dias contínuos te pedirei, em reverência aos trinta anos que viveste na terra com Jesus e Maria, e te pedirei, urgente e confiadamente, invocando as diversas etapas e sofrimentos da tua vida. Sobram-me motivos para ter a confiança de que não tardarás em ouvir o meu pedido e remediar minha necessidade; tão firme é minha fé na tua bondade e poder que tenho certeza de que me conseguirás o que preciso e até mais do que te peço e desejo.

1 – Peço-te pela bondade divina que levou o Verbo Eterno a se encarnar e nascer na pobre natureza humana, como Deus de Deus, Deus Homem, Deus do Homem, Deus com o Homem.

2 – Suplico-te pela tua obediência ao Espírito ao não abandonares Maria, mas tomá-la como esposa e ao seu filho como teu, tornando-te pai adotivo de Jesus e protetor de ambos.

O padre brasileiro que foi morar no lixão para resgatar as pessoas jogadas no lixo

O padre brasileiro Airton Freire de Lima nasceu em 1955 na cidade de São José do Egito, Pernambuco, e, ainda jovem, foi estudar em Recife: desenho e arquitetura, teologia e psicologia.

Ordenado diácono em 8 de dezembro de 1981 – dia da Imaculada Conceição – e sacerdote em 13 de fevereiro de 1982, foi designado pároco em Arcoverde, no agreste pernambucano, onde, poucos meses depois, a convite de um grupo de jovens, veio a conhecer um local da cidade que era usado como depósito de lixo.

E o lixo que encontrou ali foi chocante. No meio dele, famílias inteiras não apenas catavam lixo para a subsistência como também moravam no lixão, como se elas próprias fossem “lixo humano” descartado ao léu: jogadas fora, à própria sorte, elas se “alimentavam” dos restos de comida achados no lixo e das esmolas que pediam nas ruas; elas “viviam” em barracos de papelão ou de lata, sem água, sem sanitários, sem luz elétrica, sem rua pavimentada, sem escola, sem assistência médica; elas viviam à margem da sociedade, inclusive da assim chamada sociedade cristã.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Bispo comenta tema da CF 2017, sobre biomas brasileiros

cartaz-da-campanha-da-fraternidade-2017
Dom Leonardo Steiner diz que a encíclica do Papa Francisco sobre meio ambiente motivou escolha do tema

É lançada nesta Quarta-Feira de Cinzas, 1º, a Campanha da Fraternidade (CF), uma iniciativa anual da Igreja Católica no Brasil e que envolve toda comunidade com diversas ações pastorais. Este ano, o tema é “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida’ e o lema ‘Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15) e busca alertar a população para os cuidados com Criação, de modo especial, com os seis biomas que compõem o Brasil.

De acordo o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Ulrich Steiner, bispo auxiliar de Brasília (DF), a proposta do tema é enfatizar as belezas e diversidades de cada bioma brasileiro, criando uma relação da vida com a cultura de cada povo que habita esses lugares.

“Nós já tínhamos pedido para tratar sobre o bioma cerrado, a três anos atrás, e tendo diante de nós a Laudato Si, o Conselho Pastoral resolveu escolher a realidade dos seis biomas brasileiros e dos povos que habitam esses biomas”, disse.

O bispo acrescenta que a Encíclica do Papa Francisco, “Laudato Si, sobre o cuidado da Casa Comum”, foi o principal motivo na definição do tema, já que o Pontífice sempre manifesta sua preocupação com o cuidado com a Terra. Em uma de suas homilias, o Santo Padre afirmou que Deus trabalha a favor de sua criação e que é dever de cada um responder com responsabilidade a Ele.

Papa Francisco convida à defesa da criação em mensagem pela Campanha da Fraternidade

O Papa Francisco enviou uma mensagem por ocasião do lançamento da Campanha da Fraternidade 2017, no Brasil, na qual recorda que o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida” é um convite à defesa da criação.

“O objetivo da Campanha da Fraternidade deste ano, inspirado na passagem do Livro do Gênesis (cf. Gn 2,15), é cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho”, afirma o Pontífice, em referência ao lema deste ano que é “Cultivar e guardar a criação”.

O Santo Padre lembra ainda que, “todos os anos, a Campanha da Fraternidade acontece no tempo forte da Quaresma”. Nesse sentido, assinala que se trata “de um convite a viver com mais consciência e determinação a espiritualidade pascal”.

“A comunhão na Páscoa de Jesus Cristo – acrescenta – é capaz de suscitar a conversão permanente e integral, que é, ao mesmo tempo, pessoal, comunitária, social e ecológica”.

Confira a seguir a mensagem completa do Papa Francisco:

Queridos irmãos e irmãs do Brasil!

Papa: Quaresma, período de penitência finalizado a nos renovarmos em Cristo

Dando continuidade ao ciclo de catequeses sobre a Esperança, o Papa Francisco refletiu nesta Quarta-feira de Cinzas (01/03) sobre a “Quaresma, caminho de esperança”.

Às cerca de 10 mil pessoas presentes na Praça São Pedro, o Pontífice se dirigiu lembrando que a Quaresma é um tempo de preparação para a Páscoa. Nestes quarenta dias, o Senhor nos chama a sair de nossas trevas e a encaminharmo-nos rumo a Ele, que é a Luz. Quaresma é período de penitência finalizado a nos renovarmos em Cristo, a renascermos ‘do alto’, do amor de Deus. E é por isso – explicou – que a Quaresma é, por natureza, tempo de esperança.

Neste sentido, é preciso olhar para a experiência do Êxodo do povo de Israel, que Deus libertou da escravidão do Egito por meio de Moisés, e guiou durante quarenta anos no deserto até entrar na Terra da liberdade.

Foi um período longo e conturbado, cheio de obstáculos, disse Francisco:

“Simbolicamente dura 40 anos, ou seja, o tempo de vida de uma geração. Muitas vezes, o povo, diante das provações do caminho, sente a tentação de voltar ao Egito. Mas o Senhor permanece fiel e guiado por Moisés, chega à Terra prometida: venceu a esperança. É precisamente um ‘êxodo’, uma saída da escravidão para a liberdade. Cada passo, cada fadiga, cada provação, cada queda e cada reinício… tudo tem sentido no âmbito do desígnio de salvação de Deus, que quer para seu povo a vida e não a morte; a alegria e não a dor”.

Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2017

A Palavra é um dom. O outro é um dom.

Amados irmãos e irmãs!

A Quaresma é um novo começo, uma estrada que leva a um destino seguro: a Páscoa de Ressurreição, a vitória de Cristo sobre a morte. E este tempo não cessa de nos dirigir um forte convite à conversão: o cristão é chamado a voltar para Deus « de todo o coração » ( Jl 2, 12), não se contentando com uma vida medíocre, mas crescendo na amizade do Senhor. Jesus é o amigo fiel que nunca nos abandona, pois, mesmo quando pecamos, espera pacientemente pelo nosso regresso a Ele e, com esta espera, manifesta a sua vontade de perdão (cf. Homilia na Santa Missa , 8 de janeiro de 2016).

A Quaresma é o momento favorável para intensificarmos a vida espiritual através dos meios santos que a Igreja nos propõe: o jejum, a oração e a esmola. Na base de tudo isto, porém, está a Palavra de Deus, que somos convidados a ouvir e meditar com maior assiduidade neste tempo. Aqui queria deter-me, em particular, na parábola do homem rico e do pobre Lázaro (cf. Lc 16, 19-31). Deixemo-nos inspirar por esta página tão significativa, que nos dá a chave para compreender como temos de agir para alcançarmos a verdadeira felicidade e a vida eterna, incitando-nos a uma sincera conversão.

Normas básicas para o Jejum da quaresma

Jejum: fazer apenas uma refeição completa durante o dia e, caso haja necessidade, tomar duas outras pequenas refeições que não sejam iguais em quantidade à habitual ou completa. Não fazer as refeições habituais ( e não haver requintes na que for feita), nem outros petiscos durante o dia (nem mesmo cafezinho, doces, chimarrão etc).

Estão obrigados ao jejum os que tiverem completado dezoito anos até os cinquenta e nove completos. Os outros podem fazer, mas sem obrigação. Grávidas e doentes estão dispensados do jejum, bem como aqueles que desenvolvem árduo trabalho braçal ou intelectual no dia do jejum. Água e remédios são permitidos em qualquer tipo comum de jejum.

Nota: para não se fugir à orientação da igreja este jejum pode ser tornado mais rigoroso, mas não atenuado. Pode-se, caso servir para vivê-lo melhor,  fazer outros tipos de jejum conhecidos, tais quais
– pão e água:  também conhecido como jejum bíblico, fazê-lo à base de pão e água durante o dia.
– à  base de líquidos:  tais quais chás, vitaminas, laticínios, menos caldos.
– abster-se de refeições: escolhe-se uma das refeições para não ser feita, e come moderamente nas duas outras, não se abstendo de água.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

UMA CORRENTE DE GRAÇAS: RENOVAR 2017 EM CAMOCIM (PROGRAMAÇÃO)

A imagem pode conter: 2 pessoas
Em Camocim, a RCC  está realizando nos dias 25, 26, 27 e 28 de fevereiro o RENOVAR 2017, O encontro é realizado em 150 locais em todo o estado, nas 9 dioceses, como uma opção para aqueles que não querem participar da "Festa das Carnes" e que, no referido período, optaram por crescer na intimidade com Deus e no conhecimento de Sua Palavra. 
O encontro traz o  tema “Meu espírito exulta de alegria.” (Lc 1,47), obedecendo ao direcionamento dado pelo Conselho Nacional da RCC para todos os eventos promovidos pelo movimento carismático nesse período em todo o Brasil. 
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
O RENOVAR 2017 está acontecendo na Quadra do Ginásio Municipal Dep. Murilo Aguiar, tendo como programação básica de cada dia a estrutura que segue: 

RENOVAR /2017
TEMA:“ Meu espírito exulta de alegria” (Lc 1,47)


Dia 26/02 – Domingo
MANHÃ
08h – Terço Mariano
08h30min – Louvor e Oração
09h - 2ª Pregação: Convertei-vos e crede noEvangelho!” ( Mc 1,15)
9h50min – Oração diante da Cruz (libertação)
10h – Comunicação de Palco
10h05min - Intervalo
10h25min – Retorno com louvor
10h35min - 3ª Pregação: “Eu te resgato és meu” (Is 43, 1-15)
11h25min – Testemunho
12h – Intervalo para o almoço
TARDE DE DOMINGO
14h – Terço da Misericórdia
14h20min – Louvor e oração
15h – 4ª Pregação: Escolhe, pois, a vida! ( Dt 30, 15-20)
 15h 55min – Comunicação de palco
16h – INTERVALO
16h20min– Retorno com louvor
16h 30min –5ª Pregação: Revesti-vos da armadurade Deus, para que possais resistir às ciladas do demônio. ( Ef 6.11)
17h 20min- Intervalo para Santa Missa
NOITE
19h – Santa Missa (Padre Cleandro)
20h – Show de Evangelização
22h – Encerramento

Papa: diante das tantas preocupações devemos confiar-nos a Deus


Diante das tantas preocupações que tiram a nossa serenidade e equilíbrio, devemos confiar-nos a Deus. “Ele não resolve magicamente os problemas, mas permite enfrentá-los com o espírito correto”.

Palavras do Papa Francisco na alocução que precedeu a Oração mariana do Angelus,  inspirada na leitura do Evangelho de Mateus – proposta pela Liturgia do dia – onde somos chamados a fazer uma escolha por Deus e pelo seu Reino, uma escolha “que nem sempre mostra imediatamente seus frutos” e que é feita na esperança.

Deus cuida dos seres da criação, “provê de alimento a todos os animais, preocupa-se pelos lírios e pela erva do campo; o seu olhar benéfico e solícito vigia cotidianamente a nossa vida”.

O Papa recorda que “a angústia” causada pelas preocupações “é muitas vezes inútil”, pois “não consegue mudar o curso dos acontecimentos”. Neste sentido, a insistente exortação de Jesus “a não nos preocupar-nos com o amanhã”, “existe um Pai amoroso que não se esquece nunca de seus filhos. Entregar-se a Ele não resolve magicamente os problemas, mas permite enfrentá-los com o espírito correto, corajosamente”:

“Deus não é um ser distante e anônimo: é o nosso refúgio, a fonte de nossa serenidade e de nossa paz. É a rocha da nossa salvação, a quem podemos agarrar-nos na certeza de não cair. Quem se agarra a Deus não cai, quem se agarra a Deus, não cai nunca! É a nossa defesa do mal, sempre à espreita. Deus é para nós o grande amigo, o aliado, o pai, mas nem sempre nos damos conta disto”.
 

©2012 Grupo Renascer | Template Grupo Grupo Renascer by